×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 18 de janeiro de 2022

ONG no DF vende farofa para ajudar crianças que vivem com vírus HIV

ONG no DF vende farofa para ajudar crianças que vivem com vírus HIVFoto: © Marcello Casal jr/Agência Brasil

Organização foi criada no Dia Mundial de Luta Contra a Aids

Por Luiz Claudio Ferreira - Repórter Da Agência Brasil - Brasília - 01/12/2021 - 07:42:28

O sonho da estudante Mariana*, de 20 anos de idade, ganhou cores vivas, vibrantes, algo antes inimaginável. Ela vai terminar o ensino médio agora no final de 2021. Quando podia imaginar que um dia poderia voltar à escola? Mais do que isso: emociona-se quando pensa que é possível criar com qualidade os três filhos, graças à evolução da ciência e ao apoio de uma entidade. Ela deseja, para o futuro próximo, uma profissão de servir, salvar, dar a mão... O sonho é entrar em uma faculdade e ser enfermeira. Poder ajudar outras pessoas, assim como foi com ela, resgatada de um pesadelo.

Mãe de três filhos e vítima de um estupro, quando tinha apenas 16 anos de idade, ela temeu sobre o próprio futuro e das crianças quando descobriu que havia sido contaminada pelo vírus HIV, que pode causar a aids. “Praticamente, estou a um passo de realizar meus sonhos. O que aconteceu comigo foi um milagre”, emociona-se a jovem. Antes, moradora da Cidade Ocidental (GO), município que fica no Entorno do Distrito Federal, ela foi acolhida pelo Instituto Vida Positiva, em Brasília , entidade que completa 15 anos, nesta quarta, e que nasceu com a intenção de apoiar crianças e adolescentes contaminadas pelo vírus.

A organização não governamental (ONG), que funciona em uma casa alugada no bairro da Asa Sul, foi criada em 1º de dezembro, Dia Mundial de Luta Contra a Aids. A instituição cuida, em sua casa de apoio, de 27 jovens, incluindo crianças e adolescentes, e seus familiares. Ao todo, presta assistência a cerca de 300 famílias, com distribuição de cestas básicas, roupas, utensílios e eletrodomésticos. Distribui ainda mais de 24 mil lanchinhos por ano para pacientes que fazem exame de carga viral em laboratórios de cinco hospitais públicos do Distrito Federal.

Farofa da Vovó Vicky ajuda portadores do vírus HIV em Brasília

Farofa da Vovó Vicky ajuda portadores do vírus HIV em Brasília - Marcello Casal jr/Agência Brasil

A pior doença

A fundadora e coordenadora do Vida Positiva, Vicky Tavares, de 72 anos, entende, porém, que, além de garantir as condições essenciais para essas pessoas, uma função fundamental do instituto é buscar direitos assistenciais, o que inclui informação e a luta contra um adversário que permanece muito vivo em 2021, e ainda mais poderoso que o vírus, o preconceito. "Essa é uma doença muito pior", afirma.

“Chego a dizer que, sobre essa situação, muito pouco mudou. Há pessoas preconceituosas por todos os lugares. Mesmo com tanta evolução dos tratamentos de saúde e da ciência, falta de esclarecimento e insensibilidade são realidades, ainda hoje”, explica. Olhares, comentários e até piadas fazem parte de uma violência que se mostra velada (e nem sempre escancarada), como explica a ativista. Ela busca todas as oportunidades para explicar a vizinhos, amigos, doadores, empresas apoiadoras que a bem sucedida política pública no país de distribuição de medicamentos garante vida com qualidade aos pacientes e que, por vezes, a carga viral se torna indetectável.

“As unidades públicas de saúde daqui têm garantido todos os remédios necessários a pacientes que tiveram detectado o HIV. Essa é uma grande conquista e que mais gente deveria saber”. Vicky, que é paraense e era empresária da área da moda, criou a entidade depois de perder um grande amigo para a aids, o cabeleireiro Duda. Antes de criar a própria entidade, atuou em uma ONG na região administrativa de Taguatinga (DF), voltada especificamente para cuidar de crianças com o HIV. Quando essa instituição iria encerrar essas atividades, conseguiu autorização para criar o Vida Positiva.

"Eu passei a me dedicar integralmente a essa causa. Mostrar que podíamos nos abraçar, dividir os pratos, podíamos nos beijar. Afeto e informação são fundamentais”.

Ela recorda que o amor ao trabalho voluntário surgiu quando ela era apenas uma adolescente em Belém, e uma tia (Cecília) percorria com ela áreas periféricas para ajudar quem estava com fome ou sem assistência de saúde.

Pandemia

Com a pandemia, a situação se agravou para a entidade, que perdeu cerca de 40% em doações. A voluntária da entidade, a cabeleireira Daniela Gomes, de 44 anos, que participa das atividades como captadora de doações por telemarketing, lamenta que, com a crise, ou a entidade perdeu apoiadores ou reduziram em quantidade de recursos.

Entre as conquistas recentes, Daniela destaca que o isolamento social não impediu as crianças de estudarem. A entidade conseguiu apoio junto à Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL), que cedeu computadores para que as crianças pudessem acompanhar as aulas on-line nos últimos dois anos de distanciamento.

Farofa da Vovó Vicky ajuda portadores do vírus HIV em Brasília

Farofa da Vovó Vicky ajuda portadores do vírus HIV em Brasília - Marcello Casal jr/Agência Brasil

Segundo Vicky Tavares, as atividades necessitam ainda de voluntários na área de educação que possam eventualmente ajudar a tirar dúvidas nas diferentes disciplinas.

Roda de conversas

Outra voluntária, a administradora Carolina Pereira, de 43 anos, no Vida Positiva faz as vezes diariamente de contadora de histórias. “São crianças com muitas necessidades de conversar e de ter atenção. Nós cantamos, conversamos. Para mim, nesses 15 anos, tem sido uma alegria inexplicável”.

As histórias e as conversas ganham diferentes temas de acordo com as idades dos jovens. “Adolescentes têm outras dúvidas e é importante que possamos trocar impressões”. A equipe conta ainda com apoio psicológico e de assistência social para informar sobre direitos de benefícios que pessoas com HIV têm no país. "Resguardar os direitos de pessoas com HIV é uma ação que envolve burocracias, mas fez com que eu aprendesse muito", garante a assistente social Laís Dantas. Ela tem a missão de viabilizar documentações e conhecer as realidades de cada um dos atendidos para que os benefícios saiam do papel.

Farofa

Para atender as necessidades financeiras da entidade, além das doações, a equipe criou uma forma alternativa de conseguir recursos: a venda de uma “farofa” solidária, que é comercializada em feiras e nas redes sociais também. Um detalhe é que o produto não é apenas no sabor tradicional, mas também oferecido em 20 versões, incluindo de torresmo, de damasco e até chocolate (com pimenta ou sem).

A expectativa é que, com a proximidade do final de ano, as vendas da farofa e também as doações aumentem. “Na época de Natal, as pessoas ficam mais sensíveis e recordam. O desafio é conscientizar de que precisamos de apoio sempre”, afirma a voluntária Daniela Gomes.

O produto, em seus diferentes sabores, é todo feito na cozinha da ONG. “Eu sempre gostei de cozinhar e me perguntava o que eu poderia fazer que poderia ser vendável. O que eu poderia fazer para ajudar essas pessoas? Minha família sempre elogiou a farofa que eu fazia em casa. Achei que podia ser viável. E passamos a inventar. O trabalho foi garantir mais ingredientes e aumentar as panelas. Importa aqui compartilhar amor entre a gente. Essa é a receita da farofa”, ressalta Vicky Tavares. Farinha, manteiga, cebola e bons sentimentos.

Os três filhos da estudante Mariana* (de 4, 3 e 2 anos) são também fascinados pela farofa, ingrediente obrigatório na hora do almoço (antes ou depois também).. Nada sobra no prato. As crianças preferem a de chocolate. No sorriso, explicam a razão: “é mais doce”. A mãe sorri. Ela não imaginava que um dia a vida poderia ser doce.

O nome da entrevistada foi alterado para manutenção da privacidade.

Farofa da Vovó Vicky ajuda portadores do vírus HIV em Brasília

Farofa da Vovó Vicky ajuda portadores do vírus HIV em Brasília - Marcello Casal jr/Agência Brasil

Edição: Nathália Mendes/ Bruna Saniele





Comentários para "ONG no DF vende farofa para ajudar crianças que vivem com vírus HIV":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Câmara deve retomar trabalho remoto após aumento de casos de Covid-19

Câmara deve retomar trabalho remoto após aumento de casos de Covid-19

Medida ainda não foi oficializada pelo presidente da Casa

Marco temporal, operações policiais e vacina: conheça os principais julgamentos do STF em 2022

Marco temporal, operações policiais e vacina: conheça os principais julgamentos do STF em 2022

Pauta do ano coloca Supremo Tribunal Federal novamente em evidência, apontam especialistas

No Recife, crianças vacinadas contra a covid-19 ganham livro de presente

No Recife, crianças vacinadas contra a covid-19 ganham livro de presente

No Recife, quem recebe a vacina contra a covid leva um livro para casa

Indígena é a 1ª criança vacinada contra a Covid-19 no país

Indígena é a 1ª criança vacinada contra a Covid-19 no país

Em ato simbólico, xavante de 8 anos de Piracicaba recebeu imunizante

Médicos da atenção primária decidem entrar em greve em São Paulo

Médicos da atenção primária decidem entrar em greve em São Paulo

Decisão pode ser revista caso prefeitura revise planejamento

Confirmado segundo caso de Candida auris em Pernambuco

Confirmado segundo caso de Candida auris em Pernambuco

Anvisa trata o caso como o terceiro surto do superfungo no país

Vacina brasileira contra a Covid-19 é aplicada pela primeira vez

Vacina brasileira contra a Covid-19 é aplicada pela primeira vez

Estudo clínico aplicará o imunizante em 90 voluntários

Justiça Federal no Brasil se moderniza, mas tribunais ainda amargam demoras

Justiça Federal no Brasil se moderniza, mas tribunais ainda amargam demoras

Essa grandiosidade em termos de acesso à justiça, também vem ao encontro da morosidade com o que cidadão tem que enfrentar, em função ao tempo de decisão com relação a um processo

Estados voltam a ter medidas restritivas com aumento de casos de covid

Estados voltam a ter medidas restritivas com aumento de casos de covid

Aumento no número de infectados é resultado da variante Ômicron

Funai abandona proteção de um terço das terras indígenas, inclusive onde há isolados

Funai abandona proteção de um terço das terras indígenas, inclusive onde há isolados

Placa de demarcação crivada de balas na Terra Indígena Uru Eu Wau Wau em Rondônia

Comunidades do Ceará temem desastre ambiental com exploração da maior jazida de urânio do país

Comunidades do Ceará temem desastre ambiental com exploração da maior jazida de urânio do país

Novo pedido de licenciamento ambiental para explorar a jazida de Itataia está nas mãos do Ibama