×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 22 de maio de 2022

No interior do Amazonas, quatro mulheres cuidam de 240 pessoas com deficiência

No interior do Amazonas, quatro mulheres cuidam de 240 pessoas com deficiênciaFoto: Divulgação.

Entrada da Apae de Tefé.

Vencer Limites - 14/05/2020 - 11:03:15

Integrantes da Apae de Tefé, a 570 quilômetros de Manaus, dão suporte e auxílio à distância, mas a situação de muitas famílias é precária. Com acesso à cidade somente por barco ou avião, serviços que estão suspensos, faltam itens básicos de limpeza, alimentação, suplementos específicos, medicamentos e de higiene, inclusive fraldas, além de equipamentos de fisioterapia e até cadeiras de rodas. ASID Brasil vai incluir a instituição em sua rede para enviar doações.


Ouça essa reportagem com Audima no player acima ou acompanhe a tradução em Libras com Hand Talk no botão azul à esquerda.


Descrição da imagem #pracegover: Integrantes da Apae de Tefé posam juntos na quadra esportiva da unidade. Crédito: Divulgação.


“Ninguém foi abandonado”, diz a psicóloga Julia Macedo, uma das quatro mulheres que estão na linha de frente dos atendimentos à distância da APAE de Tefé , no interior do Amazonas, a 575 quilômetros de Manaus.

Empenhada para manter apoio e suporte a 243 pessoas com deficiência que frequentam a unidade, e suas famílias, ela une forças com a assistente social Alcemira de Alencar, a fisioterapeuta Maria Dulce de Oliveira e a atual presidente da instituição, Aila de Sá.

“Fazemos ligações diárias e compartilhamos informações nos grupos do Whatsapp, orientando sobre a higiene, quem procurar se é necessário tomar remédios ou obter uma receita, as atividades em casa e os cuidados específicos com cada tipo de deficiência”, explica a psicóloga Julia Macedo.

“Nossa maior dificuldade é saber que muitas famílias só tem o BPC (Benefício de Prestação Continuada) para manter a casa. E outras nem esses benefício têm. Então, a situação é de extrema pobreza”, afirma a presidente Aila de Sá.

“Pessoas com deficiência podem ser muito vulneráveis a várias doenças. E ainda temos mãe com dois filhos acamados. Isso me deixa muito preocupada”, diz.

“Abrimos nossas instalações para servir de abrigo às pessoas em vulnerabilidade, moradores de rua, com apoio da Secretaria Municipal de Assistência Social e uma equipe técnica”, esclarece a presidente.


O acesso a Tefé só pode ser feito de barco ou avião, mas os dois serviços de transporte estão suspensos por causa da pandemia do coronavírus. No começo deste mês, a Prefeitura decretou ‘lockdown’.

Até esta terça-feira, 12, o município registrou 25 mortes por covid-19, 552 casos confirmados de moradores contaminados, sendo 25 internados. De acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o município tem aproximadamente 60 mil habitantes.

“Neste momento, por causa da pandemia, famílias estão sem renda porque os pais não têm trabalho. Então, faltam itens básicos de limpeza, alimentação, suplementos específicos, medicamentos e de higiene, além de equipamentos de fisioterapia e até cadeiras de rodas. Há muitos acamados sem fraldas”, comenta a assistente social Alcemira de Alencar.

Nesta quarta-feira, 13, a ASID Brasil (Ação Social para Igualdade das Diferenças), que tem uma rede com 172 instituições, informou ao #blogVencerLimites que a Apae de Tefé será cadastrada no grupo para receber doações.

Essa iniciativa faz parte da campanha promovida pela ASID Brasil , que deve beneficiar aproximadamente 2 mil famílias de pessoas com deficiência em todo o País durante a pandemia de covid-19.


Comentários para "No interior do Amazonas, quatro mulheres cuidam de 240 pessoas com deficiência":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Alcoólicos Anônimos só para mulheres tem impacto positivo

Alcoólicos Anônimos só para mulheres tem impacto positivo

Dados são de estudo realizado por pesquisadores da USP

Influenciadora digital compartilha a rotina de viver com a Doença de Crohn

Influenciadora digital compartilha a rotina de viver com a Doença de Crohn

Lorena fala que durante a adolescência se sentia isolada e até excluída, mas viu na internet um refúgio. Ela revela que demorou um tempo para falar sobre a doença e sua deficiência.

Especialista em finanças lança obra voltada a mulheres que querem independência financeira

Especialista em finanças lança obra voltada a mulheres que querem independência financeira

Para a escritora, a obra é necessária porque ajuda as mulheres a trilhar um caminho de mentalidade financeira abundante

No Dia das Mães, mulheres falam sobre adoção monoparental no Brasil

No Dia das Mães, mulheres falam sobre adoção monoparental no Brasil

A chamada adoção solo tem as mesmas regras do processo biparental

Mujeres Fuertes: Mães venezuelanas recebem apoio para conquistar autonomia no Brasil

Mujeres Fuertes: Mães venezuelanas recebem apoio para conquistar autonomia no Brasil

Conciliar família, trabalho e estudo é uma tarefa inevitável para mulheres mundo afora. Em Manaus, mães venezuelanas têm ganhado apoio em sua jornada

Bolsonaro sanciona Plano de Enfrentamento à Violência contra a Mulher

Bolsonaro sanciona Plano de Enfrentamento à Violência contra a Mulher

Lei integra a Política Nacional de Segurança Pública e Defesa Social

Filme recupera a luta feminista pós-ditadura

Filme recupera a luta feminista pós-ditadura

O filme dá ideia perfeita da trajetória e das dificuldades dessa luta.

Meninas melhoram desempenho em matemática e se igualam a meninos

Meninas melhoram desempenho em matemática e se igualam a meninos

É o que revela estudo feito pela Unesco

Banco Mundial e cidades brasileiras em parceria contra violência de gênero

Banco Mundial e cidades brasileiras em parceria contra violência de gênero

Em 2006, a lei brasileira Maria da Penha trouxe o reconhecimento e a responsabilização criminal da violência contra a mulher, mas ainda existem muitos desafios a serem superados

Mulheres negras são 65% das trabalhadoras domésticas no país

Mulheres negras são 65% das trabalhadoras domésticas no país

Maioria recebe menos que um salário mínimo e não tem carteira assinada

Professoras da USP criam projeto de mentoria para mulheres economistas

Professoras da USP criam projeto de mentoria para mulheres economistas

Objetivo é ajudar jovens profissionais a entrar no mercado de trabalho