×
ContextoExato

Nova ação no Supremo questiona portaria do Ministério da Agricultura que simplifica registro de agrotóxicos

Nova ação no Supremo questiona portaria do Ministério da Agricultura que simplifica registro de agrotóxicosFoto: Estadão

Rede questiona possibilidade de liberação automática de registro de agrotóxicos pelo Ministério da Agricultura

Supremo Tribunal Federal - 11/03/2020 - 08:55:05

O Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) ajuizou ação no Supremo Tribunal Federal (STF) visando à suspensão dos efeitos da norma do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) que libera o registro tácito de agrotóxicos e afins, entre outros pontos. A Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 658 foi distribuída por prevenção ao ministro Ricardo Lewandowski, relator da ADPF 656, ajuizada pela Rede Sustentabilidade contra a mesma norma.


Segundo o PSOL, a Portaria 43/2020 da Secretaria de Defesa Agropecuária do MAPA, ao permitir o deferimento tácito do registro de agrotóxicos no prazo de 60 dias mesmo sem a realização de estudos relativos à saúde e ao meio ambiente, incentiva o uso dessas substâncias e facilita o acesso a elas, com aumento exponencial do seu consumo. O partido argumenta que a legislação brasileira para a regulação dos agrotóxicos (Lei 7.802/1989 e Decreto 4.074/2002) foi construída sob o paradigma do uso seguro e que a Portaria 43 ajuda a relativizar a sua aplicação. “O registro tácito viola frontalmente as normas constitucionais: é especialmente incompatível ao direito ao meio ambiente equilibrado e ao direito à saúde”, afirma.


EC/AS//CF

Leia mais:
9/3/2020 - Rede questiona possibilidade de liberação automática de registro de agrotóxicos pelo Ministério da Agricultura

Comentários para "Nova ação no Supremo questiona portaria do Ministério da Agricultura que simplifica registro de agrotóxicos":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório