×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 24 de outubro de 2021

Parados: greves de funcionários públicos aumentam 93% em seis anos

Parados: greves de funcionários públicos aumentam 93% em seis anosFoto: GIOVANNA BEMBOM-METRÓPOLES

Somente em 2018, servidores ficaram 47 mil horas parados. Eles brigam por aumento de salário e de benefícios, tendo êxito em 60% dos casos

Por Otávio Augusto-metrópoles - 10/04/2019 - 07:51:54

Nos últimos seis anos, a insatisfação de servidores públicos com o funcionalismo aumentou. O termômetro para a rusga entre empregados e patrão é a quantidade de greves que os trabalhadores desencadearam. Levantamento do Metrópoles, em série histórica do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), revela que, entre 2012 e o ano passado, as paralisações anuais aumentaram 93,3% na comparação com o período anterior. Elas saltaram de 409 para 791, ou seja, 2,1 greves por dia.

Em 2018, o Dieese registrou 718 greves nos três níveis administrativos do funcionalismo público e mais 73 em empresas estatais. Ao todo, os funcionários públicos ficaram 47 mil horas parados — o equivalente a 1.958 dias.

“Reivindicações relacionadas ao reajuste dos salários e dos pisos salariais foram as mais frequentes nas pautas das greves do funcionalismo público (56%). Em seguida, estão as exigências da melhoria das condições de trabalho, de segurança e de higiene, assim como a implementação, alteração ou cumprimento do PCS, ambas presentes em 28% das greves”, destaca o documento.

Mais sobre o tema

A Confederação Nacional dos Trabalhadores no Serviço Público Federal (Condsef) atribui o aumento das greves à postura do governo em relação às reivindicações dos trabalhadores. “As greves se intensificaram por falta de negociação. É uma demonstração da insatisfação do conjunto do funcionalismo com a ausência do diálogo. Mostra o enfraquecimento das carreiras”, reclama o secretário-geral da Condsef, Sérgio Ronaldo da Silva.

Cabo de guerra favorável ao servidor
Entre as conclusões do relatório, é que no ano passado 54% das greves encerraram-se no mesmo dia em que foram deflagradas. Em contrapartida, quase 20% se prolongaram por mais de 10 dias. Em mais de 60% dos movimentos grevistas, os servidores tiveram êxito no atendimento às reivindicações.

O Dieese classifica os movimentos grevistas em três tipos: propositivo, quando os trabalhadores pedem novos direitos ou ampliação dos já assegurados; defensivas, quando é cobrado o respeito aos direitos conquistados; e de protesto, aquelas que visam ao atendimento de reivindicações que ultrapassam o âmbito das relações de trabalho.

No último ano, 82% das greves foram de caráter defensivo na pauta de reivindicações; sendo que mais da metade (53%) referia-se ao descumprimento de direitos. “A exigência de regularização de pagamentos em atraso (salários, férias, 13º ou vale salarial) e a reivindicação por reajuste de salários e pisos foram as principais bandeiras das greves em 2018, presentes em cerca de 37% das mobilizações”, detalha boletim do Dieese.

A reportagem questionou o Ministério da Economia sobre os dados do levantamento e sobre as críticas da Condsef, mas o órgão preferiu não se manifestar. “O Ministério da Economia não se manifesta sobre greves de servidores públicos federais”, resumiu, em nota.

Falta regulamentação
Mesmo após três décadas, o artigo da Constituição que prevê o direito de greve dos servidores públicos ainda não foi regulamentado. Neste período, o Supremo Tribunal Federal (STF) avaliou o caso três vezes e aplicou a analogia da lei de greve do trabalhador da iniciativa privada.

No Senado, um projeto de lei propõe que o direito de greve deverá levar em conta o juízo de proporcionalidade e razoabilidade, de forma a assegurar o atendimento das necessidades inadiáveis da sociedade. O texto estabelece que competirá à Justiça Federal julgar as ações sobre as greves ocorridas no âmbito da administração pública federal e no caso dos estados e do DF, as ações serão julgadas pela justiça comum.

A proposta veda a greve de integrantes das Forças Armadas, Polícias Militares e Corpos de Bombeiros. Entre as regras propostas, os serviços públicos ou atividades estatais essenciais ficam obrigados a manter em atividade o percentual o mínimo de 60% dos funcionários, como forma de assegurar a continuidade na prestação dos serviços.

Em números
Veja detalhamento das greves

Esfera pública
2012 – 409
2018 – 791

Funcionalismo público
2012 – 380
2018 – 718

Estatais
2012 – 28
2018 – 73

Fonte: Dieese

Comentários para "Parados: greves de funcionários públicos aumentam 93% em seis anos":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Chanceleres da China e do Brasil realizam videoconferência

Chanceleres da China e do Brasil realizam videoconferência

Os dois países devem assumir a liderança para praticar o multilateralismo, construir uma economia aberta e ser parceiros na promoção do desenvolvimento sustentável, assinalou Wang.

15º Fórum da OMT/PATA sobre Tendências e Perspectivas do Turismo tem início em Guilin, no sul da China

15º Fórum da OMT/PATA sobre Tendências e Perspectivas do Turismo tem início em Guilin, no sul da China

O fórum é uma ponte importante para Guangxi realizar a cooperação turística e aprimorar os intercâmbios humanísticos com países estrangeiros

Transportadores de combustíveis iniciam greve apoiada por FUP e sindicatos

Transportadores de combustíveis iniciam greve apoiada por FUP e sindicatos

Outra greve, de cargas em geral, está prevista para começar no dia 1º de novembro

O que é preciso para o Brasil virar potência no agronegócio e elevar sua rentabilidade?

O que é preciso para o Brasil virar potência no agronegócio e elevar sua rentabilidade?

A Sputnik Brasil conversou com a economista especializada em agronegócio e professora da Fundação Armando Álvares Penteado e da FATEC São Paulo dra. Anapaula Iacovino Davila para compreender o perigo de depender das exportações de commodities, bem como o que isso significa para o país

Crise dos fertilizantes pode afetar abastecimento interno do Brasil

Crise dos fertilizantes pode afetar abastecimento interno do Brasil

Em encontro com apoiadores no Guarujá, presidente Bolsonaro citou o pó de rocha como opção para agricultura

Consumidor brasileiro gosta de 'regalias' por isso low cost não 'vingam', diz especialista

Consumidor brasileiro gosta de 'regalias' por isso low cost não 'vingam', diz especialista

A Sputnik Brasil conversou com dois especialistas sobre os novos acordos da Embraer e as expectativas de retomada no setor aéreo após o impacto da pandemia do novo coronavírus.

Fenafisco: Alteração no ICMS é desleal e não resolve alta dos combustíveis

Fenafisco: Alteração no ICMS é desleal e não resolve alta dos combustíveis

"É medida paliativa e falsa solução para o elevado preço dos combustíveis, resultado da política de preços da Petrobras", diz a nota.

Conselheira do Cade pede reanálise de operação entre BRF e Marfrig

Conselheira do Cade pede reanálise de operação entre BRF e Marfrig

Pelas regras do Cade, a Superintendência-Geral - área responsável por investigações e instruções de processos - pode aprovar operações que entenda não oferecer riscos à concorrência.

Previsão de crescimento pra América Latina em 2021 salta, mas Brasil vê projeção despencar, diz FMI

Previsão de crescimento pra América Latina em 2021 salta, mas Brasil vê projeção despencar, diz FMI

Relatório "Perspectiva Econômica Mundial" foi divulgado nesta terça- feira (12) pelo Fundo Monetário Internacional e traça prognóstico pras diferentes economias

Para Guterres, Nobel da Paz é lembrete de que nenhuma sociedade é livre sem jornalistas

Para Guterres, Nobel da Paz é lembrete de que nenhuma sociedade é livre sem jornalistas

Jornalista Maria Ressa durante diálogo sobre liberdade de imprensa, na internet, organizado pela Unesco em maio

Cúpula Mundial da Economia Verde de 2021 termina com a 7ª Declaração de Dubai

Cúpula Mundial da Economia Verde de 2021 termina com a 7ª Declaração de Dubai

A WGES terminou com Sua Ex.ª Saeed Mohammed Al Tayer, vice-presidente do Conselho Supremo de Energia de Dubai, diretor executivo e CEO da DEWA e presidente da WGES, anunciando a Declaração de Dubai de 2021