×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 30 de junho de 2022

O major que fez política no quartel e acabou na cadeia

O major que fez política no quartel e acabou na cadeiaFoto:

Para o advogado, o major está sendo usado para servir de exemplo aos militares. "Mas ele é pré-candidato e tem o direito de expor suas ideias

Estadão Conteúdo - 22/05/2022 - 09:02:27

A foto com uniforme do Exército diante de uma fila de motocicletas é a primeira imagem da conta do Instagram do major João Paulo Costa Araújo. Ela mostra a conclusão de um curso em 2018. Um ano depois, as imagens da vida militar e da família foram trocadas por vídeos e fotos político-partidários. Militar da ativa, paraquedista e guerreiro de selva, ele virou seguidor de Jair Bolsonaro.


A estreia foi em 26 de maio de 2019, na primeira mobilização para apoiar o presidente. Em sua conversão ao bolsonarismo, o major - um católico conservador - chegou até a compartilhar as ofensas à República e ao marechal Deodoro da Fonseca, publicadas pelo então ministro da Educação Abraham Weintraub.


A prova de tudo continua na internet. Ali estão as imagens de livros de Olavo de Carvalho, as fotos dele em manifestações em Brasília ao lado do blogueiro Allan Santos, a defesa da cloroquina e da ivermectina e as críticas às vacinas e à oposição. Nas redes, o major pôs em dúvida as urnas eletrônicas. E compartilhou imagem em que os ministros do STF Alexandre de Moraes, Luís Roberto Barroso, Ricardo Lewandowski e Gilmar Mendes são retratados com o bigode de Adolf Hitler.


Foi ali que ele lançou o desafio aos superiores que o levou a ter a prisão preventiva decretada pela 10ª Circunscrição Judiciária Militar por desobediência. O apoiador do presidente, que se dizia pré-candidato a deputado federal pelo PL, recusou-se a cumprir a ordem de apagar as publicações políticas de suas redes sociais. Desde então, ocupa uma cela no 25º Batalhão de Caçadores, em Teresina.


Dois colegas disseram à reportagem reprovar seus modos, considerando-o um tanto rude. Calado e de poucos amigos, Costa Araújo é visto no Exército como pessoa complicada. É alvo de três procedimentos disciplinares e dois inquéritos. Um general disse que o major procurou confusão para ter palanque.


Costa Araújo é casado e tem uma filha e uma enteada. Nasceu em Campo Maior (Piauí), onde o pai, João Alves, participa da política local há 46 anos. Ele está no Exercito desde 2003 e pertence à Infantaria. O Estadão analisou 411 publicações do militar no YouTube, no Instagram e no Twitter. Localizou 258 bolsonaristas e partidárias.


Sua defesa pediu ao Superior Tribunal Militar a concessão de habeas corpus. Ao Estadão, seu advogado, Otoniel d’Oliveira Chagas Bisneto fez um apelo: "Faço um apelo ao presidente para que tome conhecimento do caso. Sei que ele não pode intervir, mas uma manifestação dele a favor de quem sempre o defendeu seria importante".


REAÇÃO

A prisão dele foi pedida pelos seus superiores da 10ª Região Militar. Em 21 de março, a 10ª Região recebeu a Recomendação 2/2022 da Procuradoria Militar. O documento orientava os militares sobre atividade político-partidária, elegibilidade e crimes em razão da violação da Constituição. No dia 28, a 10ª Região determinou que a ordem fosse lida nas unidades.


Um dia depois, o 2º Batalhão de Engenharia de Construção, em Teresina, onde o major servia, promoveu, em formatura, a leitura do documento na presença dos oficiais, subtenentes e sargentos. Costa Araújo estava presente. Ouviu tudo. Mas continuou com as publicações. Só no Twitter, fez mais 25. E desafiou os superiores a puni-lo. Ele escreveu: "Posso ser punido novamente por comemorar o dia 31 de março. Se eu for punido novamente esse ano, serei punido todos os anos até me afastar do @exercitooficial".


Diante disso, ao decretar a prisão do acusado, o juiz Rodolfo Rosa Menezes escreveu: "Saliente-se que o indiciado ocupa o posto de Oficial Superior, o que causa um agravamento no seu comportamento, pois as suas condutas representam um enorme desrespeito à hierarquia e disciplina, quando, em verdade, deveriam representar um exemplo para a tropa".


Para o advogado, o major está sendo usado para servir de exemplo aos militares. "Mas ele é pré-candidato e tem o direito de expor suas ideias. Criaram agora no Brasil o crime de opinião." Para ele, não houve ofensa à cadeia hierárquica. "Acredito que o caso é parecido com o do deputado Daniel Silveira (PTB-RJ)." ( Colaborou Robert Pedrosa, especial para o Estadão)

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


fonte: Estadão Conteudo

Comentários para "O major que fez política no quartel e acabou na cadeia":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Pedro Guimarães oficializa demissão da Caixa após denúncias de assédio sexual

Pedro Guimarães oficializa demissão da Caixa após denúncias de assédio sexual

O presidente da instituição chamou de

Justiça mantém condenação a Bolsonaro por ofensa sexual a jornalista

Justiça mantém condenação a Bolsonaro por ofensa sexual a jornalista

"Ela (Patrícia) quer dar o furo", disse o presidente naquela ocasião. "Ela quer dar o furo a qualquer preço contra mim", repetiu, rindo, em meio a apoiadores.

Simone Tebet vai invocar esperança contra 'desencanto' e 'pessimismo' de eleitor

Simone Tebet vai invocar esperança contra 'desencanto' e 'pessimismo' de eleitor

Para a maioria dos entrevistados, a responsabilidade pela crise não é somente da pandemia de covid-19, mas, sim, do chefe do Executivo

Incertezas políticas e econômicas elevam risco-país do Brasil acima da média da América Latina

Incertezas políticas e econômicas elevam risco-país do Brasil acima da média da América Latina

A percepção de risco dos investidores internacionais com relação ao Brasil e a sua economia piorou de forma mais intensa do que no conjunto de economias da América Latina

Senadores se manifestam contra decisão do STJ sobre planos

Senadores se manifestam contra decisão do STJ sobre planos

A lista era considerada como guia, e os pacientes conseguiam tratamentos recorrendo à Justiça.

MP abre investigação para apurar denúncias de assédio de presidente da Caixa

MP abre investigação para apurar denúncias de assédio de presidente da Caixa

O Ministério Público Federal afirmou que não fornece informações sobre procedimentos sigilosos. A Caixa não respondeu aos questionamentos até a publicação desta reportagem.

Oposição protocola no Senado pedido para abertura da 'CPI do MEC' ante supostos casos de corrupção

Oposição protocola no Senado pedido para abertura da 'CPI do MEC' ante supostos casos de corrupção

Para criação de uma CPI na Casa, são necessárias no mínimo 27 assinaturas, até o momento, a oposição ao governo Bolsonaro coletou 31, quatro a mais do que o previsto.

O que pensam os principais pré-candidatos à Presidência sobre a população e a pauta LGBTQIA+?

O que pensam os principais pré-candidatos à Presidência sobre a população e a pauta LGBTQIA+?

Lula, que lidera as pesquisas de intenção de voto, incluiu a pauta em seu programa de governo

Estados e DF acionam STF contra lei que limita cobrança de ICMS

Estados e DF acionam STF contra lei que limita cobrança de ICMS

A ação aberta pelos governadores pede liminar

Dez estados brasileiros aderem ao Compromisso Global da ONU e EMF por uma nova economia de plásticos

Dez estados brasileiros aderem ao Compromisso Global da ONU e EMF por uma nova economia de plásticos

Compromisso Global por uma nova economia dos plásticos terá mais 17 governos signatários na América Latina

André Mendonça diz que 'não há debate sobre ruptura nos três Poderes'

André Mendonça diz que 'não há debate sobre ruptura nos três Poderes'

Mendonça também ratificou a legitimidade do resultado das urnas eletrônicas. "É isso que vivemos e é isso que viveremos", disse.