×
ContextoExato
Responsive image

Para MP do DF, prisão da cúpula da Saúde revelará destino do dinheiro desviado

Para MP do DF, prisão da cúpula da Saúde revelará destino do dinheiro desviadoFoto: CorreioWeb

Após decisões do STJ, o secretário de Saúde afastado Francisco Araújo e três integrantes da pasta continuam detidos; outro foi solto

Gabriella Furquim - Metrópoles - 29/08/2020 - 07:01:47

A prisão preventiva dos integrantes da cúpula da Secretaria de Saúde é necessária para identificar o destino do dinheiro desviado em contratos supostamente fraudados de compra e aplicação de testes para diagnosticar o novo coronavírus.

Essa é a avaliação dos investigadores do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), responsáveis pela segunda fase da Operação Falso Negativo, que levou à cadeia o então secretário de Saúde, Francisco Araújo, e outros seis colaboradores diretos. A estimativa é de que a ação do grupo tenha gerado prejuízo de R$ 18 milhões aos cofres públicos.

Ao solicitarem as prisões preventivas ao Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT), os integrantes do MPDFT também destacaram que os procedimentos irregulares estavam em curso e que a detenção dos envolvidos era necessária para “estancar a continuidade delitiva”.

“As nuances do caso evidenciam, nesse contexto, que a medida restritiva de liberdade é imperiosa, especialmente, para rastrear o destino final dos valores superfaturados que foram desviados e restituí-los aos cofres públicos; guarnecer a instrução da ação penal, evitando-se a colheita de elementos de prova incautos e; estancar a continuidade delitiva e a manutenção da organicidade do engenho criminoso, que agrava o caos na saúde gerado pela pandemia no Distrito Federal”, argumentam os investigadores nos autos.

O TJDFT autorizou autorizou a prisão de sete pessoas na terça-feira (25/8), quando a ofensiva do MPDFT foi deflagrada. No entanto, apenas seis foram detidos.

O mandado de prisão contra o secretário afastado de Administração Geral, da Secretaria de Saúde do DF, Iohan Andrade Struck, não foi cumprido. O advogado do gestor, Alexandre Adjafre, disse que Struck está isolado, com suspeita de Covid-19.

Na tarde desta sexta-feira (28/8), o ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Rogério Schietti negou liminar para tirar da prisão preventiva o secretário afastado de Saúde Francisco Araújo e outros três detidos na Falso Negativo.

Schietti não concedeu medidas liminares solicitadas pelas defesas do ex-secretário-adjunto de Assistência à Saúde, Ricardo Tavares; do secretário-adjunto afastado de Gestão em Saúde, Eduardo Pojo; e do diretor afastado do Laboratório Central (Lacen-DF), Jorge Chamon. Ou seja, eles continuam presos.

O único que teve pedido deferido pelo ministro do STJ e deve ser solto é o subsecretário afastado de Vigilância à Saúde, Eduardo Hage. No caso dele, Schietti definiu outras medidas cautelares, como proibição de acessar a Secretaria de Saúde e de manter contato com servidores ou com outros acusados.

Hage também não poderá sair do Distrito Federal sem autorização judicial. E o ministro ainda determinou a suspensão do exercício da função pública do subsecretário.

Os advogados de Francisco Araújo pediram à Justiça que o cliente respondesse em liberdade até o julgamento do habeas corpus ou que fossem aplicadas medidas cautelares diferentes da prisão. Schietti, contudo, não vislumbrou “constrangimento ilegal a sanar em sede de medida de urgência (liminar), de modo que a controvérsia será analisada na oportunidade própria do seu julgamento definitivo”.

Outro lado

Por meio de nota, a defesa de Ricardo Tavares afirmou que “a prisão é medida injusta, incompreensível e cruel”. “A decisão se fundamenta em suposta necessidade de evitar infrações, quando, na verdade, Ricardo sequer integra mais a Secretaria Adjunta de Assistência à Saúde, tendo se desvinculado da pasta em 10/07/2020. Desde então, o ex-secretário-adjunto não mantém qualquer tipo de vínculo com a função relacionada aos fatos em apuração”, diz o texto.

A nota continua: “Ricardo, médico ortopedista concursado da Secretaria de Saúde do DF desde 2002, é funcionário público que dedicou 18 anos de sua vida profissional à Saúde Pública do Distrito Federal. Sua liberdade não oferece qualquer risco à sociedade ou à efetividade do processo, não havendo qualquer justificativa plausível para a prisão”.

As defesas dos demais presos ainda não se manifestaram. O espaço continua aberto.

Comentários para "Para MP do DF, prisão da cúpula da Saúde revelará destino do dinheiro desviado":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório