×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 19 de outubro de 2021

Para ajudar pais a cuidarem dos cabelos cacheados dos filhos, cabeleireira em Brasília cria curso gratuito pela internet

Para ajudar pais a cuidarem dos cabelos cacheados dos filhos, cabeleireira em Brasília cria curso gratuito pela internetFoto: G1DF

Dona de salão, Adriana recorria ao alisamento e se inspirou na própria história para montar workshop 'Mães que Curam'; veja como participar.

Por Maria Ferreira*-g1df - 23/05/2019 - 08:49:51

Da cabeça de onde saem vários caracóis enroladinhos também surge um produto chamado rejeição. "O preconceito em relação aos cabelos crespos e cacheados faz com que as crianças acabem querendo alisar as madeixas desde pequenas."

Quem afirma é a cabeleireira Adriana Ribeiro, que desde menina alisava o cabelo. Mas a experiência de quem também usou muita química nas clientes, ao longo da profissão, fez com que a moradora do Distrito Federal descobrisse que não precisava anular suas raízes para sentir-se bonita.

"O adulto é quem cria o preconceito, ele não se aceita e passa isso para a criança. Como vou cultivar uma coisa que eu não gosto?"

Foi para dividir o que aprendeu sobre a beleza do próprio cabelo que Adriana criou o “Workshop Mães que Curam”, um mini-curso gratuito pela internet (saiba mais abaixo).

Durante os encontros online, os pais aprendem desde os cuidados que devem ter com os cabelos cacheados dos filhos, até noções de autoaceitação e de como lidar com o preconceito. O workshop também é aberto para quem quer aprender mais sobre tratamentos e aceitação dos fios.


Preconceito enraizado

Segundo a pesquisadora e doutora em Comunicação pela Universidade de Brasília (UnB) Kelly Quirino, o preconceito está enraizado na cultura social e tem base em um padrão europeu de beleza. "Tudo que é diferente deste padrão, é feio", afirma a professora.

“Entender que o nariz largo, a pele escura e o cabelo cacheado são belos é fundamental para que o empoderamento ocorra.”

Fernanda Silva conta que encontrou na filha, Sophia, de 4 anos, os motivos para esse empoderamento. Foi por causa da menina que ela deixou de alisar o cabelo.

O resultado foi que Sophia ama seus cachos. Com um sorriso no rosto, a pequena fala sobre o cabelo, cheia de orgulh.

Mãe e filha se empoderam por meio do cabelo cacheado no DF

Mãe e filha se empoderam por meio do cabelo cacheado no DF


Novas gerações


Para a pesquisadora Kelly Quirino, além do racismo, o cabelo crespo é percebido como um enfrentamento. "Alguns sentem-se até agredidos", diz a professora quando se refere, principalmente, às novas gerações que assumem seus "cabelos armados".

“O empoderamento que se tem dado para a nova geração é o que tem feito com que ela enfrente o sistema.”


O processo de aceitação ou não do cabelo passa de mãe para filha, afirma a especialista. "Muitas vezes as mães não aprenderam a perceber a beleza do próprio cabelo. Mas quando elas começam a entender esse processo – por meio da leitura ou de atrizes negras em que elas se veem representadas – os padrões começam a mudar".


Mães que Curam

A cabeleireira Adriana Ribeiro percebeu, por experiência própria, a necessidade de atuar diretamente com as mães. Como ela alisava os cabelos, a filha caçula também quis usar produtos químicos e ficar igual a mãe.

"Ela estava sofrendo porque queria um cabelo que nunca ia ter. Então, entramos juntas em um processo de transição. Pra mim, ela é uma referência de liberdade."

A empresária conta que outra motivação para criar o workshop veio da infância. A mãe de Adriana tinha dificuldade na hora de cuidar dos cachos da filha. Por isso, explica, vieram os problemas com a auto-estima pelo "cabelo ruim".

Adriana ainda afirma que a "cura" tem que partir dos pais e de quem está próximo da criança.


Programe-se

Workshop Mães Que Curam


Leia mais notícias sobre a região no G1 DF.

Sob supervisão de Maria Helena Martinho*

Comentários para "Para ajudar pais a cuidarem dos cabelos cacheados dos filhos, cabeleireira em Brasília cria curso gratuito pela internet":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Campanha da ONU chama atenção para direitos das crianças refugiadas

Campanha da ONU chama atenção para direitos das crianças refugiadas

Quase 1 milhão de crianças nasceram como refugiadas entre 2018 e 2020

Mulher acusada de homofobia em padaria de SP é condenada a indenizar balconista

Mulher acusada de homofobia em padaria de SP é condenada a indenizar balconista

"Ainda que a ré seja incapaz, sobre o que não produziu sequer começo de prova, tal condição não afasta sua responsabilidade pelos prejuízos a que der causa", observou a juíza.

Distribuição de absorventes faz cair evasão escolar

Distribuição de absorventes faz cair evasão escolar

A "pobreza menstrual" era um tema de pouca repercussão na época e não motivava projetos de lei como hoje, a exemplo do vetado nesta semana pelo presidente Jair Bolsonaro. E passava longe de ser associado ao cotidiano de meninas.

Fachin manda União distribuir testes de covid e máscaras N95 entre quilombolas

Fachin manda União distribuir testes de covid e máscaras N95 entre quilombolas

Em decisões anteriores, Fachin já havia determinado à União que apresentasse as medidas sanitárias relativas à covid-19 nas comunidades quilombolas

Coletivo vai mapear cultura LGBTQI+ do Distrito Federal

Coletivo vai mapear cultura LGBTQI+ do Distrito Federal

Prazo para repostas ao mapeamento é até 17 de dezembro - Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

Dia Internacional promove educação e maior consciência da não-violência

Dia Internacional promove educação e maior consciência da não-violência

Selo emitido pela Administração Postal da ONU com uma pintura de Mahatma Gandhi de Ferdie Pacheco em Comemoração do Dia Internacional da Não-Violência

ONU quer agir rápido em favor da igualdade de gêneros na liderança global

ONU quer agir rápido em favor da igualdade de gêneros na liderança global

Apenas 18 mulheres discursaram nos debates de alto nível da Assembleia Geral em 2021

Refugiados LGBTQIA+ no Brasil enfrentam discriminação, violência e desemprego

Refugiados LGBTQIA+ no Brasil enfrentam discriminação, violência e desemprego

Refugiados venezuelanos são registrados na Polícia Fedral de Boa Vista para emissão e regularização de documentos.

Senador Contarato dá aula a quem não merece um segundo de fama

Senador Contarato dá aula a quem não merece um segundo de fama

O Zé Ninguém

Campanha foca em conversa com família para aumentar doação de órgãos

Campanha foca em conversa com família para aumentar doação de órgãos

Em 2020, recusa à doação de órgãos por parentes ficou em 37,8%

Pesquisa revela que maioria dos brasileiros tem intenção de doar órgãos, mas não avisa a família

Pesquisa revela que maioria dos brasileiros tem intenção de doar órgãos, mas não avisa a família

“Seja doador de órgãos e avise sua família” se estenderá por todo ano de 2021. Uma doação pode salvar até oito vidas