×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 02 de julho de 2022

Parlamentares e entidades reprovam militarização nas escolas do DF

Parlamentares e entidades reprovam militarização nas escolas do DFFoto: Organizações, parlamentares e estudantes organizaram um ato na segunda-feira (16), em frente à Administração da Estrutural para pedir o fim da militarização nas escolas. - Foto: Reprodução Michel Platini

Ministério Público revoga Nota Técnica que tornava legal a implementação de gestão compartilhada na rede de ensino.

Roberta Quintino - Brasil De Fato | Brasília (df) - 17/05/2022 - 18:04:57

Após três anos da implementação da militarização nas escolas da rede pública de ensino do Distrito Federal, parlamentares e entidades criticam o modelo de gestão compartilhada cívico-militar.

De acordo com a Portaria Conjunta nº 1, de 31 de janeiro de 2019, o projeto entre a Secretaria de Estado de Educação e a Secretaria de Estado de Segurança Pública previa o enfrentamento da violência no ambiente escolar, a promoção de uma cultura de paz e o pleno exercício da cidadania.

No entanto, o Sindicato dos Professores no DF (Sinpro) destaca que o modelo desenvolvido pelos Colégios da Polícia Militar do Distrito Federal (CPMDF) não apresenta respostas positivas nas unidades de gestão compartilhada.

:: Artigo | Diminuir violência nas escolas é desafio; militarização não resolve ::

“Desde que foi implementada pelo governador Ibaneis Rocha a militarização das escolas apresenta resultados negativos. Depois de denúncias de assédio moral e sexual contra a equipe gestora e estudantes, além de queixas sobre a interferência em projetos pedagógicos, a mais recente prova da falência do modelo de militarização escolar foi a exoneração da professora Luciana Martins do cargo de vice-diretora do Centro Educacional 01 (CED 01) da Cidade Estrutural, escola militarizada”, diz o Sindicato em nota.

O Centro Educacional 01 da Estrutural foi umas das primeiras escolas da cidade a possuir gestão escolar híbrida. Em novembro passado, estudantes e a diretora da unidade, Luciana Martins, foram censurados devido a uma exposição realizada na escola sobre o dia da Consciência Negra, em que alguns trabalhos mostravam textos e charges que retratavam a violência policial.

:: A violência se produz fora das escolas ::

Ameaça

No início do mês, o sargento da Polícia Militar do Distrito Federal e monitor disciplinar da escola, Frederico Nicurgo de Oliveira, ameaçou dois estudantes do CED 01 durante manifestação contraria a exoneração da diretora. O Policial, flagrado em vídeo gravado por um estudante, intimidou os jovens com ameaças de agressão.

Após a repercussão do vídeo, parlamentares denunciaram nas redes a ação do policial e cobraram uma medida da Secretaria de Educação do DF sobre o caso.

O deputado distrital, Fábio Félix (PSol), disse que “lugar de polícia não é dentro da escola”. Segundo o parlamentar, a Secretaria de Educação tem silenciado professores para fortalecer o autoritarismo e a repressão nas salas de aula.

“Temos que derrotar esse projeto desastroso, que ameaça a liberdade de estudantes e profissionais da educação”, pontuou Félix.

De acordo com a distrital, Arlete Sampaio (PT), a militarização representa o fim da gestão democrática nas escolas do DF. “Os estudantes não podem ser tratados como marginais. Escola não é cadeia”.

Revogação

A Promotoria de Justiça de Defesa da Educação (ProEduc), vinculado ao Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), emitiu um despacho no dia 10 de maio, revogando a Nota Técnica de nº 001/2019 – PROEDUC/MPDFT5, que tornava legal a implementação de gestão compartilhada na rede de ensino.

De acordo com o despacho, a adoção de política autoritária em escolas públicas, “que importa em restrições ao pensamento crítico e supressão da diversidade dos estudantes, é incompatível com os princípios que regem o Estado brasileiro e configura verdadeiro retrocesso social”.

A Promotoria apontou ainda que transcorridos três anos desde o início da implementação da gestão compartilhada, não foi apresentada à Secretaria de Educação o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica – IDEB das unidades participantes, “tampouco o índice de evasão escolar, índice de aprovação/reprovação, número de pedidos de transferências, entre outras informações requisitadas pelo Ministério Público, a fim de demonstrar a melhoria na qualidade do ensino”.

Manifestação

Com a chamada “Professor na escola, polícia na rua”, organizações, parlamentares e estudantes organizaram um ato na segunda-feira (16), em frente à Administração da Estrutural para pedir o fim da militarização nas escolas.

O ativista de direitos humanos e pré-candidato do Coletiva Somos, Michel Platini, disse que a militarização da escolas “é um crime contra a educação. Lugar de polícia é na rua protegendo a população e não à frente das nossas escolas”, observou.

Atualmente, no Distrito Federal 15 escolas da rede pública da cidade aderiram ao projeto de gestão cívico-militar.

:: Clique aqui para receber notícias do Brasil de Fato DF no seu Whatsapp ::

Edição: Flávia Quirino

Comentários para "Parlamentares e entidades reprovam militarização nas escolas do DF":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Registro de armas de fogo no Distrito Federal aumenta 583% em quatro anos

Registro de armas de fogo no Distrito Federal aumenta 583% em quatro anos

Apenas no sistema da Polícia Federal, havia mais de 243,8 mil licenças ativas em 2021, contra 35,6 mil em 2017

Publicado edital de concurso para professor e orientador educacional

Publicado edital de concurso para professor e orientador educacional

Haverá seleção também para gestor e cadastro de reserva, em um total de 4.254 vagas, com salários de até R$ 5 mil.

Campanha Varal do Frio recebe doações de agasalhos até o dia 5

Campanha Varal do Frio recebe doações de agasalhos até o dia 5

O IgesDF, que promove a iniciativa, prorrogou o prazo com o objetivo de arrecadar mais agasalhos e cobertores

Com quadras e parquinhos, Parque Burle Marx é aberto ao esporte no Noroeste

Com quadras e parquinhos, Parque Burle Marx é aberto ao esporte no Noroeste

Primeira etapa de estruturação do espaço de 280 hectares de área verde tem portaria e banheiros e recebeu investimentos de R$ 8,6 milhões

Comitiva; Emater-DF vai à Etiópia trocar experiências sobre extensão rural

Comitiva; Emater-DF vai à Etiópia trocar experiências sobre extensão rural

Emater-DF tem representante no grupo enviado ao país africano, que pretende fortalecer atendimento aos agricultores com apoio do Brasil

Segunda dose de reforço para maiores de 35 anos a partir desta sexta-feira

Segunda dose de reforço para maiores de 35 anos a partir desta sexta-feira

População no Distrito Federal tem disponíveis 112 salas de vacinação, além de outros 17 postos noturnos

No Distrito Federal; julho começa com 119 vagas de emprego

No Distrito Federal; julho começa com 119 vagas de emprego

Os interessados devem procurar uma agência do trabalhador e se cadastrar em alguma oportunidade para seu perfil

Veja como funciona o atendimento para vítimas de violência sexual no DF

Veja como funciona o atendimento para vítimas de violência sexual no DF

Segundo dados da Secretaria de Saúde, até maio deste ano foram realizados 45 procedimentos de aborto legal

Agendamento eletrônico para castração de cães e gatos inicia nesta quinta

Agendamento eletrônico para castração de cães e gatos inicia nesta quinta

Em fase de teste, vagas para cirurgia gratuita serão disponibilizadas no sistema de marcações do GDF

Café produzido no Lago Norte é classificado como gourmet

Café produzido no Lago Norte é classificado como gourmet

A avaliação de alta qualidade considera o elevado teor de açúcar e baixa adstringência no sabor da bebida

CLDF “corrige tratamento desigual” e unifica valor de bolsa a atletas e paratletas

CLDF “corrige tratamento desigual” e unifica valor de bolsa a atletas e paratletas

Valores variam de R$ 401,27, para atletas de nível estudantil, e R$ 6.401,67, para competidores de nível olímpico