×
ContextoExato
Responsive image

Perto de completar 80 dias com as portas fechadas. Bares e restaurantes no limite

Perto de completar 80 dias com as portas fechadas. Bares e restaurantes no limiteFoto: CorreioWeb

O Velvet Pub é mais uma casa da noite brasiliense que fecha as portas

Agatha Gonzaga E Maria Baqui* - Correioweb - 04/06/2020 - 09:45:06

Aumenta a preocupação do setor de gastronomia diante da pandemia. Muitos fecharam as portas e outros se mantêm com o serviço de delivery. Demissões podem aumentar, segundo empresários e entidades

Perto de completar 80 dias com as portas fechadas, muitos donos de bares e restaurantes do Distrito Federal estão perto do limite financeiro e correm o risco de encerrar as atividades. Representantes do setor vêm tentando marcar reunião com o governador Ibaneis Rocha (MDB) para definir uma data de reabertura. Apesar do esforço de entidades do setor, como a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) e o Sindicato Patronal de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares de Brasília (Sindhobar), até o momento não houve movimento do GDF.

Entre os mais de 360 anúncios de falência, a maioria é de pequenos negócios que não sobreviveram ao período. Para não fazer parte desta estatística, os empresários Lucas Rodrigues e Matheus Rodrigues, da Hamburgueria dos Anões, dispensaram funcionários e colocaram a mão na massa. “Para a gente, que é pequeno, é mais complicado. Poucas pessoas conhecem, tivemos que renegociar muitas coisas, como aluguel. Hoje, o nosso foco é o delivery”, afirma.

A empresa dos amigos completou um ano ontem, e, mesmo com as dificuldades, a dupla não pensa em desistir do negócio. “Estamos pensando em aderir ao programa de crédito do BRB e na esperança de um decreto melhor do governo federal, com juros menores”, explica Lucas.

O tradicional Beirute também mudou as estratégias. “A gente trabalhava com delivery, mas era algo complementar, agora é o nosso foco principal. Além disso, criamos o drive, um serviço de atendimento rápido na frente das nossas lojas, respeitando, é claro, todos os protocolos de contenção à covid-19”, detalha Francisco Emílio, proprietário do estabelecimento.

Apesar das ações de venda, ele admite que foi preciso fazer demissões “A queda no nosso rendimento foi de 70%. Agora, estamos no limite. Demitimos, nas duas casas que temos, uma parte da nossa equipe, uma outra a gente está com contrato suspenso que acaba agora, e outra parte demos férias coletivas. Não queremos demitir nosso pessoal, mas vamos ver como será”.

Para o presidente do Sindohbar, Jael Antônio, não há outra solução, além da definição da data, para evitar novas demissões. “Não tem como prorrogar a medida provisória que acaba essa semana para a suspensão dos contratos por mais 60 dias. Ela está parada no Senado e não sabemos quanto tempo vai levar para ser analisada. Enquanto isso, os funcionários vão voltar para os estabelecimentos e o patrão vai fazer o quê? Sem renda para manter os contratos? Vai demitir”, alerta.

Porta fechada

Durante 10 anos, o Velvet Pub, na 102 Norte, abriu espaço para o universo das músicas alternativas e eletrônicas em um ambiente que prezava pela diversidade cultural do Distrito Federal. É desse jeito que boa parte dos frequentadores e artistas que passaram pela casa noturna se lembrarão do espaço que fecha as portas por conta da crise financeira durante a pandemia do novo coronavírus.

“Tínhamos, lá, uma das únicas noites em Brasília com a bandeira de resistência LGBTQIA+. Mas, recebíamos, também, um público que não era desta comunidade. Por isso, o Velvet era tão plural. Sempre prezamos pelo respeito a todos”, relembra o Dj residente Tonny Carvalho, que trabalhou no local por nove anos.

O anúncio do encerramento das atividades foi divulgado pelas redes sociais. A decisão ocorreu pela falta de recursos. “Tentamos de todas as formas manter as portas abertas, mas, infelizmente, a pandemia e a ineficiência do governo brasileiro para oferecer suporte às pequenas e microempresas nos atingiu de uma maneira que nos fez tomar essa difícil decisão”, informa nota publicada na internet. Por enquanto, a equipe do Velvet não quis se pronunciar de outro modo.

Também Dj residente da casa noturna, Dj Maraskin atuou no pub desde o início das atividades. Foram mais de 400 eventos à frente das picapes, comandando noites agitadas com sets de pop rock. “É com muita tristeza que recebo essa notícia. É lamentável não poder voltar”, afirma.

*Estagiária sob supervisão de José Carlos Vieira

Comentários para "Perto de completar 80 dias com as portas fechadas. Bares e restaurantes no limite":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório