×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 28 de novembro de 2021

O Chile em ebulição e a saída democrática

O Chile em ebulição e a saída democráticaFoto: Pública

O outubro chileno de 2019 lembra muito o junho brasileiro de 2013; entenda

Tânia Maria Saraiva De Oliveira - Brasil De Fato - 31/10/2019 - 11:03:42

É cedo para dizer o que está ocorrendo no Chile, para além do óbvio de ser uma revolta popular, de caráter espontâneo e sem direção, que teve como detonador o protesto de estudantes, decorrente do aumento na tarifa do metrô de Santiago.

E se espalhou por outras cidades e povoados, onde sequer existe metrô, abarcando outros temas da política do governo de Sebastian Piñera: reivindicações sociais em saúde, educação, salários, meio ambiente, direitos indígenas, de mulheres, com muitas acusações contra o sistema político, as instituições, a corrupção, verificadas em faixas, cartazes e gritos nas ruas.

É preciso não titubear na defesa da liberdade de manifestação e dos protestos políticos como direito básico de qualquer Estado Democrático / Foto: Pablo Vera/AFP

Por que tenho a impressão de já ter visto um filme com roteiro similar?

Porque o outubro chileno de 2019 lembra muito o junho brasileiro de 2013. É uma perspectiva que já apareceu em algumas narrativas de historiadores e cientistas políticos, sem muito aprofundamento.

Claro que o Chile tem um governo de direita em um Estado neoliberal, diferente do que era o Brasil há seis anos. Mas as pautas difusas das ruas, as pichações e as publicações nas redes sociais, dão conta de discursos moralistas e de negação da política que, lamentavelmente, podem abrir margem para figuras ainda mais autoritárias do que o atual governante chileno, propiciando a formação e o fortalecimento de grupos de extrema direita que disputem a narrativa pela via antidemocrática.

Não há espaço para qualquer determinismo, mas o olhar retrospectivo sobre nosso passado histórico recente é uma das formas de tentar assimilar processos contemporâneos de outras nações, sem deixar de compreender que o exame depende de vários critérios e, especialmente, da adequação dos exemplos às condicionantes locais.

Se os 3,75% de aumento em pesos terão a mesma consequência dos 20 centavos de reais ou se o “Chile despertó” se revelará sinônimo do “O gigante acordou” não se pode saber. Dependerá de como se comportarão as instituições diante do conturbado cenário, e quais serão os caminhos apontados pelos líderes políticos para a saída da crise aguda. Por enquanto, existe um governo encurralado, que reage com repressão, mandando o Exército para as ruas, e uma classe política acuada, que não sabe o que fazer diante da ebulição.

Mesmo que nosso precedente não sirva com perfeição pode ter o potencial de oferecer, no mínimo, os indícios de quais caminhos não devem ser trilhados pelos partidos e coletivos progressistas chilenos, quais atos não devem ser repetidos e que posturas políticas não devem ser adotadas.

A omissão que aqui se deu, quando a esquerda não disputou as ruas, fez com que surgissem movimentos de direita como “MBL”, “Vem pra rua”, dentre outros, e crescesse substancialmente o número de defensores da volta à ditadura militar. E é preciso que se assuma que os governos de centro-esquerda no Chile não conseguiram enfrentar os problemas resultantes de dificuldades estruturais da sociedade.

O Chile, no final do governo de Michele Bachelet, ainda registrava índices recordes de desigualdade social, apesar dos progressos alcançados na implementação de algumas políticas públicas. A reforma da educação, sua grande bandeira, não foi concluída e esbarrou em decisão de inconstitucionalidade do Tribunal Constitucional.

A força motriz de um projeto reacionário de poder – não vale apenas para Trump e Bolsonaro, mas para todos os líderes com características fascistas que ascenderam ao comando de nações no mundo – é alimentar o descrédito generalizado da população em relação ao sistema político e suas instituições, centrando na ineficiência das políticas públicas e na corrupção e se apresentando como alternativa fora do padrão. As normas de tolerância são diluídas e catalisadas pela radicalização contra o meio tradicional de se fazer política. Os discursos são inflexíveis, de desconhecimento e desprezo pelo adversário.

De todo modo, na busca de compreender e acompanhar o deslinde do fenômeno que leva milhares de cidadãos às ruas no Chile, é preciso não titubear na defesa da liberdade de manifestação e dos protestos políticos como direito básico de qualquer Estado Democrático. E desejar que a saída seja a superação da desigualdade imposta pelo modelo liberal.

Edição: Brasil de Fato

Comentários para "O Chile em ebulição e a saída democrática":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Parque Ecológico de Santa Maria ganha mutirão de plantio de mudas

Parque Ecológico de Santa Maria ganha mutirão de plantio de mudas

Um dos objetivos da ação foi enfatizar a importância do meio ambiente para a qualidade de vida das pessoas

Fim de semana com muitas atrações culturais no Distrito Federal, confira

Fim de semana com muitas atrações culturais no Distrito Federal, confira

Festival é indicado para para famílias com crianças de 0 a 5 anos de idade

Memorial dos Povos Indígenas reabre com exposição inédita e gratuita

Memorial dos Povos Indígenas reabre com exposição inédita e gratuita

Após reforma, Memorial dos Povos Indígenas reabre com exposição inédita de peças e utensílios de povos originários

Projeto Alma Brasileira realiza temporada em escolas públicas do DF

Projeto Alma Brasileira realiza temporada em escolas públicas do DF

Com a retomada das escolas públicas às atividades presenciais nesta nova fase da crise sanitária, a proposta dos músicos é levar uma motivação extra às aulas presenciais.

Praça da República é reinaugurada com programação  especial

Praça da República é reinaugurada com programação especial

Estão confirmados o grupo Samba Urgente, Digão (Raimundos), Philippe Seabra (Plebe Rude), GOG (foto), Bboy Samuka (breakdancer), Turko (grafiteiro), Realleza (rapper e cantora) e Tio André (mágico), entre outros

Memorial dos Povos Indígenas reabre com mostra inédita no Distrito Federal

Memorial dos Povos Indígenas reabre com mostra inédita no Distrito Federal

A mostra traz fração do lote de oito mil artefatos apreendidos pela Polícia Federal do contrabando de objetos indígenas e doados à Secec

Parque Nacional de Brasília reabre acesso a piscinas da Água Mineral

Parque Nacional de Brasília reabre acesso a piscinas da Água Mineral

Chamado de Água Mineral, local pode receber 1,5 mil visitantes por dia

Exposição mostra como seria Brasília desenhada por outros arquitetos

Exposição mostra como seria Brasília desenhada por outros arquitetos

Projeto desenhado por Lúcio Costa foi o vencedor em 1957

“Brasília é bem planejada e inovação está no cerne da cidade”, diz CEO

“Brasília é bem planejada e inovação está no cerne da cidade”, diz CEO

O roteiro deste sábado (20) da coordenação da Web Summit incluiu evento com empreendedores de startups e sobrevoo de helicóptero por Brasília

Aulas, debates, histórias e ações plantam esperança e educação antirracista no DF

Aulas, debates, histórias e ações plantam esperança e educação antirracista no DF

Zenilda Vilarins Cardozo conversa com crianças da EC 3 do Gama

Dia da Consciência Negra no Distrito Federal promete fazer história

Dia da Consciência Negra no Distrito Federal promete fazer história

Todos os eventos são gratuitos, de classificação livre e será feita arrecadação de 1 kg de alimento não perecível para doação de cestas básicas a famílias em situação de vulnerabilidade social do DF.