×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 22 de outubro de 2021

Operação policial volta a mirar Máfia das Órteses e Próteses em Brasília

Operação policial volta a mirar Máfia das Órteses e Próteses em BrasíliaFoto: CorreioWeb

Durante as buscas, policiais apreenderam na casa dos médicos dinheiro (cerca de R$ 70 mil), arma e remédios. Quatro veículos também foram apreendidos.

Por Ana Maria Campos E Alan Rios-correio Braziliense - 03/05/2019 - 11:23:42

A Polícia Civil, por meio da CECOR, desencadeou hoje (03/05) a 5ª fase da “Operação Mr. Hyde”, que busca a desarticulação de organizações criminosas integradas por médicos, hospitais e empresas fornecedores de materiais para procedimentos cirúrgicos (em especial Órteses, Próteses).

Foram cumpridos seis mandados de prisão temporária e 15 mandados de busca e apreensão contra dois médicos e supostos testas-de-ferro suspeitos de integrarem uma organização criminosa. Os mandados foram cumpridos no DF e na cidade de São Paulo.

Durante as buscas, policiais apreenderam na casa dos médicos dinheiro (cerca de R$ 70 mil), arma e remédios. Quatro veículos também foram apreendidos.

Investigação da CECOR apontou que as organizações criminosas atuam lesando financeiramente pacientes a partir de fraudes nos processos concorrenciais promovidos pelos planos de saúde; de superfaturamento nos preços de materiais cirúrgicos fornecidos pelas mencionadas empresas; da reutilização de parte desses materiais; e do uso de materiais vencidos ou de marcas distintas das informadas nos relatórios médicos, de qualidade inferior aos efetivamente cobrados nas cirurgias, sendo que realizam também procedimentos cirúrgicos desnecessários, com o fim exclusivo de ganho financeiro em detrimento da saúde de pacientes.

Dois médicos agora investigados passaram a ser alvo de investigação após a primeira fase da “Operação Mr. Hyde” por seus nomes constarem da planilha de pagamento de propinas em troca da indicação da empresa TM MEDICAL como fornecedora de materiais em suas cirurgias.

Com o aprofundamento das investigações, verificou-se que os médicos criaram empresas e colocaram funcionários como testas-de-ferro. Segundo a investigação, há indícios também de crime de lavagem de dinheiro.

O delegado Adriano Valente, diretor da Divisão de Repressão ao Crime Organizado da Polícia Civil, detalhou o caso lembrando que os profissionais se aproveitavam de momentos de sensibilidade das vítimas. “É uma atitude covarde dos médicos que causa danos à saúde física e mental dos pacientes. Cerca de 150 pessoas lesadas já procuraram a gente, mas esse número ainda pode crescer. Tivemos um caso de um paciente que foi ao hospital com torcicolo e acabou sendo submetida a uma cirurgia sem necessidade nenhuma, só para gerar lucro.”

Dos seis mandados de prisão temporária, cinco já foram detidos e um alvo da operação ainda está sendo procurado. Destes, três são médicos e a outra metade são pessoas apontadas como “testas de ferro”, que emprestavam seus nomes e empresas para facilitar as fraudes.

Outro exemplo dado por Valente foi a análise de um superfaturamento de material cirúrgico: “Teve caso em que foi preciso utilizar uma espécie de parafuso na operação que custava cerca de R$ 150, mas foi cobrado mais de R$ 2 mil por ele”.

Comentários para "Operação policial volta a mirar Máfia das Órteses e Próteses em Brasília":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Inquérito que investiga loja da Zara por abordagem racista será enviado ao MP

Inquérito que investiga loja da Zara por abordagem racista será enviado ao MP

Segundo as investigações da polícia, o gerente cometeu atitude discriminatória contra a delegada Ana Paula Barroso, que é negra no último dia 14 de setembro.

Campanha da ONU chama atenção para direitos das crianças refugiadas

Campanha da ONU chama atenção para direitos das crianças refugiadas

Quase 1 milhão de crianças nasceram como refugiadas entre 2018 e 2020

Mulher acusada de homofobia em padaria de SP é condenada a indenizar balconista

Mulher acusada de homofobia em padaria de SP é condenada a indenizar balconista

"Ainda que a ré seja incapaz, sobre o que não produziu sequer começo de prova, tal condição não afasta sua responsabilidade pelos prejuízos a que der causa", observou a juíza.

Distribuição de absorventes faz cair evasão escolar

Distribuição de absorventes faz cair evasão escolar

A "pobreza menstrual" era um tema de pouca repercussão na época e não motivava projetos de lei como hoje, a exemplo do vetado nesta semana pelo presidente Jair Bolsonaro. E passava longe de ser associado ao cotidiano de meninas.

Fachin manda União distribuir testes de covid e máscaras N95 entre quilombolas

Fachin manda União distribuir testes de covid e máscaras N95 entre quilombolas

Em decisões anteriores, Fachin já havia determinado à União que apresentasse as medidas sanitárias relativas à covid-19 nas comunidades quilombolas

Coletivo vai mapear cultura LGBTQI+ do Distrito Federal

Coletivo vai mapear cultura LGBTQI+ do Distrito Federal

Prazo para repostas ao mapeamento é até 17 de dezembro - Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

Dia Internacional promove educação e maior consciência da não-violência

Dia Internacional promove educação e maior consciência da não-violência

Selo emitido pela Administração Postal da ONU com uma pintura de Mahatma Gandhi de Ferdie Pacheco em Comemoração do Dia Internacional da Não-Violência

ONU quer agir rápido em favor da igualdade de gêneros na liderança global

ONU quer agir rápido em favor da igualdade de gêneros na liderança global

Apenas 18 mulheres discursaram nos debates de alto nível da Assembleia Geral em 2021

Refugiados LGBTQIA+ no Brasil enfrentam discriminação, violência e desemprego

Refugiados LGBTQIA+ no Brasil enfrentam discriminação, violência e desemprego

Refugiados venezuelanos são registrados na Polícia Fedral de Boa Vista para emissão e regularização de documentos.

Senador Contarato dá aula a quem não merece um segundo de fama

Senador Contarato dá aula a quem não merece um segundo de fama

O Zé Ninguém

Campanha foca em conversa com família para aumentar doação de órgãos

Campanha foca em conversa com família para aumentar doação de órgãos

Em 2020, recusa à doação de órgãos por parentes ficou em 37,8%