×
ContextoExato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 23 de outubro de 2018


Mulheres sírias forçadas a sexo em troca de ajuda humanitária

Mulheres sírias forçadas a sexo em troca de ajuda humanitária

As primeiras denúncias ocorreram há três anos mas, apesar disso, esta exploração sexual continua a acontecer no sul do país.

Por Zap / Foto: Awid.org - 16/07/2018 - 00:27:17

As mulheres sírias estão sendo sexualmente exploradas por homens a cargo da distribuição de ajuda humanitária das Nações Unidas e de outras organizações de caridade, revela uma nova investigação da BBC.

Segundo a BBC, que falou com alguns funcionários humanitários, estes homens trocam comida e carona por favores sexuais. As primeiras denúncias ocorreram há três anos mas, apesar disso, esta exploração sexual continua a acontecer no sul do país.

Em declarações ao canal britânico, os mesmos funcionários contam ainda que a exploração está tão generalizada que algumas destas mulheres já se recusam a ir aos centros de distribuição, uma vez que as outras pessoas iriam assumir que ofereceram os seus corpos para conseguir ajuda.

Uma das trabalhadoras assegura ainda que algumas das agências humanitárias estão ignorando estes abusos porque só através de terceiros e de autoridades locais é que conseguem fazer chegar ajuda às zonas mais perigosas do país.

O Fundo de População da ONU (UNFPA) procedeu a um relatório sobre violência de gênero na região, no ano passado, e concluiu que estas situações estão mesmo acontecendo. No documento, intitulado “Vozes da Síria 2018”, a organização dá alguns exemplos.

“Mulheres e jovens moças que casaram com agentes da autoridade por breves períodos de tempo para lhes garantirem ‘serviços sexuais’ e assim poderem receber refeições”; “distribuidores que pedem números de telefone a mulheres e jovens moças”; “a darem-lhes carona para casa ‘para terem algo em troca'” ou “obter distribuições em troca de ‘serviços’ como passarem uma noite com eles”, cita a BBC.

“As mulheres e moças jovens ‘sem protetores do sexo masculino’, como viúvas, divorciadas e IDPs (Internally Displaced Persons), estão particularmente vulneráveis a esta exploração sexual”, acrescenta.

Abusos ignorados desde 2015

Esta exploração sexual começou a ser denunciada há três anos por Danielle Spencer, uma funcionária humanitária que ouviu estas alegações num campo de refugiados na Jordânia, em março de 2015.

“Eles estavam retendo a ajuda que tinha sido distribuída e usando essa mesma ajuda para desfrutar de algumas destas mulheres. Algumas estavam muito perturbadas. Lembro-me de uma mulher a chorar num quarto, estava muito chateada pelo que tinha experienciado. As mulheres e moças jovens precisam de ser protegidas quando vão tentar receber comida, sabão e outras coisas básicas. A última coisa que precisam é que homens em quem é pressuposto confiarem e que deviam dar-lhes ajuda lhes exijam sexo”, conta ao canal.

Meses depois, em junho de 2015, o Comitê Internacional de Resgate (IRC) conseguiu apurar, através do depoimento de 190 testemunhos, que cerca de 40% das entrevistadas foram vítimas destes abusos.

Estes dados foram analisados, no mês seguinte, num encontro entre agências das Nações Unidas e outras organizações de caridade, o que levou alguns grupos a alterarem os seus procedimentos.

Em declarações à emissora, Spencer considera que o setor da ajuda humanitária está a “ignorar” o que se passa para garantir que o auxílio chegue ao sul do país. “A ONU e o sistema atual escolheram deixar que os corpos das mulheres sejam sacrificados”, acusa.

Contactado pela BBC, um porta-voz do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) diz que, na época, souberam das denúncias mas que não tinham informações suficientes para identificar e punir os homens e as organizações responsáveis.

No entanto, a mesma fonte garante que o ACNUR abriu uma nova investigação para apurar mais dados sobre o assunto e para reforçar os seus mecanismos de prevenção e de denúncia, assim como o treino de parceiros locais.

Comentários para "Mulheres sírias forçadas a sexo em troca de ajuda humanitária":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório