×
ContextoExato
Responsive image

“O distanciamento é a principal medida”

“O distanciamento é a principal medida”Foto: CorreioWeb

Crescimento dos casos em menor escala do que o esperado, segundo ele, é resultado da adesão da população a medidas de isolamento social. Distrito Federal, avalia, tem condições para suportar o pico da doença.

Alexandre De Paula - Correioweb - 26/04/2020 - 10:47:08

Entrevista // Eduardo Hage, subsecretário de Vigilância à Saúde do DF

Na linha de frente do combate ao novo coronavírus no Distrito Federal, o subsecretário de Vigilância à Saúde, Eduardo Hage, é taxativo ao afirmar que as medidas de distanciamento social foram fundamentais para que a capital impedisse um crescimento descontrolado de casos da Covid-19. O ritmo do aumento local está abaixo do estimado e a letalidade é menor do que a média nacional. Ele avalia que, de acordo com as estimativas da pasta, a rede de saúde está pronta para suportar o pico da doença. Ao todo, a rede pública conta com 122 leitos de unidade de terapia intensiva (UTI) reservados para pacientes com a doença. Desses, 30 estão ocupados.

“Segundo alguns modelos, o correto seria ter, pelo menos, 70% de distanciamento. O DF, há mais de um mês, se mantém em torno de 50% a 55%. Mas, mesmo não sendo o percentual ideal, isso já é capaz provocar o achatamento da curva”, diz, em entrevista ao Correio.

Hage defende, no entanto, que a liberação de atividades comerciais não é, por si, um fator capaz de provocar retrocesso no controle da Covid-19 até aqui. “Alguns setores já voltaram, mas, mesmo esse retorno nas últimas semanas, não impactou no índice de distanciamento social”, afirma. “Vai se mexer na quantidade de pessoas que voltam a trabalhar, mas haverá a imposição de condições para evitar que isso, por si só, provoque um aumento”, complementou. Confira a íntegra da entrevista:

O DF passou, recentemente, de mil casos. A previsão, segundo o governador, era de que esse seria o pico da doença. Essa avaliação mudou? Para onde foi o pico?

Esse ainda não é o pico. Não chegamos a ele. Como toda semana há atualização da progressão a partir dos dados que observamos todos os dias, muda sempre quando seria o pico e a própria magnitude dele. Mas, cada vez mais, está se confirmando o achatamento da curva. Ou seja, há aumento da recorrência de casos, sim, porém é gradual e mais lento do que o esperado. E é muito menor do que seria se não houvesse o cumprimento do distanciamento social. O isolamento no DF não é o ideal, ainda. Segundo alguns modelos, o correto seria ter, pelo menos, 70% de distanciamento. O DF, há mais de um mês, se mantém em torno de 50% a 55%. Mas, mesmo não sendo o percentual ideal, isso já é capaz provocar o achatamento da curva.

Essas mudanças constantes dificultam a previsão exata da data do pico da doença?

Sim. Se eu falo, hoje, uma data e um número, na próxima semana, vou ter de dizer outra. Por isso, desde o início estamos sendo cautelosos. Nós nos valemos e utilizamos das previsões, mas as adequamos para os nossos parâmetros, porque, assim, temos uma ideia mais real do comportamento no futuro. É como o clima, uma previsão para três dias é muito mais precisa do que uma para 15 dias. O comportamento do vírus não é de todo conhecido ainda, mas sabemos mais do que há três meses. Não se conhecia qual seria o comportamento com as medidas de distanciamento, porque os países o adotaram de forma diferente. Só foi possível avaliar os resultados dos impactos agora, a partir dos nossos dados.

O GDF trabalha com a possibilidade flexibilização do isolamento, com abertura de mais setores do comércio, em maio, e até de escolas. Isso não pode se chocar com as políticas da Secretaria de Saúde? A Secretaria está participando desse processo da decisão?

Nós temos participado. Temos levado todas as projeções para o governador e demais órgãos. O que está se discutindo é a definição, que compete ao governador, de quais setores retornarão as atividades e em qual momento. O que nós temos feito no campo da Saúde é levar todas as estimativas, o que a abertura pode representar de maior e menor impacto. Alguns setores já voltaram à atividade, mas, mesmo esse retorno nas últimas semanas, não impactou no índice de distanciamento social.

A população precisará entender, então, que, mesmo com a liberação de mais atividades, a recomendação ainda é só sair de casa quando necessário? Haverá campanhas para isso?

Essa vai ter de ser a mensagem principal, mostrando a própria experiência até agora. Alguns setores já voltaram e isso não teve impacto até o momento. Não se projeta um impacto negativo com as novas aberturas. Todos que não estejam envolvidos com as atividades liberadas devem permanecer em casa. Além disso, com o retorno gradativo de algumas atividades, outro ponto fundamental vão ser as medidas que precisarão ser cumpridas por cada setor. Quando for definido esse retorno gradativo, serão, ao mesmo tempo, colocados os requisitos para trabalhadores e clientes. Mantém-se a regra de evitar aglomeração. Uma coisa é abrir comércio e outra, aglomerar. Outro ponto é que as normas de higiene precisarão ser seguidas à risca. O uso de máscaras, que já foi definido como obrigatório, diminui o risco para as pessoas que venham a transitar. Todas as máscaras, inclusive as de pano, têm eficácia para proteger. Outras mensagens vão ser reforçadas: vai ser proibido qualquer pessoa com sintoma trabalhar e isso será fiscalizado. Vai se mexer na quantidade de pessoas que voltam a trabalhar, mas haverá a imposição de condições para evitar que isso, por si só, provoque um aumento.

Esse achatamento da curva e controle, de certa maneira, do problema se devem, principalmente, a quê? Foi o distanciamento?

Foram medidas principais. A primeira é o distanciamento social, conseguida a partir de mensagens fortes vindas de todas as autoridades, não só no DF. A adesão da população a essa mensagem tem sido fundamental. O distanciamento é efetivamente a principal medida. A segunda é a preparação da rede. Ela não evita casos, mas impede agravamento dos quadro e, principalmente, mortes.

A letalidade no DF está abaixo da média brasileira. Por quê?

No DF, nós temos uma situação razoavelmente confortável em termos de poder oferecer para todos os pacientes, suspeitos ou confirmados, o atendimento de forma adequada. Para os que precisam de internação, temos leitos suficientes. Não há nenhum deficit de leitos para nenhuma doença hoje. Quem necessita, não somente por Covid, ser internado hoje, consegue. Especialmente nos leitos de UTI. Isso tem impacto direto na mortalidade. Um estudo mostrou que 95% dos pacientes que necessitam de UTI e não conseguem vão a óbito. Contar com leitos de UTI para todos significa redução muito grande das mortes e do agravamento. Mas tudo está relacionado, quando você achata a curva, tem menos contaminação e menos casos graves. Mas, para achatar a curva, será necessário manter o distanciamento. Vamos entregar mais leitos e manter as medidas de distanciamento.

Os leitos de UTI são suficientes mesmo no pior cenário estimado?

Hoje, pelas nossas estimativas, com os nossos parâmetros, observando a nossa curva (com aproximadamente um mês e meio), é possível afirmar que, no máximo, a previsão de entrega de leitos e UTIs dará conta dessa demanda, mantendo essa faixa de distanciamento social. Por isso, é importante a ação do Estado.

E a quantidade de pessoal da saúde — médicos, enfermeiros — é suficiente? Há equipamentos de proteção individual (EPIs) para todos?

Nós estamos cada vez mais recebendo e adquirindo EPIs. Foram contratados profissionais. Já havia concurso e chamamos todas as vagas restantes, além dos contratos emergenciais. Brasília tem um número grande de profissionais e estamos ampliando isso, pois não adianta abrir mais leitos se não houver profissionais para trabalhar, tanto na atenção secundária quanto na primária. Contamos também com os programas de residência — do GDF, da UnB e da Fiocruz —, além dos contratados na rede pública e privada.

Historicamente, a população do Entorno busca atendimento aqui no DF. Isso está sendo levado em conta?

Nos atuais indicadores de notificação, incluímos casos confirmados mesmo de outros estados, e a maioria é do Entorno. Como fazemos projeções com base nisso, levamos em conta um percentual de cerca de 10% de pessoas de outros estados. Além disso, nós temos acompanhado sempre o que Goiás vem fazendo. Felizmente, em termos de distanciamento, eles têm seguido, pari passu, o DF. Mantendo esse percentual aqui e lá, a tendência é de que a curva seja semelhante. Está sendo construído hospital em Águas Lindas, que vai absorver muitos desses pacientes. Então, o Entorno está nos cálculos, mas não esperamos um aumento de casos vindos de lá por causa dessas questões.

A testagem em massa começou a ser feita nesta semana. Como ela pode orientar as ações a partir de agora?

Como está na fase inicial, os dados são preliminares, mas todos os casos começam a entrar no sistema de notificação. Eles aumentam a capacidade de detecção e permitem aproximação maior do número real de casos. Apesar disso, o Laboratório Central (Lacen) não tinha sobrecarga mesmo antes do início dos testes em massa, mas claro que, com essa testagem, aumenta-se a possibilidade de detectar os casos e melhoram-se as projeções.

Esses testes vão ser levados para mais regiões?

Cada vez mais, eles vão ser ampliados. Estamos adquirindo em torno de 450 mil, 500 mil testes. À medida que compramos, vai ser ampliado o número e o ideal é que tenhamos nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs). Não temos em todas as UBSs ainda porque a quantidade que adquirimos e recebemos, até pela redução da oferta desse material no mundo todo, só foi suficiente para fazer gradativamente.

Ao longo do processo, houve mudança na metodologia para contabilizar os casos?

A forma de notificação continua a mesma. Mudou o formulário, mas o impacto não é grande. Toda unidade e todo profissional têm obrigação de notificar possíveis casos, que são investigados, e aqueles que preenchem requisitos são submetidos a testes. Não temos tendência nenhuma de casos suspeitos sem conseguir fazer exame. Então, o dado mais relevante para nossas projeções é o de casos confirmados. Com isso, conseguimos estimar o que precisamos mudar e projetar a curva. Não houve diminuição na sensibilidade do sistema, conseguimos receber rapidamente os dados. Dos 26 casos que morreram, tivemos a confirmação em torno de um a dois dias depois do óbito. Então, está muito rápido e é uma prova de que o sistema de notificação está funcionando. Se estivéssemos com tempo longo de espera para isso, saberíamos que existiriam muitos casos deixados para trás.

É possível estimar a subnotificação no DF?

Nossas projeções levam em conta pessoas infectadas que não são diagnosticadas, mas isso não é subnotificação. A subnotificação seria alguém que apresentasse os sintomas, fosse a uma unidade de saúde e o caso não fosse incluído. Então, a subnotificação não é o nosso maior problema. Consideramos que 70% dos contaminados não apresentarão sintomas e isso tudo entra nas projeções que fazemos para chegar ao final. O que é fundamental para a saúde pública é detectar os casos que venham a se agravar e os que são sintomáticos e têm fator de risco. E, para esses, temos testes.

Paralelamente ao combate à Covid-19, como estão as medidas contra outras epidemias, como a dengue?

O trabalho continua, até mais fortalecido agora, pois quando foi gerado o decreto que declarou emergência da Covid, a dengue foi incluída, por determinação do governador. Isso trouxe prioridade e facilitou a utilização dos recursos. Por meio desse decreto, foi possível fazer contratação de profissionais para combater a dengue. Isso tem permitido ampliar o trabalho. Do ponto de vista da assistência, essa ampliação da rede para a Covid melhora também para o tratamento da dengue, em que há, em alguns casos, chance de óbito e necessidade de UTIs. Apesar de termos 70% a mais de casos de dengue no último trimestre, o número de mortes é menor do que no ano passado.

"Quando for definido esse retorno gradativo, serão, ao mesmo tempo, colocados os requisitos para trabalhadores e clientes. Mantém-se a regra de evitar aglomeração. Uma coisa é abrir comércio e outra, aglomerar”

"A adesão da população a essa mensagem tem sido fundamental. O distanciamento é efetivamente a principal medida. A segunda é a preparação da rede. Ela não evita casos, mas impede agravamento dos quadros e, principalmente, mortes”

"Nossas projeções levam em conta pessoas infectadas que não são diagnosticadas, mas isso não é subnotificação. A subnotificação seria alguém que apresentasse os sintomas, fosse a uma unidade de saúde e o caso não fosse incluído”

Comentários para "“O distanciamento é a principal medida”":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório