×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 05 de dezembro de 2021

O racismo joga em todas posições no futebol

O racismo joga em todas posições no futebolFoto: Fernando Roberto/Agencia Futpress

Na semana passada, Adriana, do time feminino do Corinthians, foi vítima de racismo por uma jogadora do Nacional de Montevidéu e recebeu, ainda em campo, a solidariedade das colegas

Miguel Stédile: Brasil De Fato F.c. - Portal Brasil De Fato - 24/11/2021 - 11:45:37

O futebol poderia ser um espaço exemplar de combate ao racismo, presente no cotidiano de centenas de atletas e de milhares de torcedores e torcedoras. Porém, o tema continua plenamente ignorado pela direção dos clubes e impune pela justiça esportiva.

Segundo o competente trabalho do Observatório da Discriminação Racial no Futebol, em 2020, os casos de racismo no esporte caíram 50,6% em relação ao ano anterior.

Entretanto, os números não devem enganar e se devem muito mais ao calendário atípico do futebol, por causa da pandemia, do que por políticas efetivas de combate ao racismo pelos clubes.

Basta observar que os casos saltaram de 20 registros em 2014, quando começa o monitoramento do Observatório, para 80 em 2018 e alcançam o vergonhoso número de 136 ocorrências em 2019.

Ainda que o relatório de 2021 só será conhecido ao final das competições, a agressão sofrida pelo jogador Celsinho do Londrina (PR) é a mais ilustrativa do comportamento da Casa Grande.

Durante um jogo contra o Brusque (SC) pela série B, o atleta foi chamado de “macaco” por um dirigente do time adversário. Um mês antes, Celsinho já havia sido vítima de racismo em jogos contra o Goiás e o Remo.

O Brusque perdeu três pontos mas, na semana passada, o Supremo Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) devolveu os pontos ao time catarinense, apesar das agressões terem sido registradas na súmula da partida pelo árbitro.

Cinco auditores votaram pela absolvição e um deles inclusive sugeriu que a multa fosse revertida a um hospital ao invés do Observatório Racial.

Nos clubes, também são poucas ações efetivas de combate ao racismo. E muitas delas ficam restritas ao marketing de lançamento de camisas alusivas. Mas em alguns deles, nem isso.

A Adidas propôs o lançamento de uma camisa comemorativa da semana da consciência negra aos times que patrocina. Inter e Flamengo aceitaram, mas o São Paulo F.C. recusou, alegando que a cor fazia referência aos rivais Corinthians e Santos. Curiosamente, o preto é uma das três cores do escudo do time paulista.

Mais contundente, o Internacional de Porto Alegre incluiu uma cláusula antidiscriminação nos contratos de trabalho, vedando expressamente qualquer manifestação de preconceito por jogadores e funcionários em geral.

Uma das estrelas do time, Taison retornou ao Brasil e ao seu clube de origem depois sofrer ataques racistas na Europa e tem utilizado a projeção pública para combater o preconceito.

Mas os casos, infelizmente, não se limitam às diretorias e atravessam o campo. Na semana passada, Adriana, do time feminino do Corinthians, foi vítima de racismo por uma jogadora do Nacional de Montevidéu e recebeu, ainda em campo, a solidariedade das colegas.

Das 36 ocorrências registradas pelo Observatório no ano passado, atletas foram vítimas em 28 casos. Mas, os agressores eram em sua maioria torcedores, registrando 22 casos.

Até aqui, tratamos dos casos em que o racismo é incontestável. Mas no futebol, como na sociedade brasileira, ele também está presente em outras formas sutis. Vale a lembrança de Roger Machado de que apenas ele e Marcão do Fluminense eram os únicos técnicos pretos na série A. No caso das diretorias, somando a série A e B, o único presidente preto é Sebastião Arcanjo, o Tiãozinho, da Ponte Preta.

O Brasil poderia ser uma referência internacional no tema dentro do futebol. Poderia combater com dureza os casos, ao contrário da impunidade incentivada pela STJD, sendo rigoroso contra manifestações racistas de clubes e torcedores.

Os clubes poderiam desenvolver campanhas reais e não puramente de marketing. Inclusive destinando recursos para estas ações e não esperando recebê-los com camisetas. E a torcida deveria incentivar o posicionamento público dos atletas. Mas a luta contra o racismo ainda tem uma longa batalha a travar no Brasil. Dentro e fora de campo.

*Miguel Stédile é Doutor em História pela UFRGS e editor do Ponto Newsletter.

**Este é um artigo de opinião. A visão do autor não necessariamente expressa a linha editorial do jornal Brasil de Fato.

Edição: Leandro Melito



Comentários para "O racismo joga em todas posições no futebol":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
ONU Mulheres e prefeitura de Itabira firmam Termo de Compromisso para Enfrentamento ao Racismo

ONU Mulheres e prefeitura de Itabira firmam Termo de Compromisso para Enfrentamento ao Racismo

Com apoio técnico da ONU Mulheres, prefeitura de Itabira firma Termo de Compromisso para Enfrentamento ao Racismo no município mineiro

Estação Plural da Bienal do Livro do Rio destacará vozes LGBTQIAP+

Estação Plural da Bienal do Livro do Rio destacará vozes LGBTQIAP+

Diversidade sexual e identidade de gênero estarão em debate no evento

Campanha sobre HIV/Aids disponibiliza testagem gratuita no DF

Campanha sobre HIV/Aids disponibiliza testagem gratuita no DF

Stand montado na Rodoviária do Plano Piloto tem distribuição gratuita de preservativos e de auto-teste para HIV / Geoavana Albuquerque/Agência Saúde-DF

Idosos reivindicam visibilidade e enfrentamento ao preconceito

Idosos reivindicam visibilidade e enfrentamento ao preconceito

Martins Machado defendeu a conscientização sobre as formas de preconceito e violência contra a pessoa idosa

“UNA-SE pelo Fim da Violência contra as Mulheres até 2030”

“UNA-SE pelo Fim da Violência contra as Mulheres até 2030”

ONU Mulheres aborda o potencial do esporte para o empoderamento de meninas na campanha “UNA-SE pelo Fim da Violência contra as Mulheres até 2030”

Menina tem as tranças cortadas por colega em escola de Santa Catarina

Menina tem as tranças cortadas por colega em escola de Santa Catarina

A polícia encara o caso, denunciado no último dia 16 de novembro, como ato infracional análogo ao crime de injúria racial. O episódio ocorreu no dia 3 de novembro.

Aprenda para nunca mais dizer: 3 frases que parecem ingênuas, mas alimentam o racismo

Aprenda para nunca mais dizer: 3 frases que parecem ingênuas, mas alimentam o racismo

O Dia da Consciência Negra é uma tentativa de, ao menos uma vez no ano, estimular um debate sobre as desigualdades e celebrar a contribuição do povo negro para a cultura, a ciência, a economia e a política do Brasil

Crianças e jovens com TEA lançam vídeo no Cine Brasília

Crianças e jovens com TEA lançam vídeo no Cine Brasília

A música cantada no vídeo, música From now on, fala sobre o desenvolvimento do potencial de pessoas autistas

Juízes fazem caminhada contra o racismo e a desigualdade

Juízes fazem caminhada contra o racismo e a desigualdade

Evento foi organizado pela Associação dos Magistrados Brasileiros

Senado aprova projeto que classifica injúria racial como racismo; texto segue para a Câmara

Senado aprova projeto que classifica injúria racial como racismo; texto segue para a Câmara

O projeto retira a menção à raça e etnia do item específico do Código Penal (art. 140) e insere novo artigo na Lei de Crimes Raciais, definindo pena de multa e prisão de dois a cinco anos

20 de novembro: Negue a brancura da consciência

20 de novembro: Negue a brancura da consciência

Ao internalizar o racismo mutilamos os nossos sonhos, não vivemos em plenitude, submetemo-nos às humilhações dos brancos e reproduzimos o racismo contra outros negros