×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 26 de outubro de 2021

O namorado possessivo que não aceita o fim do namoro pode te matar

O namorado possessivo que não aceita o fim do namoro pode te matarFoto: Cris Fraga-Estadão Conteúdo

No dia 8 de maio Maira Dondoni, de 22 anos, foi morta. Motivo alegado pelo ex que a matou: ela não tinha aceitado um convite dele para sair. Ele não aceitava o fim e pronto, a matou a tiros. Simples e terrível assim.

Por Nina Lemos-do Uol - 20/05/2019 - 20:00:44

O caso faz parte de um fenômeno alarmante no mundo todo, com destaque para o Brasil: muitas mulheres são mortas por esse motivo simples: terminar um relacionamento com um homem que não aceita o fim. Segundo levantamento feito pela Folha no Dia das Mulheres desse ano, essa é a segunda causa de feminicídios no Brasil. A primeira é o ciúme, a suspeita de traição.

Não aceitar o fim de um relacionamento e ser uma pessoa ciumenta são duas atitudes intimamente ligadas, certo? "Se ela não for minha, não vai ser de ninguém mais", pensa o sujeito, que, muitas vezes, quando o caso se agrava, vira um assassino.

Um novo estudo divulgado nos Estados Unidos, país onde em 2018 cerca de 1,8 mil mulheres foram mortas (93% por parceiros ou exs) alerta para o risco. Os pesquisadores da Universidade de Washington publicaram em abril no "Jornal Americano de Pediatria" que um quarto das adolescentes mortas por parceiros no país morreram por esse motivo: ciúme e terminar um relacionamento.

Os especialistas declararam que essa é uma questão de saúde pública nos Estados Unidos. No Brasil, é o mesmo, como sabemos.

No caso dos Estados Unidos, alarmados, os especialistas pediram para que os pais, professores e a sociedade em geral olhem com atenção para garotas quando elas terminam uma relação e/ou estão envolvidas com um namorado ciumento. Afinal, essa é a causa de 27% da morte de adolescentes no país.

Nós, brasileiros, podemos (e devemos) estender esse alarme para nós.

O Brasil é o quinto país do mundo com maior numero de violência contra a mulher. Uma mulher é morta de maneira violenta no país a cada duas horas. Levantamento feito no mês de janeiro no país mostra que, de 179 de casos, 72% dos crimes tiveram como assassinos atuais ou ex-namorados das vítimas.

Estamos em risco. E nossas filhas e sobrinhas também. O que fazer? Muito.

Para começar, fiquem atentas, irmãs, fiquem atentas! É claro que não é todo homem que é um assassino, de jeito algum. Mas aquele cara que a controla, checa sua rede social sem sua permissão, tenta afastá-la dos seus amigos e reclama das suas roupas de um jeito agressivo pode virar, sim, um agressor.

Estudos mostram que, a maioria das mulheres que são assassinadas já havia sofrido agressão antes. Ou seja, não é normal um namorado dar um tapa ou um beliscão. Isso não deve jamais ser tolerado. Se você vir uma amiga passando por isso, converse com ela seriamente. O mesmo vale para filhas, filhas de amigas e todas as meninas ao nosso redor.

E também para os homens, claro. Não passe pano para o seu amigo que trata mal a namorada. Não ensine seu filho a ser possessivo.

Todos os estudos conectam esses números horríveis com uma sociedade machista, onde a mulher é vista como posse. Mudar isso é papel de todos nós. Todos os dias. É triste, mas os médicos americanos têm razão. Precisamos, sim, ficar de olho. Todos. E como diz um slogan dos anos 80, "Quem ama não mata". Se um namorado mostrar qualquer atitude violenta com você, o nome disso não é amor, mas agressão mesmo. Corra. Lolla, corra!


** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Comentários para "O namorado possessivo que não aceita o fim do namoro pode te matar":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Gloria Pires comemora 40 anos de cinema com novo longa de Hsu Chien Hsin

Gloria Pires comemora 40 anos de cinema com novo longa de Hsu Chien Hsin

Hsu Chien, que nasceu em Taiwan e se radicou no Rio ainda criança, construiu a trama a partir de experiências pessoais com consumo desenfreado.

Cartórios passam a receber denúncias de violência doméstica

Cartórios passam a receber denúncias de violência doméstica

Campanha Sinal Vermelho auxiliará mulheres de modo discreto e sigiloso

Mulheres fingem pedir comida para serem resgatadas no DF

Mulheres fingem pedir comida para serem resgatadas no DF

PMs passam por treinamento para reconhecer solicitações de ajuda

ONU pede que Bolsonaro reveja veto à distribuição de absorventes

ONU pede que Bolsonaro reveja veto à distribuição de absorventes

No documento, relatores da ONU pedem ao governo Jair Bolsonaro que

Brasileira Paloma Costa promove ação pelo clima

Brasileira Paloma Costa promove ação pelo clima

Paloma Costa na Greve Mundial pelo Clima, em 2020

Unesco premia Brasil e Moçambique em projetos para educação de mulheres

Unesco premia Brasil e Moçambique em projetos para educação de mulheres

Cada um dos premiados receberá US$ 50 mil para ajudar a continuar seu trabalho no avanço da educação de mulheres e meninas

Governo do DF dá abrigo a juízas refugiadas do Afeganistão

Governo do DF dá abrigo a juízas refugiadas do Afeganistão

As juízas foram selecionadas para receber acolhimento no Brasil pelo grau de risco que corriam permanecendo no Afeganistão

Sob ameaça do terror Talibã, juízas afegãs chegam ao Brasil

Sob ameaça do terror Talibã, juízas afegãs chegam ao Brasil

Segundo Clara Motta, diretora da entidade, a chegada ao Brasil é o início do processo de acolhida das juízas, uma vez que elas possuem um visto humanitário.

Polícia do Rio investiga assassinato de autor de livro sobre Marielle Franco

Polícia do Rio investiga assassinato de autor de livro sobre Marielle Franco

Olivero foi velado no cemitério do Catumbi, na zona norte do Rio e depois seu corpo foi enviado para os Estados Unidos

Outubro Rosa e prevenção ao câncer de mama é destaque em podcast do TJDFT

Outubro Rosa e prevenção ao câncer de mama é destaque em podcast do TJDFT

Rotinas que devem ser adotadas para prevenção da doença

Feminicídio: Mais duas mulheres perdem a vida no DF

Feminicídio: Mais duas mulheres perdem a vida no DF

Ato reuniu mais de cem mulheres contra os feminicídios no DF