×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 18 de janeiro de 2022

O gabinete do vírus

O gabinete do vírusFoto: Pixabay

A saída de Mandetta mostra que o gabinete do vírus tem força para derrubar o ministro que, do ponto de vista da saúde pública, vinha fazendo um trabalho amplamente reconhecido. Esse gabinete é quem está com as cartas do baralho a partir deste momento

Por Carlos Alexandre De Souza - 18/04/2020 - 21:00:27

É tarefa ingrata entender a lógica dos argumentos de Jair Bolsonaro quando ele se comunica por meio de pronunciamentos ou discursos oficiais. O presidente é muito mais inteligível quando está nos ambientes informais, como por exemplo com os populares que se aglomeram à porta do Alvorada. Nessas conversas de rua, Bolsonaro faz piada, mostra a caneta, dá resposta malcriada, torna-se mais autêntico. O presidente encontra dificuldade no momento em que precisa, por dever do cargo que lhe foi legitimamente outorgado, justificar à nação as decisões de seu governo. Foi o caso na última quinta-feira, quando anunciou a demissão de Luiz Henrique Mandetta do Ministério da Saúde. Deixando de lado metáforas rasteiras como “divórcio consensual” e frases protocolares — “reunião produtiva” e “clima cordial” —, chama a atenção o argumento principal apresentado pelo presidente para dispensar os serviços de seu auxiliar: o falso dilema entre a economia e a saúde. “Quando se fala em saúde, fala-se em vida. A gente não pode deixar de falar em emprego: uma pessoa desempregada estará mais propensa a sofrer problemas de saúde do que uma outra empregada”, argumentou o presidente.

Ora, até onde se sabe, não é atribuição do ministro da Saúde zelar pela preservação dos empregos. Não cabe a ele trabalhar pelas medidas necessárias para combater os efeitos econômicos da Covid-19. Essa missão é endereçada a outro prédio da Esplanada dos Ministérios, mais precisamente o da Economia. A maior preocupação do Planalto deveria se voltar para a pasta comandada por Paulo Guedes, e não por Mandetta. Ante a magnitude da crise, o mais sensato seria buscar uma união de forças políticas e empresariais para estabelecer condições emergenciais que socorram o setor produtivo e protejam os trabalhadores do desemprego e os vulneráveis da miséria absoluta. Ocorre que a politização, tão pestilente nos debates sobre isolamento social ou no uso de medicamentos no tratamento de doentes da Covid-19, também contagiou essa frente, dificultando a adoção de medidas mais eficientes. Prevaleceu o confronto entre o Planalto e o Congresso, o terrorismo de empresários ameaçando demitir, as carreatas com manifestantes de máscara e vidro fechado reivindicando a reabertura do comércio. Mais uma vez, o conflito falou mais alto do que o diálogo.

Reconheça-se, é possível observar um esforço da equipe econômica em uma contraofensiva para deter os danos causados pelo novo coronavírus. Ocorre que esse esforço, no estágio em que se encontra, é insuficiente para evitar uma tragédia social. Essa dificuldade, no entanto, não pode ser atribuída às medidas defendidas pelo Ministério da Saúde. Ao demitir Mandetta, Bolsonaro demonstra que está disposto a assumir o risco de reduzir o isolamento social antes de a pandemia atingir o nível mais grave de contágio no país. Ontem, na posse do novo ministro, Nelson Treich, o presidente foi explícito: “Essa briga de começar a abrir para o comércio é um risco que eu corro, porque, se agravar, vem para o meu colo”. Caberá, portanto, ao novo titular da pasta da Saúde encontrar a fórmula que atenda aos anseios presidenciais e dê sustentação ao SUS, cada vez mais sob risco de colapso ante a mortífera curva exponencial da Covid-19 no Brasil.

Na tortuosa justificativa para demitir Mandetta, Bolsonaro elogiou o valor do ministro, mas considerou seu trabalho inadequado. “Não condeno, não recrimino e não critico o ministro Mandetta. Ele fez aquilo que, como médico, ele achava que devia fazer”, disse. O presidente não o condena, mas o demite. A saída de Mandetta mostra que o gabinete do vírus tem força para derrubar o ministro que, do ponto de vista da saúde pública, cumpria seu papel e vinha fazendo um trabalho amplamente reconhecido. Esse gabinete é quem está com as cartas do baralho a partir deste momento.

A equação econômica não fazia parte da pasta de Mandetta. Mas ele pagou o preço. Espera-se que a população brasileira não tenha de pagar um preço muito maior — com a própria vida — pelas mudanças iminentes na condução da política de combate ao novo coronavírus.

Comentários para "O gabinete do vírus":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Entenda como o preconceito impede o desenvolvimento das empresas

Entenda como o preconceito impede o desenvolvimento das empresas

Empresas que promovem a diversidade e inclusão se destacam no mercado

"Somos todos seres humanos incompletos e imperfeitos", diz escritor LGBT

Saulo Sisnando levanta a bandeira de que o amor é único e universal

Vacinação infantil: Cada segundo conta, toda vida importa

Vacinação infantil: Cada segundo conta, toda vida importa

Para Bolsonaro e Queiroga, tem mais valor a opinião de leigos do que o conhecimento da Anvisa e de sociedades científicas do mundo inteiro.

Minas Gerais implementa carteira de identidade do autista

Minas Gerais implementa carteira de identidade do autista

Estado usa assinatura eletrônica Gov.br para emissão do documento

União do mesmo gênero cresce e fica mais jovem

União do mesmo gênero cresce e fica mais jovem

A maior aceitação das famílias aos LGBTI+, embora o preconceito ainda seja um problema grave, também está por trás do rejuvenescimento dos noivos

A luta antirracista de Aranha: De goleiro chamado de macaco a escritor

A luta antirracista de Aranha: De goleiro chamado de macaco a escritor

A palavra ganhou um sentido ainda mais potente e atual no livro

Vídeo: Desigualdade em vacinas pelo mundo atrasa fim da pandemia

Vídeo: Desigualdade em vacinas pelo mundo atrasa fim da pandemia

Nações Unidas chamam atenção para desigualdade na distribuição das doses da vacina.

'A economia prateada já move R$ 1,6 trilhão por ano'

'A economia prateada já move R$ 1,6 trilhão por ano'

Apesar do crescimento, essa população não tem sido atendida de forma satisfatória, diz o diretor-superintendente do Sebrae-SP, Wilson Poit.

Operação foca em rede de extremistas que cultua racismo e homofobia

Operação foca em rede de extremistas que cultua racismo e homofobia

Os investigadores dizem ter identificado, a partir da quebra de sigilo de dados e telefônicos autorizados pela Justiça, grupos que "se autodeclaram nazistas e ultranacionalistas, associados para praticar e incitar atos criminosos".

Distrito Federal é condenado a indenizar mulher por excesso em abordagem policial

Distrito Federal é condenado a indenizar mulher por excesso em abordagem policial

A decisão foi unânime.

Personal trainer barrada em academia devido à roupa deve ser indenizada

Personal trainer barrada em academia devido à roupa deve ser indenizada

Cabe recurso da sentença.