×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 27 de novembro de 2021

OMS reconhece legado de Henrietta Lacks à ciência e à saúde

OMS reconhece legado de Henrietta Lacks à ciência e à saúdeFoto: OMS WHO

Chefe da OMS (à dir, em pé) recebe a família de Henrietta Lacks para uma homenagem na sede da agência.

Agência Onu News De Noticias - 14/10/2021 - 19:59:25

Afro-americana morreu há 70 anos, vítima de câncer cervical; enquanto se tratava, pesquisadores colheram biópsias sem o consentimento dela e suas células formaram a primeira linhagem “imortal”, que permitiu a criação da vacina da pólio e de medicamentos para câncer e HIV.

A Organização Mundial da Saúde ofereceu, nesta quarta-feira, um prêmio póstumo à afro-americana Henrietta Lacks, que morreu de câncer cervical há exatamente 70 anos. O diretor-geral da OMS reconheceu o legado histórico que ela deixou para a ciência e a saúde, sem nem fazer ideia do feito.

Henrietta Lacks criava, ao lado do marido, cinco filhos em Baltimore, nos Estados Unidos. Ficou doente muito jovem e foi diagnosticada com câncer cervical. Enquanto ela recebia tratamento, os pesquisadores foram colhendo amostras do tumor, sem ela saber nem autorizar.

Células HeLa mudaram o mundo

Laboratórios do mundo todo utilizam células HeLa

© OMS/Ploy Phutpheng

Laboratórios do mundo todo utilizam células HeLa

As células de Lacks, batizadas de “HeLa” acabaram criando a primeira linhagem imortal de células humanas que foram divididas de forma indefinida em laboratório.

Henrietta Lacks acabou morrendo em outubro de 1951, com apenas 31 anos. As suas células foram essenciais para a criação de vacinas contra pólio e HPV, de medicamentos para câncer e HIV e sendo até utilizadas para pesquisas sobre a Covid-19.

Segundo a OMS, mais de 50 milhões de toneladas de células HeLa foram distribuídas e vendidas pelo mundo, utilizadas em mais de 75 mil estudos. Mas a família de Henrietta Lacks nunca recebeu nenhum reconhecimento.

Reparar um erro histórico

Na época, a comunidade internacional escondeu a raça de Henrietta Lacks e sua história real. Segundo a OMS, a homenagem feita neste 13 de outubro busca “curar um erro histórico”.

O chefe da agência, Tedros Ghebreyesus, declarou ser importante resolver “injustiças científicas do passado e promover a igualdade racial na saúde e na ciência”.

Tedros destacou ser preciso reconhecer também as contribuições das mulheres para as pesquisas científicas.

Câncer cervical na África

OMS: o câncer de colo de útero  é uma das maiores ameaças para a saúde das mulheres

Foto: Organização Pan-Americana de Saúde

OMS: o câncer de colo de útero é uma das maiores ameaças para a saúde das mulheres

O prêmio da OMS foi entregue na sede da agência, em Genebra, ao filho de Henrietta, Lawrence Lacks, que está com 87 anos. Ele foi à cerimônia acompanhados dos netos e outros familiares.

Lacks falou sobre a emoção em “receber o reconhecimento histórico” da mãe dele e disse ainda que as contribuições de Henrietta, que um dia “ficaram escondidas, estão agora sendo homenageadas pelo seu impacto global”.

A OMS destaca ainda que mulheres afrodescendentes continuam sendo afetadas de forma desproporcional pelo câncer cervical: vários estudos mostram que elas acabam morrendo da doença, muito mais do que as pacientes brancas e a maioria dos países com o maior número de casos está na África.

Comentários para "OMS reconhece legado de Henrietta Lacks à ciência e à saúde":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Congresso é iluminado de laranja pelo fim da violência contra a mulher

Congresso é iluminado de laranja pelo fim da violência contra a mulher

Campanha 16 dias de ativismo começou nesta quinta-feira

OAB de SP elege Patrícia Vanzolini, 1ª mulher a presidir a entidade em 91 anos

OAB de SP elege Patrícia Vanzolini, 1ª mulher a presidir a entidade em 91 anos

Criminalista Patricia Vanzolini, eleita presidente da OAB-SP

‘Vamos começar a treinar mulheres para que sejam líderes nas comunidades’, diz secretária

‘Vamos começar a treinar mulheres para que sejam líderes nas comunidades’, diz secretária

Programa Empodera vai capacitar público feminino para lutar por causas comuns; a secretária da Mulher, Ericka Filippelli, diz como isso vai funcionar

Projeto Curta Maria alcança 1,2 mil jovens na 14ª Jornada

Projeto Curta Maria alcança 1,2 mil jovens na 14ª Jornada

O Curta Maria foi objeto de monografia de conclusão de Curso de Bacharelado em Direito, no Paraná

Em Dia Internacional, Guterres pede mudanças para eliminar violência contra mulheres

Em Dia Internacional, Guterres pede mudanças para eliminar violência contra mulheres

ONU defende estratégias abrangentes e de longo prazo que protejam direitos das mulheres e meninas

Mercosul lança campanha digital contra o feminicídio

Mercosul lança campanha digital contra o feminicídio

Iniciativa defende anonimato em denúncias de violência contra mulheres

ONU Mulheres inicia campanha de 16 dias de ativismo contra violência de gênero

ONU Mulheres inicia campanha de 16 dias de ativismo contra violência de gênero

Iniciativa Utopiar, marca de roupa feminina ensina técnicas têxteis a mulheres que sofreram violência doméstica

Para 90% dos brasileiros, local de maior risco de feminicídio é dentro de casa

Para 90% dos brasileiros, local de maior risco de feminicídio é dentro de casa

Participaram da pesquisa 1.503 pessoas (1.001 mulheres e 502 homens), com 18 anos de idade ou mais, entre 22 de setembro e 6 de outubro de 2021 em todo o País. A margem de erro é de 2,5 pontos percentuais.

WTA diz que conversa de chinesa Peng com presidente do COI não basta

WTA diz que conversa de chinesa Peng com presidente do COI não basta

Entidade defende investigação sobre denúncia de agressão sexual

Corinthians conquista título da Libertadores Feminina

Corinthians conquista título da Libertadores Feminina

Timão vence a competição pela terceira vez na história

Sophia Medina ganha etapa internacional de surfe e repete feito do irmão Gabriel

Sophia Medina ganha etapa internacional de surfe e repete feito do irmão Gabriel

A conquista da irmã foi comemorada nas redes sociais, inclusive por Gabriel Medina, que está um pouco mais distante de sua família, mas fez questão de elogiar Sophia. "Campeaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa!!!!