×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 04 de dezembro de 2021

Pesquisa aponta partidos políticos como ambientes hostis às mulheres

Pesquisa aponta partidos políticos como ambientes hostis às mulheresFoto: Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados

Ato simbólico da bancada feminina em prol da aprovação de cotas para mulheres no Congresso

Caroline Oliveira - Brasil De Fato | São Paulo (sp) - 25/11/2021 - 15:38:56

Falta de incentivo, ameaças e exclusão foram pontos relatados por mulheres que entraram para a política

De 155 mulheres que se candidatam a algum cargo público entrevistadas pela pesquisa Políticas de Saia, do Instituto Justiça de Saias, 121 afirmaram que as promessas de campanha para a candidatura não foram cumpridas pelos partidos políticos. O estudo foi divulgado nesta quinta-feira (25), no Dia Internacional da Eliminação da Violência contra a Mulher.

:: Violência, boicotes e preconceito ajudam a explicar déficit de mulheres na política ::

O estudo também levantou relatos envolvendo xingamentos, ameaças e ataques sexuais. Em um deles, a entrevistada afirma que um apoiador tentou violentá-la sexualmente. “Mas fiz um registro e ele parou. Me roubou o planejamento de campanha.”

Em outro relato, uma das entrevistadas diz:

“Eu fui atacada severamente por exercer uma chefia num mandato do meu partido da minha cidade, mesmo não sendo filiada ao partido. Estive em muitas situações constrangedoras, fui bombardeada com injúrias e calúnias, perseguida e vigiada incessantemente.”

“Dirigentes do partido colocaram não só a mim, mas outras mulheres como candidatas para preencher a cota de mulheres”, afirmou outra entrevistada.

:: Candidatas negras na política no RJ foram alvo de 78% dos ataques virtuais na eleição passada ::

“O partido não enviou o percentual do fundo partidário designado para as mulheres, para ajudar as mulheres candidatas, a direção perdeu nomes na chapa por não cumprimento de prazos, uma falta de respeito para conosco”, traz outro relato.

Além das promessas não cumpridas e da violência política, a inserção das mulheres no ambiente político ainda é dificultada pela falta de conhecimento dos trâmites e das regras eleitorais, o que, para o instituto, mostra a falta de capacitação e incentivo para aquelas que estão dentro das siglas.

Das 155 das candidatas, 145 não tiveram nenhuma preparação durante a candidatura e campanha e 125 não receberam apoio partidário e orientação para fazer a prestação de contas.

:: Mais da metade das brasileiras já sofreram algum tipo de violência política, segundo pesquisa ::

A pesquisa foi realizada entre 8 de outubro e 22 de novembro, no formato online, com 1.194 entrevistadas. Apenas 155 delas se candidataram a algum cargo público.

A maior parte delas é do estado de São Paulo (572 respostas, 48,3%), seguido por Minas Gerais (111, 9,4%), Rio de Janeiro (102, 8,6% ), Paraná (63, 5,3%) e Rio Grande do Sul (55, 46%). A maioria tem ensino superior completo (73,7%), filhos (60,5%) e, em média, 42,3 anos.

A maioria das mais de mil mulheres entrevistadas não sabem como funciona a prestação de contas e qual é o prazo para registrar uma candidatura. Do total, 83,2% são favoráveis às cotas para candidaturas femininas e 83,2% para o fundo partidário.

::Presença das mulheres na disputa por espaços de poder ainda é tímida::

Segundo a promotora Gabriela Manssur, presidente do Instituto Justiça de Saias, os dados são importantes para cobrar pelo combate à violência política nesses espaços. “São necessários para pleitear o engajamento dos líderes de partidos e diretórios na eliminação da violência política contra as mulheres”, afirma.

“No Ministério Público de São Paulo sempre tivemos homens na liderança. Mas nós fizemos um trabalho de sensibilização desses líderes, cobrando uma gestão com a perspectiva de gênero. É o que vamos fazer com os partidos, estamos formando um grupo coeso que vai fazer o trabalho de aproximação dos diretórios, com um protocolo e atuação com as mulheres”, afirmou Mansur durante a coletiva de imprensa.

“Nós vamos fazer esse trabalho não só nos partidos, mas na sociedade no geral, aproximando as mulheres da política. Quero que as mulheres participem do cenario político brasileiro.”

::“Não há democracia sem a participação das mulheres na política”, afirma Ana Affonso::

Das 155 mulheres candidatas, 90,8% concorreram a cargos de vereadora; 11,8% deputada estadual; 3,9% vice-prefeita; 10,5 deputada federal; e 1,3% senadora.

Hoje, apenas uma mulher comanda um estado brasileiro, Fátima Bezerra (PT), no Rio Grande do Norte. No âmbito municipal, apenas 11,8% das cidades são governadas por mulheres.

Segundo dados da União Interparlamentar (UIP), o Brasil está na 142° colocação do ranking de participação de mulheres na política nacional, dentre 192 países.

Na Câmara dos Deputados, dos 513 parlamentares, apenas 77 são mulheres: apenas 15% diante de 52% que a população feminina representa no país. No Senado, dos 81 parlamentares, 12 são mulheres.

Edição: Leandro Melito

Comentários para "Pesquisa aponta partidos políticos como ambientes hostis às mulheres":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Quarteto feminino bate recorde mundial de natação master na prova do revezamento

Quarteto feminino bate recorde mundial de natação master na prova do revezamento

Time verde e amarelo cravou 8min42s32 no revezamento 4x200 livre

Peng Shuai: China mostra irritação com suspensão de torneios de tênis

Peng Shuai: China mostra irritação com suspensão de torneios de tênis

Relações Exteriores diz ser contra politização do esporte

Justiça do DF condena dono de empresa que cometeu assédio contra funcionária

Justiça do DF condena dono de empresa que cometeu assédio contra funcionária

A defesa do réu argumentou que ele deveria ser absolvido pois não haviam provas para incriminá-lo.

Ações para eliminar violência de gênero reúne atletas e casos reais

Ações para eliminar violência de gênero reúne atletas e casos reais

Uma em cada três mulheres com 15 anos ou mais, cerca de 736 milhões, é submetida algum tipo de violência durante a vida

Ação de agências da ONU pretende empoderar refugiadas venezuelanas

Ação de agências da ONU pretende empoderar refugiadas venezuelanas

Programa ocorre em Roraima e vai até dezembro de 2023

Carta aberta à Miraildes: Uma das maiores jogadoras que o Brasil já viu em campo

Carta aberta à Miraildes: Uma das maiores jogadoras que o Brasil já viu em campo

Miraildes, jogadora de futebol, mais conhecida como Formiga.

Judô: Beatriz Souza fica com o ouro no Grand Slam de Abu Dhabi

Judô: Beatriz Souza fica com o ouro no Grand Slam de Abu Dhabi

Brasileira bate francesa campeã europeia júnior e vai ao topo do pódio

Ketleyn Quadros fica com o bronze no Grand Slam de Abu Dhabi

Ketleyn Quadros fica com o bronze no Grand Slam de Abu Dhabi

Atleta bateu a tcheca Renat Zachova e foi ao pódio nos Emirados Árabes

Professor que perguntou se aluna vai levar lubrificante 'quando for estuprada' é demitido no PA

Professor que perguntou se aluna vai levar lubrificante 'quando for estuprada' é demitido no PA

Movimentos que atuam na defesa dos direitos das mulheres realizaram atos de repúdio, cobrando punição do agressor

Congresso é iluminado de laranja pelo fim da violência contra a mulher

Congresso é iluminado de laranja pelo fim da violência contra a mulher

Campanha 16 dias de ativismo começou nesta quinta-feira

Patrícia Vanzolin: 'Eleição da OAB foi uma quebra de paradigmas'

Patrícia Vanzolin: 'Eleição da OAB foi uma quebra de paradigmas'

Patrícia considera que sua vitória é também do gênero.