×
ContextoExato
Responsive image

Os 12 melhores locais para visitar na Sardenha

Os 12 melhores locais para visitar na SardenhaFoto:

É uma das ilhas mais bonitas do Mediterrâneo e tem muito para visitar além das suas praias. Estes são os melhores locais para visitar na Sardenha, Itália

Por: Vortexmag / Imagem: Vxmag - Divulgação - 25/12/2018 - 19:18:30

A Sardenha é uma das mais bonitas ilhas do Mediterrâneo e conhecida sobretudo pelas suas belíssimas praias. Pertence à Itália e localiza-se a sul da Córsega, sendo que esta última ilha faz parte da França. Trata-se de um local paradisíaco, cada vez mais procurado pelos turistas, não apenas durante o Verão mas cada vez mais durante todo o ano. E não é por acaso: há muito mais para ver nesta ilha para além das praias da Sardenha. O facto de possuir uma história milenar e de por aqui terem passado algumas das civilizações mais antigas do mundo, como os fenícios, os cartagineses e os romanos, faz com que a Sardenha possua inúmeros monumentos e atracções turísticas dignas de serem visitadas e contempladas. Estes são os melhores locais para visitar na Sardenha, Itália.

1. Cagliari

Esqueça os voos: a melhor maneira de chegar à capital histórica da Sardenha é por mar e só assim é possível contemplar a cidade elevando-se numa confusão bela mas caótica de palácios de tons dourados, cúpulas e fachadas até à peça central calcetada de pedra, Il Castello. Embora a Tunísia seja mais próxima que Roma, Cagliari é a cidade mais italiana da Sardenha. Vespas passam por avenidas ladeadas por árvores e moradores locais frequentam cafés movimentados localizados sob arcadas no bairro Marina, à beira-mar.

Cagliari

Cagliari

Tal como muitas cidades italianas, Cagliari tem na sua história o seu maior trunfo e em todos os lugares você pode deparar-se com traços do seu rico passado: antigas ruínas romanas, museus cheios de artefactos pré-históricos, igrejas seculares e elegantes palácios. A leste da cidade, você chega à praia de Poetto, o centro da vida durante o Verão com as suas águas azuis límpidas e uma intensa animação durante todo o dia… e pena noite dentro.

2. Castelsardo

Castelsardo é uma cidade medieval localizada no Golfo de Asinara, no norte da Sardenha, preservada praticamente intacta graças à sua posição geográfica particular, situada no topo de um promontório acima do mar que a protegeu de ataques e destruição ao longo dos séculos. Com os numerosos monumentos históricos e obras de arte que ainda hoje caracterizam Castelsardo, datando desde a época dos primeiros assentamentos pré-históricos, o presente fala do seu passado ilustre como a cidade da família Doria, um reduto aragonês, e cidade real da Sardenha.

Castelsardo

Castelsardo

Castelsardo hoje é uma cidade turística bem equipada, com uma marina e belas praias e pequenas enseadas perfeitas para umas agradáveis férias de verão. Ao longo do ano, rituais e tradições como a famosa Festa di Lunissanti marcam a vida quotidiana da cidade, caracterizada pelo trabalho típico de cesteiros, pescadores e agricultores.

3. Sassari

Sassari é a segunda maior cidade da Sardenha e um dos seus principais destinos turísticos. Tal como a grande maioria das cidades italianas, Sassari esconde as suas belezas e os seus encantos por entre o trânsito caótico, os seus edifícios um pouco degradados e as suas ruelas estreitas. Assim que você se habituar a tudo isto, só tem que partir à descoberta dos locais mais secretos da cidade e ficará, imediatamente, encantado com o que está a ver e a visitar.

Sassari

Sassari

Como destino turístico, Sassari tem uma grande quantidade de edifícios históricos e monumentos, mas também beneficia de uma excelente localização e é uma base ideal para explorar o norte da Sardenha. A partir desta cidade, você pode visitar as regiões costeiras, encontrar algumas praias simplesmente deslumbrantes e ver belas cidades costeiras, como Alghero e a cidade abandonada de Argentiera.

4. Alghero

Não se surpreenda se a língua que você ouve ao seu redor nesta animada cidade à beira-mar parecer um pouco diferente – quase como o espanhol. É, efectivamente, algo parecido ao espanhol, mais propriamente catalão. Um papa do século XIV deu a Sardenha ao rei de Aragão, na esperança de arrancar a ilha do controle de Pisa e Génova. O Papa concedeu feudos a cerca de 400 famílias de Aragão e da Catalunha se quisessem estabelecer-se na ilha com base em Alghero, deslocando a população local espanhola para a Sardenha.

Alghero

Alghero

A missa na igreja de São Francisco ainda é dita em catalão, e você deve visitá-la para ver o gracioso claustro do século XIII, alcançado através da sacristia à esquerda do altar. A catedral do século 14 tem uma porta gótica espanhola. À medida que a tarde se desvanece e surge a noite, suba pelas muralhas construídas pelos espanhóis para proteger-se contra ataques marítimos e junte-se aos habitantes locais para um passeio nocturno ao longo dos seus largos baluartes para assistir ao pôr-do-sol sobre o Mediterrâ

5. Costa Esmeralda

Da cidade portuária de Olbia até a ponta do Capo de Testa, algumas das praias mais bonitas do mundo estão situadas nestas enseadas escarpadas e banhadas por um mar tão verde e claro que é conhecido em todo o mundo como a Costa Esmeralda. A comparação com uma das jóias mais caras também pode se aplicar à clientela que frequenta a costa desde que foi desenvolvido neste local, pelo filantropo e milionário Aga Khan nos anos 1960, uma série de resorts para pessoas com muito poder económico.

Costa Esmeralda

Costa Esmeralda

As “aldeias” do resort são construídas para se assemelharem às ilhas gregas e à Riviera. O centro desta região é Porto Cervo, uma vila e marina para iates particulares construída na década de 1960. A pequena vila possui ainda um interessante museu de arte moderna. Mas sejamos sinceros: a grande atracção da Costa Esmeralda, para além do seu glamour, são as suas praias de águas puras e cristalinas.

6. Nuoro

Aninhada no topo de uma montanha, as ruas íngremes de Nuoro abrem-se e proporcionam maravilhosas vistas em todas as direcções. A catedral de Santa Maria della Neve, do século XIX, fica acima de um penhasco que desce directamente para o vale e a pequena praça em frente à igreja é quase o único ponto de destaque nesta pequena cidade. Nuoro é uma boa base para explorar o interior de Gennargentu, as montanhas mais rústicas e belas da Sardenha, e as suas aldeias remotas (Mamoiada é especialmente interessante), que parecem ainda pouco tocadas pelo século XX, quanto mais pelo século XXI. É uma região fascinante, com cidades construídas em encostas íngremes e costumes locais que ainda mantêm tradições do passado antigo.

Nuoro

Nuoro

Conduzir aqui, no entanto, não é para os fracos de coração, pois as estradas são estreitas e íngremes com curvas fechadas, sem protecções laterais. Você pode aprender mais sobre estas aldeias e os seus costumes muitas vezes estranhos no excelente Museo Etnografico Sardo (Museu das Tradições da Sardenha), em Nuoro. Esta é a melhor colecção museológica da ilha (e brilhantemente exibida) de fantasia e arte decorativa da Sardenha; roupas são mostradas em modelos com jóias e acessórios usados ​​em casamentos e festivais. Uma galeria inteira exibe máscaras tradicionais. O Museu Arqueológico Nacional possui ainda colecções de artefactos e fósseis recolhidos dos vários locais arqueológicos da Sardenha.

7. Tharros

Caminhe entre os restos de edifícios das culturas fenícia, cartaginesa e romana neste ponto rochoso e tente imaginar como era quando as ruas romanas sob os seus pés estavam ladeadas por casas e lojas onde agora se vê apenas alicerces e degraus da porta. As colunas dos banhos ainda estão de pé, junto com partes do aqueduto e dos templos; o anfiteatro tem vista para o mar. No topo da colina acima fica uma necrópole fenícia (que partiram da Sardenha em 650 aC).

Tharros

Tharros

Para ter uma ideia do que os arqueólogos encontraram aqui, visite o excelente Museo Civico Giovanni Marongiu, na cidade de Cabras, onde são exibidas estelas de pedra esculpida, urnas funerárias e outros achados, posicionados tal como foram originalmente encontrados. Você pode ver mais dos tesouros descobertos no Museu Arborense Antiquarium, na pequena cidade de Oristano, também nas proximidades. O Duomo de Santa Maria em Oristano data dos tempos medievais, mas foi renovado durante o domínio espanhol desta parte da Sardenha nos séculos XVIII e XIX, e apresenta azulejos coloridos que cobrem as suas cúpulas.

8. Bosa

Desde o século IX aC que Bosa repousa serenamente na foz do único rio navegável da Sardenha, num vale que hoje é verdejante e repleto de casas agrícolas tradicionais. Um emaranhado de ruas medievais serpenteia entre a antiga ponte de pedra e os prédios em tons pastel ao longo da margem do rio até o topo da colina do Castelo de Malaspina.

Bosa

Bosa

Pode dirigir-se directamente para o castelo, mas é aconselhável que reserve algum tempo para caminhar pelas ruas antigas, onde pequenas casas modestas se misturam confortavelmente com grandes casas nobres; a mansão restaurada da Casa Deriu está aberta como museu com quartos mobilados e uma galeria de arte. Dentro do castelo fica uma capela do século 13 com maravilhosas pinturas murais realizadas já no século 14. A estrada costeira ao norte de Bosa e que vai até Alghero é espectacular, embora um pouco arrepiante, pois em alguns pontos fica num autêntico promontório que se precipita sobre o mar.

9. Arquipélago da Madalena

Existe um serviço de ferry que parte do pequeno porto de Palau regularmente para uma viagem de meia hora até La Maddalena, a única cidade do arquipélago no Estreito de Bonifácio, entre a Sardenha e a Córsega. Além das praias, das quais a mais remota é alcançada apenas por barco, os turistas vêm aqui para atravessar a passagem e a ponte para a ilha vizinha de Caprera.

Arquipélago da Madalena

Arquipélago da Madalena

Aqui fica a casa de Giuseppe Garibaldi, reverenciado como o pai do Estado italiano graças à sua liderança na luta pela unidade e independência italiana, e é um monumento nacional que atrai visitantes de toda a Itália e também do estrangeiro. O outro extremo da ilha tem várias praias, fáceis de encontrar por caminhos que partem da única estrada existente na ilha. O mar em redor das ilhas é popular entre os marinheiros.

10. Gruta de Neptuno

Faça um cruzeiro de Banchina Dogana (porto) em Alghero até a ponta de Capo Caccia, o longo promontório que você viu das muralhas de Alghero, para visitar esta bela caverna, repleta de estalagmites e estalactites que se reflectem num lago subterrâneo. A Grotta di Nettuno foi esculpida pelo mar, em falésias que se elevam quase 304 metros acima do nível da água. A boca da caverna fica ao nível do mar, e chegar pela água é a maneira mais fascinante de se aproximar, sendo também a mais fácil.

Gruta de Neptuno

Gruta de Neptuno

Mas você também pode conduzir até esta gruta caso não goste de andar de barco. Fica a cerca de 14 quilómetros de Alghero, passando por um interessante nuraghi (monumento arqueológico típico da Sardenha) ao lado da estrada. Uma vez lá, você precisará descer (e, lembre-se, subir novamente) os 656 degraus da Escala del Cabirol, esculpida na face do penhasco.

11. Barumini

Giara, localizada no centro-leste da Sardenha, abriga um rebanho raro existente na Itália e na Europa de pequenos cavalos selvagens e um parque com florestas de sobreiros e azinheiras do Mediterrâneo. Esta área é bem conhecida também pelos seus monumentos arqueológicos, como o famoso Barumini Nuraghe, também chamado “Su Nuraxi” e declarado Património Cultural Imaterial da Humanidade. Os nuraghes são torres defensivas que podem ser encontradas em toda a ilha, marcadas pela sua forma de cone truncado e construídas com grandes blocos de pedra bruta, usando a técnica de pedra seca.

Barumini

Barumini

A madeira encontrada nas paredes da torre central data de 1.500 aC, e as torres externas foram construídas no século XI ou XII aC. Você pode entrar na torre, subindo até à parte superior para ver de perto a cúpula empilhada feita de pedras secas sem argamassa. As escadas em espiral dentro das suas paredes de 1,8 metros conectam os 3 andares e, à medida que você sobe pelos corredores, pode apreciar a delicadeza da engenharia e da mão-de-obra que estes povos pré-históricos alcançaram.

12. Tempio Pausania

Tempio Pausania está localizada no coração de Gallura, no sopé do Monte Limbara. A cidade tem cerca de 15.000 habitantes e é caracterizada pelos seus edifícios antigos e majestosos e pavimentos de granito peculiares, que lhe deram o nome de “Cidade de Pedra”. A pitoresca cidade velha é o lugar ideal para caminhadas, onde se combina o antigo e o moderno numa união perfeita, com a oportunidade de escolher entre itinerários religiosos, arqueológicos ou naturalistas.

Tempio Pausania

Tempio Pausania

A moderna Câmara Municipal e a Piazza Gallura ficam no local onde antigamente funcionava um antigo convento dos capuchinhos. A praça é dominada pela casa do século XVIII do Marquês de Pes di Villamarina, hoje sede da Cúria e do Museu Templense. Próximo a ela está a Catedral de San Pietro Apostolo, datada do início do século XIII, mais tarde ampliada, reformada e reconsagrada em 1839. Em frente à imponente grandeza da catedral está o Oratório do Rosário (séculos XIII a XIV), que pode ter sido construído sobre o local do antigo templo de Castor e Pollux, construído para proteger os soldados romanos em Milizzana. A catedral, a oratória e a igreja do século XIII de Santa Croce formam o principal complexo religioso. No centro, você também pode admirar o “estilo espanhol” da Igreja Nostra Signora del Pilar.

Comentários para "Os 12 melhores locais para visitar na Sardenha":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório