×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 22 de maio de 2022

'Não vislumbramos nada que seja pior do que agora', diz presidente da Gol

'Não vislumbramos nada que seja pior do que agora', diz presidente da GolFoto: Estadão reprodução

Modelo da Gol, de baixo custo e menor exposição ao mercado internacional, tende a sair fortalecido da crise, diz Kakinoff

Estadão Conteúdo - 29/05/2020 - 06:13:34

Com as finanças menos deterioradas que Azul e Latam , a Gol tem trabalhado internamente para atravessar a crise da covid-19 . Enquanto a primeira contratou a consultoria Galeazzi para renegociar dívidas e a segunda pediu recuperação judicial nos EUA , a Gol não sentiu necessidade de medidas mais extremas – ainda que tenha visto a receita cair em 90%. “Não conseguimos vislumbrar nada que seja pior do que agora”, diz o presidente da empresa, Paulo Kakinoff .

Diante desse cenário, a Gol cortou a folha de pagamentos pela metade ao reduzir jornadas e criar um programa de licença não remunerada ao qual 38% dos funcionários aderiram. Kakinoff, porém, acredita que o pior momento começa a ficar para trás e espera chegar ao fim do ano com demanda entre 65% e 80% do normal. A seguir, trechos da entrevista.

Qual a situação financeira da Gol? Há possibilidade de seguir os passos da Latam?

Como não estamos dando projeções para 2021, continua válido o que já publicamos: temos caixa para, no mínimo, até dezembro. Enxergando a crise em três fases. A primeira começou no pós-carnaval, com queda na Bolsa e dólar disparando. Essa fase vai até a inflexão das medidas de quarentena e, nela, a perspectiva é que a demanda seja dada por clientes que precisam viajar, como profissionais de saúde. A segunda fase começa com as medidas de relaxamento da quarentena. A gente estima que, nas próximas duas ou três semanas, inicie esse ciclo e que ele vá até o dia em que a sociedade diga que o problema está sob controle. Nessa fase, a demanda deve ser crescente. Estamos falando do mercado doméstico, porque o cenário internacional é pior. Projetamos chegar ao fim do ano com uma demanda entre 65% e 80% do normal, mas tem uma margem de erro importante. A terceira fase tem uma tendência de recuperação relativamente rápida da demanda. Mas aí já estamos falando em 2021.

O pior momento, então, já passou para o setor aéreo?

Não conseguimos vislumbrar nada que seja pior do que agora. A receita caiu para 10% do que era. Neste momento, estamos com 70 voos diários e, para junho, vislumbramos 100. Esses 100 vão representar de 15% a 17% do que era normal. A retomada é gradual e traz um desafio grande para as aéreas. Felizmente, entramos na crise com uma posição robusta.

Nessa fase dois, dadas as medidas de segurança sanitária, as passagens ficarão mais caras e as margens da empresa cairão?

Esses itens podem significar uma pressão adicional de custos, mas tendem a ser em proporção menor que o câmbio e a querosene. Em relação ao vale da crise, o barril de petróleo saiu de US$ 20 para US$ 35 e o câmbio está flutuando entre R$ 5,40 e R$ 5,70. Essa combinação pressiona custos e tende a ter maior impacto na tarifa.

Analistas têm apontado a Gol como a aérea mais forte para se recuperar. A empresa deve sair da pandemia com participação maior de mercado?

O momento é desafiador para todo o setor, inclusive para nós. Em termos relativos, temos uma vantagem comparativa por causa do nosso modelo de negócio: exposição menor ao mercado internacional e um modelo de baixo custo que, em um mercado deprimido, tende a sair fortalecido. Assumindo que haverá a necessidade de uma readequação de frota a um mercado menor, nossos custos para readequação são menores também. Operamos um avião com mais liquidez. Esses itens têm apontado uma posição mais robusta da companhia neste momento e consequentemente uma probabilidade maior de êxito.

No vídeo da reunião interministerial que se tornou público, o ministro Paulo Guedes disse que não haveria ajuda para aéreas. Como viu essa afirmação? O socorro do BNDES é suficiente?

Não tenho conhecimento de nenhum statement (declaração) governamental que seja diferente da estruturação da linha do BNDES. Temos falado com o governo de pautas concretos. A primeira é a possibilidade de venda antecipada de bilhetes para o governo, que não sabemos se será viabilizada. A segunda é a linha do BNDES. Em nenhum momento, colocamos o empréstimo do BNDES como condição de sobrevivência para a companhia. Poderá vir a ser uma necessidade em função de variáveis imprevisíveis neste momento.

Como vê o mercado doméstico pós-pandemia? O governo queria a entrada de novas empresas no País. Há possibilidade de que agora elas entrem por aquisições?

O setor terá um apetite menor para aquisições e investimentos. A aviação mundial foi afetada em liquidez. Deverá haver mudanças importante nos players (empresas) em relação ao pré-covid: empresas falindo, empresas que vão se juntar e empresas que vão recuar no tamanho. Mas não vejo investimentos em novos mercados ou aquisição. Haverá movimentos como esses, mas pontuais.

Pode ter quebra no Brasil?

Dada a imprevisibilidade da crise, sim, pode. Mas não acho que vá acontecer.

Comentários para "'Não vislumbramos nada que seja pior do que agora', diz presidente da Gol":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
PhD em Odontologia expõe os limites para a realização de harmonização facial

PhD em Odontologia expõe os limites para a realização de harmonização facial

Técnica exige profissionais competentes

Multinacional de energia solar fotovoltaica anuncia armazém no Brasil

Multinacional de energia solar fotovoltaica anuncia armazém no Brasil

Empresário prevê futuro fotovoltaico no Brasil

Jean Nouvel e Philippe Starck falam sobre novo hotel em São Paulo

Jean Nouvel e Philippe Starck falam sobre novo hotel em São Paulo

Bar Rabo di Galo, dentro do novíssimo hotel Rosewood São Paulo

Ornare participa do CASACOR Rio nos espaços Sergio Conde Caldas e Gisele Taranto

Ornare participa do CASACOR Rio nos espaços Sergio Conde Caldas e Gisele Taranto

O evento acontece de 27 de abril a 26 de junho, no casarão Brando Barbosa, localizado no Jardim Botânico (Rio de Janeiro).

Abercrombie & Fitch sofre em tempos de culto à diversidade

Abercrombie & Fitch sofre em tempos de culto à diversidade

Ex-presidente da Abercrombie & Fitch, Mike Jeffries, foi o responsável pelo sucesso da marca, mas também por alguns escândalos que atingiram a empresa

Vazamento da Bradesco Financiamentos pode ter exposto dados de 53 mil clientes

Vazamento da Bradesco Financiamentos pode ter exposto dados de 53 mil clientes

Vazamentos de dados e ciberataques contra empresas têm se tornado mais comuns nos últimos anos e se tornaram uma das principais preocupações da liderança das companhias.

BRB assume o autódromo de Brasília e vai investir R$ 60 milhões na reforma

BRB assume o autódromo de Brasília e vai investir R$ 60 milhões na reforma

Fechado desde 2014, espaço que pertencia à Terracap, após as obras, será devolvido à população

Gol e Avianca formam gigante da aviação na América Latina

Gol e Avianca formam gigante da aviação na América Latina

De acordo com fontes, ainda não há uma definição se a Gol permanecerá listada na B3

Sucesso Compartilhado viabiliza a formação de profissionais da área de TI

Sucesso Compartilhado viabiliza a formação de profissionais da área de TI

O programa com apenas 2 anos de vigência já formou alunos em todo o país

Vale fecha acordo com Elon Musk para fornecimento de níquel para Tesla

Vale fecha acordo com Elon Musk para fornecimento de níquel para Tesla

Com o contrato, mineradora brasileira impulsiona meta interna para atingir de 30% a 40% das vendas de níquel para indústria de veículos elétricos.

Ser mãe é padecer... de cansaço?

Ser mãe é padecer... de cansaço?

Chega-se ao ponto de cunhar o termo “mommy burnout”, algo como “esgotamento da mamãe”.