×
ContextoExato

Mutirão do Bem Viver compra de agricultores e doa para populações vulnerabilizadas

Mutirão do Bem Viver compra de agricultores e doa para populações vulnerabilizadasFoto: Acervo Pessoal - Maicon Lucas

Até o momento, aproximadamente mil voluntários ajudaram a distribuir cerca de quatro mil cestas de alimentos para quatro mil famílias em 78 territórios diferentes de 17 estados

Caroline Oliveira - Brasil De Fato | São Paulo (sp) - 15/08/2020 - 19:41:34

A ideia não é só conectar quem precisa vencer e quem precisa consumir, mas construir uma sociedade do bem viver

A pandemia de covid-19 vem agravando a situação daqueles que não têm acesso à segurança alimentar e nutricional, devido à crise econômica intensificada pela chegada da epidemia. A fome pode alcançar o dobro de pessoas atingidas antes da pandemia, deixando cerca de 265 milhões de pessoas em uma situação de insegurança alimentar aguda, de acordo com um relatório da Organização para a Alimentação e Agricultura (FAO) da Organização das Nações Unidas, publicado no dia 21 de abril. Em 2019, 130 milhões de pessoas foram registradas em situação de fome.

Diante da grave situação, voluntários de todas as partes do Brasil se juntaram para realizar o Mutirão do Bem Viver. O objetivo é dar uma resposta rápida à crise que se intensifica com a arrecadação de alimentos orgânicos e saudáveis e a doação destes para populações vulnerabilizadas e de regiões periféricas, seja no campo, na cidade e em territórios tradicionais.

Os voluntários arrecadam alimentos não perecíveis e recursos financeiros para comprar alimentos orgânicos de pequenos produtores. Segundo Cíntia Moura Mendonça, uma das voluntárias do Mutirão, a ideia, com a arrecadação de dinheiro, é também ajudar esses agricultores a escoar os alimentos, o que tem sido dificultado pela crise. A ideia é que, segundo Mendonça, comprando desses produtores e entregando para famílias em situação de vulnerabilidade social, o Mutirão acaba por criar uma rede de solidariedade e uma entre quem precisa vender e quem precisa consumir, tudo sob a égide da agroecologia e da soberania alimentar.

O Mutirão “surgiu para construir uma grande rede de solidariedade, conectando pessoas do campo, floresta e cidade em todo o país. E o objetivo do Mutirão do Bem Viver é, agora numa ação emergencial, conectar e apoiar as famílias que estão precisando, fazendo chegar alimentos sem veneno, saudáveis, cheios de nutrientes para essas famílias em territórios mais vulneráveis”, afirma Mendonça.

Até o momento, aproximadamente mil voluntários ajudaram a distribuir cerca de quatro mil cestas de alimentos para quatro mil famílias em 78 territórios diferentes de 17 estados. Nesta conta, entrou o trabalho da agricultora Lucélia da Silva Deon, de 39 anos, que mora em Santo Amaro da Imperatriz, a cerca de 40 quilômetros de Florianópolis, capital de Santa Catarina.

Ela já vendeu alimentos orgânicos para o Mutirão do Bem Viver distribuídos para essas quatro mil famílias. Em um terreno compartilhado com outras pessoas, a agricultora planta morango, tomate salada, tomate cereja, pimentão vermelho e verde, berinjela, pepino, cebola, ervilha, brócolis romanesco, couve e batata doce.

Esta etapa de arrecadação financeira, compra de pequenos agricultores e distribuição de cestas para populações vulnerabilizadas é, no entanto, apenas a primeira “A gente pensa em um segundo momento, a partir do relaxamento do de isolamento social, partir para ações mais relacionadas à emancipação desses territórios que a gente está atuando”, afirma Mendonça.

Essa segunda fase envolve escutar quais são as necessidades nesses espaços e, partir de então, auxiliar na realização de tais dessas urgências, como a construção de cozinhas e hortas comunitárias. É o caso da comunidade da Vila Aparecida, no bairro Coqueiros, região continental de Florianópolis. Maicon Lucas, de 36 anos, é um dos voluntários para a construção de uma horta comunitária no local. A ideia é também levantar uma cozinha comunitária para os 10 mil moradores da região.

Espaço onde será construída a horta comunitária, em Florianópolis / Acervo Pessoal - Maicon Lucas

Sociedade do Bem Viver

Segundo Mendonça, com essa segunda fase, o objetivo é encampar e construir uma sociedade “livre de todo tipo de exploração, opressão e da destruição do planeta. A questão é emancipação alimentar, saúde, autoestima, o poder do povo mesmo, isso é fundamental. Não é só fazer uma ação assistencial. Mas construir geração de renda, estudo, conhecimento, a comida de graça”, defende Mendonça.

Não que as ações assistenciais não sejam necessárias. Afinal, tais populações têm necessidades que precisam ser supridas de imediato. Essa também é a defesa de Noa Cykman, voluntária do Mutirão do Bem Viver. Para além de tais medidas pontuais, as voluntárias afirmam que o mutirão diz respeito a uma visão ampla de transformação social, a partir de mudanças nas relações sociais e econômicas.

“A gente vê essa necessidade de reorganização, a partir de vínculos de comunidades, de forma mais local e menos global, reduzindo a necessidade, por exemplo, de transporte, do consumo de energia -- que é uma das grandes questões da transição climática pela qual a gente precisa passar --, e uma forma de agricultura também mais saudável, como a agroecologia que respeita os ciclos naturais do ecossistema e as pessoas envolvidas no trabalho da agricultura”, afirma Cykman.

Essencialmente, essa é a razão pela qual se levanta o Mutirão do Bem Viver: solidariedade, cooperação, apoio mútuo, reciprocidade, relação harmônica com a natureza. “É uma sociedade centrada na vida comunitária e que tem como percepção fundamental o equilíbrio entre todas as formas de vida. Esse é fio da meada, é o que costura toda a narrativa.”

Como participar?

Qualquer pessoa pode participar do Mutirão de diferentes formas: agricultor, voluntário, doador de alimentos, doador de recursos financeiros e receptor de doações. Para entrar no projeto, é necessário acessar um dos links, de acordo com o seu objetivo na campanha, e se inscrever. Agora, para fazer a doação, o interessado deve acessar o link da “vaquinha” virtual, que ficará disponível até o dia 31 de dezembro. O valor sugerido é de R$ 47,00, o equivalente a uma pequena cesta de alimentos agroecológicos.

Todos os links podem ser acessados por aqui.

Assista ao vídeo da campanha:

Edição: Rodrigo Durão Coelho

Comentários para "Mutirão do Bem Viver compra de agricultores e doa para populações vulnerabilizadas":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório