×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 29 de junho de 2022

Para primeira indígena vacinada no Brasil, ciência deve vencer "política genocida"

Para primeira indígena vacinada no Brasil, ciência deve vencer Foto: Governo do Estado de São Paulo/Flickr

Vanuza ao ser vacinada em São paulo neste domingo (17): oito meses depois de ter sido infectada pela covid-19, ela ainda convive com as sequelas e teme não conseguir mais recuperar totalmente o olfato e o paladar

Vanessa Ramos - Brasil De Fato | São Paulo (sp) - 18/01/2021 - 11:21:04

Vanuza Kaimbé, que já contraiu a covid e sofre com sequelas, viu dois primos morrerem da doença na Zona Leste de SP

Receber a primeira dose da CoronaVac neste domingo (17) em São Paulo, após a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovar o uso emergencial da vacina contra a Covid-19, representa uma esperança para Vanuza Kaimbé, primeira indígena vacinada no Brasil.

Aos 50 anos, com experiência como técnica de enfermagem, inclusive no atendimento à população indígena na capital paulista, e recém-formada em Assistência Social com bolsa integral pela PUC-SP, Vanuza explica que espera um choque de realidade no país diante da crise sanitária.

“Desejo que o povo acorde para o que o acontece hoje no Brasil e que a ciência vença a política genocida e a ignorância”, afirma Vanuza, que é também presidenta do Conselho do Povo Kaimbé no estado de São Paulo.

Leia mais: Amazonas mantém alta de casos de covid; PGR abre apuração sobre conduta de Pazuello

Em maio de 2020, ela também foi contaminada pela Covid-19. “Não foi fácil passar por esta doença, eu tive falta de ar e dores pelo corpo. Essa doença afeta nosso sistema nervoso, deixa a gente confusa, a gente chora. Eu sentia muito medo e quando a gente pensa que está se recuperando vem uma dor no corpo, uma fraqueza”, relata.

Oito meses depois, ela ainda convive com as sequelas e teme não conseguir mais recuperar totalmente o olfato e o paladar, atingidos pela infecção.

Não bastasse as dores físicas, ela ainda vive o luto pela morte de dois primos moradores de Itaquaquecetuba e de Cidade Tiradentes, na zona leste da capital paulista, vítimas da Covid-19.

Leia ainda: Caos não ficará restrito a Manaus, diz físico sobre o desafio de transportar oxigênio

Vivendo atualmente na Aldeia Filhos Dessa Terra, em Guarulhos, na Grande São Paulo, ela conta que foi escolhida para ser a primeira indígena a tomar vacina por conta de uma campanha que iniciou há meses ao lado de outras lideranças que pressionaram o governo paulista e o Instituto Butantan.

Fora os indígenas do povo Kaimbé, outros moradores da aldeia onde vive, dos povos Tupi Guarani, Pankararé e Pankararu, também foram contaminados pela Covid-19. “Depois de lutar, conseguimos ampliar as testagens nas aldeias e também em indígenas que vivem na cidade”, explica.

Além da defesa pela vacinação contra Covid-19, a representante do povo Kaimbé em São Paulo também levanta outras bandeiras.

“Me preocupo muito com meus parentes indígenas das diferentes etnias e nossa luta por saúde, educação, terra e moradia. Os governos devem reconhecer os indígenas aldeados e os que vivem nas cidades, já que somos uma grande maioria hoje e nossa luta é antiga como povos originários”, destaca.

Vanuza levanta ainda o papel dos povos indígenas na preservação das condições para que a humanidade possa sobreviver na Terra.

Leia também: Informações sobre covid-19 chegam às aldeias nas línguas indígenas via Whatsapp

“Somos os povos originários do Brasil e lutamos pela preservação do meio ambiente e pela vida tanto daqueles que nos odeiam, quanto daqueles que são favoráveis às nossas causas. Defendemos a vida da humanidade, ao contrário deste governo (Jair Bolsonaro) que nega a ciência, a educação e é totalmente desrespeitoso com o Brasil”, finaliza Vanuza.

Edição: Rogério Jordão

Comentários para "Para primeira indígena vacinada no Brasil, ciência deve vencer "política genocida"":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Diferentes técnicas mostram possibilidades da arte NFT

Diferentes técnicas mostram possibilidades da arte NFT

Apesar de a arte digital ter uma maior intimidade com a tecnologia de NFT, artistas plásticos, fotógrafos e afins também encontram espaço para vender e expor seus trabalhos por meio da tecnologia.

Museu do Pontal ajuda a preservar arte popular brasileira

Museu do Pontal ajuda a preservar arte popular brasileira

O Museu do Pontal é um espaço que revela toda a riqueza e diversidade das raízes artísticas brasileiras.

Livro traz aplicação de 150 espécies nativas da flora brasileira

Livro traz aplicação de 150 espécies nativas da flora brasileira

Série Biodiversidade está disponível gratuitamente em versão digital

Mausoléu do Patriarca da Independência será restaurado em Santos

Mausoléu do Patriarca da Independência será restaurado em Santos

O local vai ganhar uma estátua de Bonifácio, com conceito

Com menos nudez e mais debate, 'Pantanal' volta a bater recordes

Com menos nudez e mais debate, 'Pantanal' volta a bater recordes

Durante as gravações de Matí no Pantanal, poucos profissionais foram escalados de forma a evitar superestímulos na onça

Nélida Piñon doa seu acervo para Instituto Cervantes no Rio de Janeiro

Nélida Piñon doa seu acervo para Instituto Cervantes no Rio de Janeiro

Muitos dos livros têm dedicatórias de amigos escritores

Descubra quem está por trás do hit “Acorda, Pedrinho”, que viralizou no TikTok

Descubra quem está por trás do hit “Acorda, Pedrinho”, que viralizou no TikTok

Música virou sucesso na plataforma de vídeos e já foi compartilhada por grandes celebridades

Caravana do Patrimônio Cultural percorre cidades do interior

Caravana do Patrimônio Cultural percorre cidades do interior

Estreia será no dia 20 no município maranhense de Pindaré Mirim

"Amo minhas filhas, mas não gosto tanto de ser mãe", revela Samara Felippo em livro

Caroline Dias de Freitas, CEO da DISRUPTalks, e Samara Felippo, nova autora do selo.

Turma da Mônica e WWF-Brasil lançam cartilha sobre proteção do meio ambiente

Turma da Mônica e WWF-Brasil lançam cartilha sobre proteção do meio ambiente

A publicação conta com ensinamentos sobre como recuperar o planeta após anos de agressões contra o meio ambiente.

Festival de cinema apresenta 27 filmes com temática LGBTQIA+

Festival de cinema apresenta 27 filmes com temática LGBTQIA+

Evento é online, gratuito e vai até a próxima quarta-feira