×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 18 de maio de 2022

‘O denuncismo é muito danoso à vida brasileira’, diz Eduardo Azeredo

‘O denuncismo é muito danoso à vida brasileira’, diz Eduardo AzeredoFoto: Reprodução tv Record Minas

O ex-governador reforça a avaliação de que sua condenação a 20 anos de prisão serviu como um “contraponto” ao mensalão do PT e se diz vítima de um “denuncismo” muito “danoso à vida brasileira”

Estadão Conteúdo - 16/01/2022 - 11:21:52

O ex-governador de Minas Eduardo Azeredo, de 73 anos, diz não sentir mágoas do PSDB, apesar de “alguns” correligionários terem evitado mantê-lo “muito perto” durante o processo que culminou com sua prisão, em maio de 2018, pelos crimes de peculato e lavagem de dinheiro no caso que ficou conhecido como mensalão mineiro. Em entrevista ao Estadão, Azeredo evita nomear os tucanos que lhe faltaram com amparo, reconhece dificuldades na corrida ao Planalto para João Doria - atual presidenciável do partido que ajudou a fundar, comandou e do qual se desfiliou em 2019 - e diz lamentar a possibilidade de Geraldo Alckmin compor chapa com Luiz Inácio Lula da Silva.

O ex-governador reforça a avaliação de que sua condenação a 20 anos de prisão serviu como um “contraponto” ao mensalão do PT e se diz vítima de um “denuncismo” muito “danoso à vida brasileira”. Nos 18 meses em que permaneceu no 1º Batalhão do Corpo de Bombeiros de Belo Horizonte, Azeredo começou a redigir o livro autobiográfico O X no Lugar Certo, que será lançado em março. A seguir, os principais trechos da entrevista.

O sr. ficou preso de maio de 2018 a novembro de 2019. Deixou o PSDB, partido que chegou a presidir, e se afastou da política. Como encara hoje esse processo?

Me afastei exatamente por força das circunstâncias e senti, em alguns momentos, que alguns do PSDB não me queriam muito perto. Isso é um fato superado. Continuo achando que o PSDB, do ponto de vista de ideário, é um partido forte, maduro.


O sr. sempre se disse vítima de uma investigação que foi usada para “compensar” o mensalão que atingiu o PT. Há avaliações de que a luta anticorrupção ganhou feição de combate à política...


Sem dúvida alguma. O denuncismo é muito danoso à vida brasileira. Porque, grosso modo, pode-se dizer que, de cada dez denúncias, apenas uma tem guarida. As outras são meros balões de ensaio ou desconfianças que se levantam. Fui vítima seguramente disto. Tive uma campanha eleitoral em que a prestação de contas foi a mais alta, mas era incompleta. Mas não era eu o responsável por isso, como acontece em todas as campanhas. Nunca houve mensalão mineiro. Esse termo foi usado para compensar o mensalão do PT.

Pretende voltar para a política, disputar um mandato? Como avalia o atual cenário político nacional?

Na verdade, fui muito além do que poderia imaginar. Meu pai (o ex-deputado Renato Azeredo) tinha o sonho de ser prefeito e governador, e eu realizei. Depois, ainda fui senador. As circunstâncias atuais não me dão entusiasmo para disputar uma eleição, mas confesso que cheguei a pensar quando (o senador) Tasso Jereissati era uma hipótese de candidato a presidente (pelo PSDB).


Cogita voltar ao PSDB?

Tenho sido convidado pelo próprio partido para retornar ao PSDB e fui convidado por outros partidos para voltar a disputar (uma eleição).

Como vê o partido hoje e a candidatura de João Doria à Presidência?

O PSDB precisa ter uma nova visão. O Doria foi um bom prefeito. É um bom governador. Ele tem muitos pontos positivos. Ele precisa ser mais conhecido, precisa ficar mais simpático. A política leva essas questões em consideração.

Qual é a avaliação do sr. sobre a saída de Geraldo Alckmin do PSDB e a possibilidade de ele formar uma chapa com Lula na disputa presidencial?

Lamento muito. Não me agrada essa união, com todo o respeito ao Lula.


As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


fonte: Estadão Conteudo

Comentários para "‘O denuncismo é muito danoso à vida brasileira’, diz Eduardo Azeredo":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Comissão da Câmara aprova convite para AGU explicar defesa de Wal do Açaí

Comissão da Câmara aprova convite para AGU explicar defesa de Wal do Açaí

O requerimento foi apresentado pelo deputado Elias Vaz (PSB-GO), para quem há desvio de finalidade no gasto dos recursos públicos

CNJ adere ao Pacto Nacional pela Educação

CNJ adere ao Pacto Nacional pela Educação

Iniciativa reúne organizações da sociedade civil e órgãos públicos

Cúpula do PSDB intensifica pressão sobre Doria e trava definição na 3ª via

Cúpula do PSDB intensifica pressão sobre Doria e trava definição na 3ª via

O ex-governador paulista foi convidado pela direção tucana para uma nova reunião no fim da manhã de hoje

Judiciário não poder ser 'envolvido em desavenças políticas', diz ministro do STM

Judiciário não poder ser 'envolvido em desavenças políticas', diz ministro do STM

Na avaliação do ministro, o Judiciário não deve interferir em políticas públicas “excepcionais” para conter a crise sanitária, exceto em casos de “grave violação” de direitos fundamentais.

TSE e Telegram formalizam acordo para combate às fake news

TSE e Telegram formalizam acordo para combate às fake news

Tribunal disse ser o primeiro órgão eleitoral a assinar com a plataforma um acordo que envolve cooperação e ações concretas.

Moro fala da relação com SP e reclama de ação sobre domicílio eleitoral: 'É sério isso?'

Moro fala da relação com SP e reclama de ação sobre domicílio eleitoral: 'É sério isso?'

O promotor Reynaldo Mapelli Júnior disse que as primeiras explicações enviadas pelo casal

PL tem dificuldade para atender Bolsonaro e contratar auditoria privada nas eleições

PL tem dificuldade para atender Bolsonaro e contratar auditoria privada nas eleições

Bolsonaro defendeu a contratação de auditoria privada ao falar em suas redes sociais há duas semanas

Brasil deve mostrar que rejeita

Brasil deve mostrar que rejeita "aventuras autoritárias", diz ministro

País serve como vitrine para comunidade global, afirma Fachin

STF dá 120 dias para Ministério Público concluir inquérito contra Lindbergh Faria

STF dá 120 dias para Ministério Público concluir inquérito contra Lindbergh Faria

Ex-senador Lindbergh Farias foi acusado de receber vantagens

TSE criará rede com 100 observadores internacionais nas eleições 2022

TSE criará rede com 100 observadores internacionais nas eleições 2022

Brasil não tolera 'aventuras autoritárias'

STF cria ferramenta para classificar processos em diretrizes da ONU

STF cria ferramenta para classificar processos em diretrizes da ONU

Objetivos e metas fazem parte da Agenda 2030 das Nações Unidas