×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 28 de janeiro de 2022

O barco faz água e Jair Bolsonaro busca um bote salva-vidas

O barco faz água e Jair Bolsonaro busca um bote salva-vidasFoto: Júlio Nascimento/PR | Câmara dos Deputados | ABr

Jair Bolsonaro, Roberto Jefferson, Valdemar Costa Neto e Sérgio Moro

Portal 247 - 24/04/2020 - 10:29:55

A jornalista Tereza Cruvinel escreve sobre a crise mais grave do governo Bolsonaro, que pode ter tintas definitivas, e de sua tentativa desesperada de salva-se: "Buscando um bote salva-vidas, um seguro-impeachment, Bolsonaro atira-se aos braços do centrão". Ela, entretanto, adverte: "nas próximas horas a água ainda vai subir mais, vinda do STF"

Por Tereza Cruvinel, para o Jornalistas pela Democracia - Os últimos movimentos de Bolsonaro falam de um presidente que começa a se desesperar diante dos sinais de deterioração de seu governo e do cerco que vai se fechando contra ele. Bolsonaro busca um bote salva-vidas e por isso rifa Moro, negocia com o que há de mais fisiológico e velha política no Centrão, escreve mensagem de contrição democrática ao ministor Toffoli e ameaça jogar também Paulo Guedes ao mar.

A indulgência do sistema jurídico-político foi grande mas ele apostou alto demais contra as instituições, contra os outros poderes e federação, e finalmente contra a própria população, ao sabotar os esforços para conter os efeitos da pandemia de Covid19. Ele mesmo forçou a formação de uma coalizão contra ele, integrada pelos governadores, o Congresso, o STF e a sociedade civil democrática. Isso é a frente ampla. A palavra impeachment agora é pronunciada sem rodeios.

Nessa crise com o ministro Moro, que atravessou o dia sem desfecho, as motivações de Bolsonaro são óbvias. Ele precisa de um diretor da PF para chamar de seu, que lhe deva o cargo e possa controlar os inquéritos sobre fake news e sobre quem bancou os atos golpistas de domingo, comandados pelo STF. Pediu a cabeça do atual diretor Maurício Valeixo sabendo que Moro não aceitaria. A carta branca para comandar a PF foi dada a Moro ao ser convidado para o cargo, assim como a promessa de uma cadeira no STF.

Até aqui, Moro foi útil. Na campanha, emprestou a Bolsonaro a bandeira do combate à corrupção e engrossou o bolsonarismo radical com a ala morista/anti-petista. Ministro, ao governo conferiu prestígio e um certo verniz, derivado da alta aprovação a sua trajetória de justiceiro da Lava Jato. Agora, Bolsonaro precisa muito mais de um comandante leal da PF do que de um ministro da Justiça que, além de tudo, faz-lhe sombra e até pensa em ser candidato em 2022. Ele e Moro dificilmente se entenderão em torno de um nome comum. Bolsonaro quer um nome seu, não quem deva o cargo ao ministro.

O custo será a perda de uma fração importante do bolsonarismo, que antes de aderir ao candidato Bolsonaro em 2018, era morista e lavajatista. E antipetista.

Buscando um bote salva-vidas, um seguro-impeachment, Bolsonaro atira-se aos braços do centrão. E estas negociações significarão uma traição a parte da base, a quem prometeu acabar com a “velha política”. Empossado, não respeitou a exigência do sistema que temos, não montou uma coalisão. Pensou governar quatro anos usando as redes sociais para pressionar o Congresso a aprovar o que pedia. Não funcionou. Quando a economia não respondeu às políticas de Guedes, e as estrepolias políticas de Bolsonaro o levaram ao isolamento, o Congresso começou a jogar com autonomia, rejeitando ou deixando caducar MPs do Governo. Mas não é pelas reformas nem pelas MPs que Bolsonaro se rende ao Centrão. É para garantir votos contra um eventual impeachment ou para a negação de uma licença para processo que venha a ser pedida pelo STF.

Para o bolsão radical, Bolsonaro tornou-se a moralidade, na medida em que se ligou a Moro. O mito era também a “nova política”, e isso exigia distância dos velhos políticos. E era também a política econômica neoliberal de Guedes, que viu agora o general Braga Neto, presidente operacional, anunciar um plano de investimento de viés estatista para a pós-pandemia absolutamente contrário à sua crença de que não será o Estado, mas a própria iniciativa privada, que ressuscitará a economia em coma.

E com isso, antes que o galo cante Bolsonaro nega três vezes o que prometeu na campanha. O nome disso é estelionato eleitoral.

Mas nas próximas horas a água ainda vai subir mais, vinda do STF.

Comentários para "O barco faz água e Jair Bolsonaro busca um bote salva-vidas":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Tribunal anula autorizações para exploração mineral em terras indígenas no Pará

Tribunal anula autorizações para exploração mineral em terras indígenas no Pará

A ANM fica proibida de liberar novas autorizações de pesquisa mineral, permissão de lavra garimpeira e concessão de lavra mineral na região, no perímetro que abrange as terras indígenas Parakanã, Trocará e suas adjacências.

Em vez dos esperados 33%, governo quer reajuste de 7,5% para professores

Em vez dos esperados 33%, governo quer reajuste de 7,5% para professores

Voo com brasileiros deportados dos EUA chega a Belo Horizonte

Eletricitários entram em greve em defesa da Eletrobras Pública e de direitos

Eletricitários entram em greve em defesa da Eletrobras Pública e de direitos

Se privatizar a Eletrobras haverá aumento da conta de luz e precarização dos serviços, diz integrante de Coletivo

Moradores denunciam ação policial em chacina que matou quatro pessoas na Chapada dos Veadeiros

Moradores denunciam ação policial em chacina que matou quatro pessoas na Chapada dos Veadeiros

Armas e plantas de maconha que teriam sido apreendidas pela Polícia Militar no local da chacina

Processo criminal da tragédia em Brumadinho pode voltar à estaca zero

Processo criminal da tragédia em Brumadinho pode voltar à estaca zero

Possível federalização do caso anularia setenças da Justiça estadual

Há 13 anos no topo da lista, Brasil continua sendo o país que mais mata pessoas trans no mundo

Há 13 anos no topo da lista, Brasil continua sendo o país que mais mata pessoas trans no mundo

De outubro de 2020 a setembro de 2021 foram registrados 375 assassinatos no mundo, o que representa um aumento de 7% em relação ao ano anterior

Intolerância religiosa:

Intolerância religiosa: "Brasil vive negação de direitos", afirma especialista

Violência aumentou nos últimos anos e políticas de combate foram enfraquecidas

Garimpo ilegal em alta no PA: Lama escurece águas do

Garimpo ilegal em alta no PA: Lama escurece águas do "Caribe Amazônico" em Alter do Chão

Faixa de areia separa águas barrentas e claras no balneário turístico de Alter do Chão (PA)

Mais de 500 coletores de sementes atuam na recuperação da Amazônia e do Cerrado

Mais de 500 coletores de sementes atuam na recuperação da Amazônia e do Cerrado

Rede de Sementes do Xingu já recuperou mais de 6 mil hectares de floresta na bacia do rio Xingu e Araguaia

Desejos de Ano Novo: Fora Bolsonaro, Democracia e Justiça Ambiental para todos

Desejos de Ano Novo: Fora Bolsonaro, Democracia e Justiça Ambiental para todos

Em Minas Gerais, as fortes chuvas elevam o risco do rompimento de barragens com rejeitos da mineração, a exemplo do que aconteceu nas cidades de Mariana, em 2015, e de Brumadinho, em 2019

Primeira vacinada do Brasil deseja um 2022 com 100% vacinados e sem uso de máscara

Primeira vacinada do Brasil deseja um 2022 com 100% vacinados e sem uso de máscara

Mônica Calazans, enfermeira e primeira vacinada no Brasil