×
ContextoExato
Responsive image

Organização Social de igreja alvo da Lava Jato recebeu R$ 1,1 bilhão em três anos no Rio de Janeiro

Organização Social de igreja alvo da Lava Jato recebeu R$ 1,1 bilhão em três anos no Rio de JaneiroFoto: Paulo Carneiro/Parceiro-Agência O Dis

Pró-Saúde, cuja diretoria é formada por padres e cardeais, recebeu os recursos do Fundo Estadual de Saúde a partir de 2016 para gerir hospitais e unidades de pronto atendimento

O Dia - 11/03/2019 - 10:06:58

A Organização Social Pró-Saúde, ligada à Igreja Católica, recebeu, apenas no governo de Luiz Fernando Pezão (MDB), a partir de 2016, R$ 1,1 bilhão em contratos para gerir hospitais e unidades de pronto atendimento no estado do Rio. Os recursos foram repassados via Fundo Estadual de Saúde. A OS, cuja diretoria é formada por padres e cardeais, é alvo da Operação Lava Jato.

O levantamento foi realizado com base em informações do Portal Transparência, do governo do Rio. Entre as unidades de saúde onde constam pagamentos, estão os hospitais Getúlio Vargas e Carlos Chagas, Instituto Estadual do Cérebro Paulo Niemeyer e a UPA Itaboraí.

Aliás...

O conglomerado de comunicação do dono da Igreja Universal, bispo Edir Macedo, que incluiu a TV Record, não para de exibir reportagens sobre as investigações da Lava Jato envolvendo a Igreja Católica e a OS Pró-Saúde.

Exonerado

O coronel Marcus Belchior, nomeado para comandar o Fundo Especial do Corpo de Bombeiros (Funesbom), foi exonerado do cargo anteontem.

Na geladeira

O Funesbom é o órgão responsável por administra o dinheiro arrecadado da taxa de incêndio. Marcus Belchior foi para a burocrática Diretoria Geral de Pessoal.

Saiu aqui primeiro

A Coluna revelou a nomeação de Belchior com exclusividade em 22 de fevereiro. E mostrou que ele é investigado na Lava Jato por suspeita de receber R$ 252 mil em propina.

Força-tarefa

O caso ocorreu quando Marcus Belchior, alvo de uma condução coercitiva na Operação Mãos à Obra, era secretário municipal de Conservação na gestão de Eduardo Paes (DEM).

Sem medo de vaia

O governador Wilson Witzel (PSC) irá todas as noites de Carnaval para a Marquês de Sapucaí. Com a mulher e os filhos.

‘Ó abre alas...’

Em plena sexta-feira de Carnaval, o Diário Oficial da prefeitura de Nova Iguaçu publicou a criação de novos 34 cargos comissionados para a Câmara de Vereadores. O ato foi assinado pelo prefeito de Nova Iguaçu, Rogério Lisboa (PR), na véspera.

Sem transparência

No entanto, o valor dos salários desses assessores da Câmara não foi divulgado. E nem em quais gabinetes ficarão lotados.

Ataques ao palhaço

Em um grupo de WhatsApp do Rio, um dos integrantes manda um texto atribuído ao deputado federal Tiririca (PR) sobre o custo de parlamentares no Brasil. A ex-deputada Cristiane Brasil (PTB) inicia seu momento de fúria.

Segue...

“Manda ele (Tiririca) devolver (o dinheiro). Esse safado, vagabundo. Usa tudo e não devolve um centavo. Não apresenta um projeto. Não faz um discurso. Nem foi ele quem escreveu. Foi a assessoria porque ele é burro”, escreveu Cristiane.

Outro lado

A Coluna não localizou o deputado Tiririca.

Currículo

Cristiane já foi citada em delação premiada na Lava Jato e denunciada por supostas fraudes no Ministério do Trabalho.

Comentários para "Organização Social de igreja alvo da Lava Jato recebeu R$ 1,1 bilhão em três anos no Rio de Janeiro":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório