×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 22 de maio de 2022

“Não vou discutir comportamento de Bolsonaro”, diz Nelson Teich

“Não vou discutir comportamento de Bolsonaro”, diz Nelson TeichFoto: Palácio do Planalto

Ministro evitou criticar presidente, que, na véspera, rebateu com

Bruna Aidar - Metrópoles - 30/04/2020 - 07:07:41

Um dia depois de o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) responder com um “e daí?” uma pergunta sobre o Brasil ter ultrapassado a China em número de mortes pela Covid-19, o ministro da Saúde, Nelson Teich, evitou tecer críticas ao chefe. Em teleconferência com senadores nesta quarta-feira (29/04 ), ele disse que “não vai discutir o comportamento” de Bolsonaro.

Teich foi questionado pela senadora Rose de Freitas (Pode-ES), que lembrou declaração dada quando ele tomou posse, em 17 de abril. Na ocasião, o ministro garantiu “ alinhamento completo ” com o presidente – o antecessor dele no cargo, Luiz Henrique Mandetta, foi demitido por discordar de Bolsonaro quanto à necessidade de isolamento geral para conter o novo coronavírus. “Isso significa adotar a retomada da economia antes de cuidar da redução do número de mortos?”, questionou a parlamentar.

“Não vou discutir o comportamento, mas eu posso dizer que ele está preocupado com as pessoas e com a sociedade. O alinhamento é nesse sentido. Quando eu aceitei (o cargo), foi porque existe um foco total em ajudar as pessoas”, disse o ministro. “A gente trabalha isso como se fosse uma polarização política e não pode ser assim. Não vou discutir politicamente.”

Ao longo da audiência, que já dura quatro horas, ele foi continuadamente questionado sobre a questão do isolamento. Desde que assumiu, seu discurso é de que ele precisa de informações antes de tomar qualquer decisão sobre um eventual relaxamento das orientações para medidas de distanciamento social. Aos senadores, a linha de argumentação dele foi a mesma: logo no início, inclusive, em resposta a Jorge Kajuru (Cidadania-GO), Teich recusou-se a cravar qual modelo de quarentena pretende orientar.

“Dizer se deve ficar em casa ou não, isso é resposta simplista para problema heterogêneo”, afirmou. “O isolamento é uma ferramenta que é bem ou mal usada. A gente vai trabalhar um detalhamento que é preciso levar em recomendação. O ideal é que a gente tenha os testes, e quem é positivo deve ficar isolado, assim como quem é mais velho, quem teve contato – vai depender da curva em cada região, de quantos casos.”

Até que se obtenham mais informações, como qual a parcela da população que de fato tem a doença, sobre a transmissibilidade do coronavírus, a confiabilidade dos testes e eficácia de possíveis remédios ou vacinas, a atual orientação quanto ao isolamento será mantida, garantiu. Até lá, o ministério trabalha em um “banco de dados” que permita traçar um cenário real da doença no país.

“A gente não sabe qual o percentual da sociedade que está acometido pela doença. Sem esse conhecimento, você está literalmente navegando às cegas. Medida de isolamento que radicaliza o distanciamento é necessário porque você não sabe o que fazer. Única coisa que você sabe é que o distanciamento diminui o risco de contágio.”

Reações
Frente às negativas do ministro para definir se apoiará, ou não, o relaxamento das regras de isolamento, ele foi cobrado por diversos senadores. Mara Gabrilli (PSDB-SP) chamou atenção para uma possível responsabilização dele e disse tê-lo achado “leniente”. Já Humberto Costa (PT-PE) disse que a ambiguidade quanto à quarentena “é o que está fazendo com que o Brasil sofra agora”. “Ou a gente está do lado da ciência, ou não está. O ministro utiliza o argumento da polarização: não, no mundo não tem essa polarização, não.”

“Estou tremendamente frustrado em relação às respostas que Vossa Excelência deu até o momento. Acho que há uma dubiedade muito séria. O senhor falou com a certeza de um pesquisador que precisa conhecer a doença, mas existe uma certeza: que o distanciamento social é a única maneira de impedir uma explosão de casos”, criticou Tasso Jereissati (PSDB-CE).

Major Olimpio (PSL-SP), discordou: “Não adianta a gente cobrar o ministro por postura do presidente. Se for o caso, tem que cobrar o presidente. O ministro é para estabelecer as políticas públicas de saúde”.

Comentários para "“Não vou discutir comportamento de Bolsonaro”, diz Nelson Teich":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Projeto da ONU busca preservar a floresta amazônica no Maranhão

Projeto da ONU busca preservar a floresta amazônica no Maranhão

Unep Grid Arendal/Riccardo Pravettoni Plantações na Amazônia brasileira

Crise climática pode ser combatida com monetização de reflorestamento

Crise climática pode ser combatida com monetização de reflorestamento

Brasil tem vantagem competitiva com créditos de carbono

“É difícil lidar com um sistema que engessa a gente”, diz curadora indígena que deixou o Masp

“É difícil lidar com um sistema que engessa a gente”, diz curadora indígena que deixou o Masp

Sandra Benites pediu demissão do museu depois que seis fotos sobre o MST e a luta indígenas foram vetadas de uma mostra

Como os indígenas preservam o pirarucu

Como os indígenas preservam o pirarucu

Comunidades adotam o plano de manejo que gera renda e salva o gigante amazônico da extinção

Santa Catarina é destaque na geração de empregos no país

Santa Catarina é destaque na geração de empregos no país

Ampla oferta não garante contratação imediata

Pandemia evidencia violação de direitos humanos na agropecuária

Pandemia evidencia violação de direitos humanos na agropecuária

Antes da crise sanitária, 19,2% do total de pessoas empregadas na América Latina já estava em emprego rural

Biogás ganha protagonismo no setor de energia do Brasil através de investimentos e novas regulações

Biogás ganha protagonismo no setor de energia do Brasil através de investimentos e novas regulações

Segundo associações de gás brasileiras, 25 novas usinas têm orçamento de mais de R$ 55 bilhões para, até 2030, ofertar 30 milhões de m3/dia do combustível. O biogás também é uma alternativa para volatilidade do preço do óleo diesel.

Mais de 20% de médicos recém-formados migram para outros estados

Mais de 20% de médicos recém-formados migram para outros estados

'A migração interna de médicos é determinada por questões econômicas, sociais e demográficas, há fatores individuais e profissionais associados à decisão de mudar', afirma Mauro Ribeiro, presidente do CFM

Grupo MM fala dos desafios do mercado de eventos na retomada ao mundo presencial

Grupo MM fala dos desafios do mercado de eventos na retomada ao mundo presencial

O desafio agora, segundo Meire é reformatar o mercado, a partir das novas ferramentas e tecnologias que foram criadas durante a pandemia

Ibama remove servidor que investigou maus tratos a girafas no RJ; Categoria denuncia retaliação

Ibama remove servidor que investigou maus tratos a girafas no RJ; Categoria denuncia retaliação

Mudança de cargo foi determinada por militar indicado por Bolsonaro; servidores veem desmonte da fiscalização

Projeto visa criar florestas economicamente sustentáveis

Projeto visa criar florestas economicamente sustentáveis

No projeto, o planejamento de restauro das florestas originais das comunidades atendidas já foi iniciado.