×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 26 de outubro de 2021

Pets podem ficar estressados com tutores confinados; saiba como protegê-los

Pets podem ficar estressados com tutores confinados; saiba como protegê-losFoto: Minervino Júnior/CB/D.A Press

Ana Carolina Dias com seus cães

Thalyta Guerra* - Correioweb - 02/01/2021 - 09:12:11

O contato mais próximo com os cães durante o período de isolamento pode ter impacto no comportamento dos animais. Veja como lidar com o estresse dos pets

Com o aumento do número de pessoas trabalhando de maneira remota em razão da pandemia, muitos donos de pets também aproveitaram para ficar ainda mais grudados aos animais de estimação. O período prolongado em casa e em isolamento também despertou a vontade em quem não tinha de adotar um bichinho para dividir os dias solitários. No entanto, o excesso de apego com os animais de estimação pode gerar estresses emocionais, tanto para o dono quanto para o animal. É importante ficar atento aos sinais e cuidar da saúde mental de todos os habitantes do lar.

O advogado Filipe Araújo, 30 anos, se mudou de um apartamento em Águas Claras para uma casa em Vicente Pires a fim de oferecer um espaço maior para o animal da família. “No início da pandemia, eu e minha esposa morávamos em apartamento, mas mudamos para uma casa. O cachorro ficava estressado sem poder sair. Na casa, ele tem mais liberdade e isso melhorou a convivência”, afirma. Olaf, 8 meses, da raça dálmata, demonstrou comportamentos de automutilação e agressividade após a diminuição, pelo menos pela metade, dos passeios diários com os donos.

Por enquanto, Filipe trabalha em esquema de revezamento: alguns dias em casa, outros no escritório. Entre os desafios da nova rotina, está a divisão do tempo dedicado ao animal e ao trabalho. “O nível de estresse aumentou consideravelmente. O animal quer atenção, e nós precisamos trabalhar, tudo isso cria uma situação de estresse contínuo. É bem difícil manter a saúde mental”, conta.

A professora Ana Cláudia Benício, 29 anos, mora em Águas Claras e é dona de dois cachorros sem raça definida (SRD), Sansão e Florzinha, ambos têm quatro anos. Ela está em casa desde março e dá aulas on-line. Nos primeiros três meses de isolamento social, ela afirma que o medo de sair às ruas fez com que diminuísse os passeios com os cãezinhos. Cláudia sentiu a mudança de comportamento dos dois. “Eles ficaram muito chateados, começaram a fazer xixi fora do tapete higiênico e nas cortinas da casa. Quando eu, minha mãe e meus irmãos temos que sair todos de casa, eles choram muito, a ponto de faltar derrubar a porta arranhando com as patinhas e latindo muito alto”, conta.

Mesmo dividindo o apartamento com a família, a professora afirma que é a responsável pelos dois bichinhos. É ela quem os levam para passear. “Mesmo quando outras pessoas estão em casa, o Sansão chora bastante, ele ficou com essa dependência também”, disse. Ana Cláudia demonstra preocupação ao retomar a rotina de trabalho. Florzinha tem epilepsia e, de acordo com ela, as crises da cachorrinha diminuíram bastante depois que passou a ficar mais tempo em casa. “Quando ela fica muito ansiosa pode desencadear uma crise e o Sansão arranha tanto a porta que até sangra a patinha”, explica.

Assim como para os seres humanos, a pandemia é um momento difícil para os animais. Por isso, a psicóloga clínica Juliana Gebrim lembra que uma das maneiras de o dono pode lidar melhor com a situação é acolher esses pets. “O animal de estimação não pode estar com a gente só nas horas boas, alegres e de lazer. Esse momento é um momento de acolhimento, de muito carinho com aquele animal que está nos momentos legais, mas que está encontrando dificuldades em função da pandemia”, afirma.

A servidora pública Ana Carolina Dias, 30 anos, está trabalhando em casa desde março. Ela e o marido, Ayslan Menez, 38 anos, abrigam 21 animais resgatados e, em meio à nova rotina, os cães ficaram mal-acostumados com a presença constante da tutora. “Agora, quando preciso sair, eles ficam superagitados. Basta pegar a chave de casa para eles começarem a latir e a fazer bagunça. Quando retorno a casa, a bagunça e sujeira estão piores, é como se fosse um ato de rebeldia. Acho que eles querem dar trabalho e chamar a atenção”, observa.

Apego

O zootecnista e comportamentalista canino Pedro Henrique Mendes chama a atenção para o fato de que muitos cães foram adotados durante o isolamento social e nunca foram apresentados ao mundo externo e a outros cães. De acordo com ele, isso gera estresse ao animal e, consequentemente, uma espécie de síndrome da abstinência da presença humana. “As pessoas acabam descarregando e canalizando frustrações, preocupações e incertezas nos próprios animais”, diz.

A psicóloga Juliana Gebrim confirma que tanto os donos quanto os pets estão mais apegados uns aos outros diante do contexto da pandemia. “Como o dono ficou um pouco mais abalado emocionalmente, teve que ficar mais em casa e gerou essa relação naturalmente mais próxima entre eles”, explica.

Para Pedro Henrique Menses, os pets passaram cerca de seis meses recebendo carinho em excesso, de maneira não equilibrada, o que faz com que os cães percam a referência social do que pode e o que não pode, apresentem possessividade extrema por estar o tempo todo junto e acabem se defendendo com recursos próprios, como a agressividade.

O estresse causado por essa convivência pode levar ainda a queda de pelo, falta de apetite e apatia no animal. Para suprir isso, Pedro recomenda que os donos busquem ajuda de profissionais. “É importante procurar ajuda profissional para tratar desses distúrbios. Existem exercícios mentais que mexem com a questão instintiva, como o faro e a visão do animal. Além disso, o enriquecimento ambiental e brincadeiras lúdicas contribuem para que os cães fiquem menos ansiosos.”

Dicas para amenizar o estresse dos pets:

  1. Invista em brinquedos interativos para estimular a inteligência do cachorro: bolinhas, pneus, ossos para cães, brincadeiras que façam o animal explorar o faro e a visão;
  2. Caminhe ao ar livre, de maneira segura;
  3. Ofereça um lugar para o pet descansar e pestiscos;
  4. A casa deve contar com um espaço para que ele possa fazer as necessidades;
  5. Procure creches e ambientes específicos para cães gastarem energia.

Para saber mais

Pets podem levar o vírus da covid-19 para casa?

Apesar da falta de estudos mais aprofundados sobre o tema, o risco de animais contraírem a covid-19 ou de contaminarem seus próprios donos praticamente não existe. No entanto, fique atento aos cuidados com a higiene do seu pet: o vírus pode se hospedar, por exemplo, na coleira, nos objetos e nas patas do animal. Por isso, é recomendável a higienização das patas e do focinho com uma combinação de água e sabão neutro em pano umedecido. Mas essa higienização deveria ser feita habitualmente em todos os animais que vão à rua, independentemente da epidemia. Sobre urina, fezes e saliva, não há nenhum estudo ou evidência científica da transmissão do vírus.

Fonte: Paulo Abílio Lisboa, médico veterinário e pesquisador em saúde pública do Instituto de Comunicação e Informação em Saúde da Fiocruz (Icict)

*Estagiária sob supervisão de Mariana Niederauer

Comentários para "Pets podem ficar estressados com tutores confinados; saiba como protegê-los":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Ativista norte-americana resgata 27 cachorros de avião que seriam sacrificados

Ativista norte-americana resgata 27 cachorros de avião que seriam sacrificados

Com a ajuda de duas amigas, eles lotaram um avião de pequeno porte com os cães e os levaram até a Flórida, em um voo de 45 minutos.

Publicada lei que proíbe sacrifício de animais pelas zoonoses

Publicada lei que proíbe sacrifício de animais pelas zoonoses

Medida foi publicada hoje no Diário Oficial

Divulgado resultado de seleção de cadelas para castração

Divulgado resultado de seleção de cadelas para castração

Listagem inicial contempla, em um primeiro momento, as fêmeas caninas

Vacinação gratuita para cães e gatos, nesta sexta-feira

Vacinação gratuita para cães e gatos, nesta sexta-feira

Entre imunizantes e vermífugos, serão distribuídos cerca de 1,2 mil medicamentos aos animais

Maior presença de pets em casa reforça a atenção com móveis e estofado

Maior presença de pets em casa reforça a atenção com móveis e estofado

Limpeza de móveis e estofados exige atenção

Dia Mundial dos Animais: Curso orienta sobre cuidados e defesa animal

Dia Mundial dos Animais: Curso orienta sobre cuidados e defesa animal

Guarda responsável

Homenagem aos cães que atuam junto às forças de segurança

Homenagem aos cães que atuam junto às forças de segurança

Cães farejadores formam uma parceria bem-sucedida com as forças de segurança no DF

Sai o resultado da 4ª Campanha de Castração no DF

Sai o resultado da 4ª Campanha de Castração no DF

Confira os contemplados das categorias cachorros, gatas e gatos. Inscrições para cadelas serão reabertas em 7 de outubro

Planos funerários para pets oferecem dignidade na despedida dos animais

Planos funerários para pets oferecem dignidade na despedida dos animais

'Acreditamos que planejar a despedida de nossos pets é um gesto de amor que faz toda a diferença quando chega o momento da despedida'

Juiz autoriza advogada a viajar com coelho na cabine do avião

Juiz autoriza advogada a viajar com coelho na cabine do avião

Caso descumpra a decisão, a Azul será multada em R$ 5 mil.

Cegonha reaprende a viver com prótese 3D criada por estudante

Cegonha reaprende a viver com prótese 3D criada por estudante

Um refúgio de animais na República Tcheca achou uma maneira inusitada de ajudar uma cegonha que foi resgatada com um grave ferimento.