×
ContextoExato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 23 de outubro de 2018


Obra ilegal interdita parte da Rodoviária do Plano Piloto

Obra ilegal interdita parte da Rodoviária do Plano Piloto

A Defesa Civil tomou a medida após 10 cabos de sustentação de uma viga serem rompidos por funcionários de uma empresa terceirizada que presta serviço à operadora de telefonia Vivo

Por Bruna Lima - Especial Para O Correio Braziliense Sarah Paes* - 11/10/2018 - 09:49:46

Equipes da Defesa Civil isolaram 1,2 mil metros quadrados de área nas plataformas superior e inferior.

Uma obra clandestina levou à interdição de parte da Rodoviária do Plano Piloto, no ponto mais central de Brasília, por onde passam 700 mil pessoas diariamente. Equipes da Defesa Civil tomaram a decisão de isolar 1,2 mil metros quadrados de área nas plataformas superior e inferior na tarde de ontem, após constatar que cabos que sustentam o pilar de uma nova estrutura se romperam, apesar de garantirem não haver risco de desabamento. A medida atingiu o conjunto de escadas mais próximo à Esplanada dos Ministérios e obrigou que os usuários contornassem toda a área para acessar as catracas do BRT e o outro lado da plataforma. Quatro linhas de ônibus terão o embarque alterado enquanto a interdição durar. A intervenção deve durar até cinco dias.

Funcionários de uma empresa terceirizada romperam 10 dos 60 cabos de sustentação de um pilar da plataforma superior quando instalavam cabos de fibra ótica para o funcionamento de três antenas que transmitiriam internet sem fio da operadora Vivo, segundo o diretor-presidente da Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil (Novacap), Júlio Menegotto. Durante o serviço, um deles teria usado uma furadeira de forma negligente e rompido os cabos que sustentam uma das vigas da estrutura, ainda de acordo com Menegotto. Não havia autorização para fazer a intervenção, ressaltou ele.

“A empresa foi encontrada em ação pelas equipes da Novacap. Foi um ato irresponsável que colocou em risco as pessoas. Chegamos no momento em que faziam a obra. Poderia ter acontecido algo mais. Obras na Rodoviária precisam que o projeto seja apresentado ao DFTrans e analisado por junta de engenheiros. Nada disso aconteceu”, afirmou Menegotto. O GDF notificou a Vivo, que deverá arcar com o reparo, com custo ainda não calculado.

A interdição atingiu o conjunto de escadas mais próximo à Esplanada (Arthur Menescal/Esp. CB/D.A Press)  
A interdição atingiu o conjunto de escadas mais próximo à Esplanada

Por meio de nota oficial, o governador Rodrigo Rollemberg (PSB) acrescentou que irá acionar a Procuradoria-Geral do DF para ingressar com uma ação contra a Vivo. “Iremos cobrar da empresa a devida indenização pelos danos materiais causados ao patrimônmio público, bem como dano moral coletivo, em razão da exposição ao risco às pessoas que transitam no local”, diz o texto.

O diretor-presidente da Novacap disse que os 15% de cabos rompidos não comprometem a segurança da estrutura. Porém, a Defesa Civil isolou a área preventivamente. “Os 10 cabos estão dentro da margem de segurança que nos permite ter conforto de que estrutura está segura. Uma equipe faz os cálculos necessários para saber se será preciso escorar a estrutura. Caso seja, começaremos amanhã (hoje) e, no prazo de cinco dias, toda a estrutura estará escorada e as pessoas poderão passar por baixo. Trabalhamos com risco zero”, garantiu Menegotto.

Em nota, a Vivo informou que “está em contato com os órgãos competentes para fornecer todas as informações necessárias e tomar as medidas cabíveis”.

Prejuízos
O trecho isolado fica a poucos metros de uma área fechada por tapumes, onde operários trabalham na revitalização do espaço. As obras de restauração da Rodoviária do Plano Piloto começaram em 2014, e não devem ser concluídas até dezembro. No entanto, a Novacap garantiu que o incidente de ontem não irá interferir no andamento das obras.
A longa e interminável reforma provoca reclamações dos usuários. “Na realidade, ninguém ainda viu diferença nenhuma aqui. Só bagunça e tumulto. Até que foi bom o que aconteceu aqui (ontem), porque mostra que a rodoviária está precisando de reforma em outros lugares”, comentou o estudante Edilson Coelho, 20 anos.

Para o vigilante Joilson Costa Santos, 48 anos, morador de Planaltina, a nova interdição só deixou o acesso ainda mais caótico. “É muita falta de informação. Nem os policiais que estão em frente à escada conseguem informar direito onde temos que ir para pegar os ônibus. E isso não é só agora, mas em todo esse período de reforma. O governo tem que olhar mais para a rodoviária; afinal, uma boa parte da população do DF passa aqui todos os dias”.

Moradora de Santa Maria, a cabeleireira Ester do Carmo, 20 anos, também enfrentou dificuldade para pegar o transporte. “Deveria ter mais informações, sinalização e mais fiscalização. Aqui falta preocupação com o trabalhador.”

Colaborou Jéssica Eufrásio

*Estagiária sob supervisão 
de Renato Alves

Mudança
Confira as quatro linhas que terão pontos de embarque alterados:

» 0.620 e 620.1, com destino a Planaltina. Os horários permanecem, mas o ponto de embarque passa a ser no Eixinho L, ao lado da plataforma superior da Rodoviária.
» 2302, com destino ao Gama, e 2202, para Santa Maria: os passageiros das linhas paradoras do BRT vão embarcar, nos mesmos horários, no Eixinho W (entre o Conjunto Nacional e o Conic).

 

Comentários para "Obra ilegal interdita parte da Rodoviária do Plano Piloto":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório