×
ContextoExato
Responsive image

O inverno bate à porta dos brasilienses

O inverno bate à porta dos brasiliensesFoto: CorreioWeb

Até sexta-feira, último dia de outono, a temperatura máxima chega a 26ºC e a mínima será de 10ºC

Erika Manhatys* - Correioweb - 17/06/2020 - 09:37:08

O período de seca e os ventos anunciam a chegada do tempo frio e fazem os brasilienses tirar o casaco do armário, inclusive, para doar aos mais necessitados.

Com a chegada do inverno, os brasilienses sentem os efeitos da mudança da estação. As noites têm sido frias, e os dias menos quentes; as temperaturas máximas, nesta que é a última semana de outono, não passam dos 26°C, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). O solstício de junho ocorre no sábado, o que marca o início da estação mais gelada.

Apesar da sensação de mais frio, as mínimas registradas nos últimos dias não alcançaram os valores mais baixos do ano, ocorridos em maio, quando os termômetros mediram menos de 10°C. A razão para o fenômeno é a ventania que chega do Sudeste. “Os ventos continuam intensos até esta quarta (hoje), com sensação de mais frio. Na segunda-feira, os ventos atingiram 55 km/h no Paranoá”, explica Heráclio Alves, meteorologista do Inmet.

A variação da temperatura também passa a ocorrer de forma mais brusca e perceptível. “A pouca nebulosidade ocasiona uma mudança mais drástica entre os períodos do dia. As nuvens funcionam como um protetor natural, um isolante térmico. Então, sem elas, quando o sol se põe, as temperaturas caem bem rápido. O mesmo ocorre quando o sol vai subindo e as temperaturas se elevam mais depressa”, elucida Heráclio.

O início da estiagem quase que anula as chances de chuva, ainda que o céu permaneça parcialmente nublado. O tom acinzentado não é sinônimo de precipitação, explana o meteorologista. “Não podemos dizer que são nulas as possibilidades de chover, mas elas são extremamente baixas. Esse frio sentido é característico da estação. A umidade do ar varia entre 30% e 90%. Ainda está confortável, mas já seco. Essa máxima (de umidade) ocorre no início da manhã, quando a gente observa a presença de alguma nebulosidade”, explica o metereologista.

Segundo a previsão do Inmet, a neblina aparece até amanhã. Depois disso, o céu brasiliense estará mais aberto. Até o último dia do outono, as temperaturas máximas vão variar entre 25°C e 26°C. Já as mínimas ficarão entre 10°C e 12°C; o frio é mais sentido no início da manhã, antes da aurora. Esse também é o horário que marca aumento na umidade do ar. Por outro lado, entre 15h e 16h a umidade chega aos percentuais mais baixos.

O castigo do frio

Se para uma parte dos brasilienses, o inverno representa “a melhor época do ano”, para muitos outros, o frio é um infortúnio a ser enfrentado. Segundo a Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes), o Distrito Federal possui cerca de 3 mil pessoas vivendo em situação de rua.

Vivendo em uma ocupação próxima ao Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), no Setor de Clubes Esportivos Sul, Elaine Machado, 32 anos, cria cinco filhos sob a proteção de uma lona. “O nosso barraco foi derrubado na semana passada, agora a gente se abriga com a lona para não ficar no sereno. Aqui, nós somos sete, eu, meu marido e os cinco filhos. Como derrubaram nosso barraco com nossas coisas dentro, só temos uma cama pra todo mundo dormir. O bom é que assim a gente se esquenta”, diz a catadora de recicláveis.

Pensando nessas pessoas, a ONG Bsb Invisível lançou a campanha Bsb Sem Frio. Desde 15 de março, início da pandemia, o grupo de voluntários distribuiu mais de 700 cobertores a famílias vulneráveis deste acampamento, a desabrigados na Rodoviária, no Setor Comercial Sul, na Praça do Relógio (Taguatinga) e em outras ocupações na Estrutural e em São Sebastião.

Pedro Campos, 23, é um dos fundadores da ONG e pede ajuda aos brasilienses. “Nós arrecadamos tudo aquilo que estiver em bom estado para reuso, como agasalhos, cobertores e até móveis, a depender da situação. Nossa ação é contínua, mas neste tempo damos maior atenção, pois se sentimos frio em casa, imagine quem não tem um lar”, diz o estudante.

* Estagiária sob supervisão de Adson Boaventura



Ajude

» Para doar, acesse o perfil da ONG no Instagram (@bsbinvisivel_) ou entre em contato pelo telefone

9 8151-5503. Na página da BSB Invisível, estão todas as informações sobre pontos de coleta ou dados para recebimento de doações em dinheiro.

Comentários para "O inverno bate à porta dos brasilienses":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório