×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 04 de dezembro de 2021

Por que com reformas falhas e promessas não cumpridas Paulo Guedes continua no governo?

Por que com reformas falhas e promessas não cumpridas Paulo Guedes continua no governo?Foto: Reprodução Twitter/ agência Sputnik de Noticias

Sputnik Brasil conversou com Maria Beatriz David, professora da Faculdade de Economia da UERJ, para compreender os motivos que ainda seguram o ministro da Economia, Paulo Guedes, no cargo.

Por Ana Livia Esteves, Felipe Camargo - Agência Sputnik De Noticias - 26/10/2021 - 17:01:35

Apesar das declarações do presidente Jair Bolsonaro de que Paulo Guedes permanece no cargo, a ala política do governo avalia que a saída do ministro da Economia depende de encontrar um substituto com um nome credível junto ao mercado e que concorde em discutir novas manobras no orçamento para elevar os gastos às vésperas do ano eleitoral.

Para compreender o que mantém Guedes no cargo, bem como sua situação em relação aos investidores internacionais e possível mudança de perfil na política econômica para 2022, a Sputnik Brasil conversou com Maria Beatriz David, professora da Faculdade de Economia da UERJ.

Questionada sobre as principais diferenças entre o quadro econômico prometido por Guedes e o que ele está entregando, a especialista comentou que nada do que foi prometido pelo ministro foi entregue.

"A grande reforma que houve, foi a da previdência, que foi tocada pelo Congresso, especificamente pelo Rodrigo Maia, que tomou isso como uma agenda dele e levou até o fim", explicou.

De acordo com a professora, todas as medidas tomadas na pandemia para melhorar as questões relacionadas ao assunto, ou para impulsionar, também são resultado da pressão da sociedade e iniciativas do Congresso.

"Só se comprou vacinas porque houve a CPI da Covid e porque havia uma tentativa de contrapor ao governo de São Paulo, que tinha tomado como sua agenda o combate à pandemia. O Supremo teve um papel importante ao firmar a posição da Federação, ou seja, deixar os governadores de municípios exercerem seu papel, caso contrário, teríamos enfrentado uma crise ainda maior do que a que enfrentamos", declarou.

Ela também ressaltou que "vender a ideia de que o Guedes é fundamental para a manutenção de uma agenda liberal, ninguém no Brasil acredita nisso, e muito menos o setor financeiro empresarial".

Explicando os motivos pelos quais o setor financeiro empresarial não tomou medidas de contenção, ou de oposição ao governo, a professora declarou que, no Brasil, "os setores empresariais não se contrapõem diretamente a nenhum governo", fazendo um jogo que mais interessam a eles.

"Há muito que ele não representa nenhum desses setores e que, inclusive, as mudanças na FIESP [Federação das Indústrias do Estado de São Paulo] apontam isso. Eu creio que este distanciamento se concretizou com a saída do secretário do Tesouro, o Mansueto, há quase dois anos. Quando o Mansueto saiu, já estava claro que não tinha a possibilidade de compatibilidade entre o bolsonarismo e uma agenda liberal. Um governo autoritário e uma política liberal só são condizentes quando se tem uma centralização de poder maior do que a que ocorreu no Brasil atualmente", explicou.

Maria Beatriz David ressalta que outro papel relevante, além da pandemia, por exemplo, a posição do Supremo, foi fundamental para firmar a Federação e para delegar as competências ao estados e municípios, e toda a ação mais efetiva veio do Congresso, com o auxílio emergencial, e dos governadores, e depois a implementação da CPI, que forçou a uma política mais contundente de compra de vacinas.

Ela também destaca que furar ou não o teto não é a questão quando se tem claramente o motivo disso, ou seja, houve um consenso durante a crise maior da pandemia, que era impossível trabalhar com o teto, e os próprios setores que já foram do governo afirmaram que não havia possibilidade de permanência do teto para todos os gastos.

"Dizer que o governo não sabia do tamanho dos precatórios, não é verdade. Há um acompanhamento permanente da Advocacia Geral da União sobre o andamento dos precatórios, e o governo é que cria essa bola de neve, porque ele recorre quando sabe que não tem nenhuma possibilidade de ganhar", afirmou.

Política econômica e desconfiança dos investidores

A professora considera um ato gravíssimo furar o teto, e afirma que essa ação é dizer que "não vai pagar o que deve", gerando uma instabilidade e uma falta de confiança na economia enorme.

"Nenhum investidor vai trabalhar em um país onde nem o passado é certo. No Brasil, você não pode contar nem com o que já passou. O grau de rentabilidade que requer investidores para correr este risco é elevadíssimo", enfatiza.

"Na minha opinião, não tem grande importância, é uma figura muito mais simbólica a permanência ou não do Guedes, porque a agenda já foi abandonada há muitíssimo tempo", segundo a professora.

Outra reforma mencionada pela professora foi a reforma tributária, contudo, o governo resolveu que não aceitava as reformas e mandou um projeto que não tem qualquer consistência e que não vai mudar nada. E acreditar, como diz o Guedes, que tudo as reformas vão resolver, também não é verdade, pois elas resolvem a longo prazo.

"A política econômica que o Guedes diz fazer nunca foi feita e já foi totalmente abandonada. Hoje, furar o teto só significa mais claramente que não existe a política econômica, e que toda a política do ano que vem vai ser respaldada em gastos, tanto pressionados pelo Congresso, no apoio que dá hoje ao governo, que a maioria do Congresso é conduzida especialmente pelo Lira, que exige para manter sua fidelidade gastos crescentes", explicou a professora.

De acordo com a professora, em ano eleitoral, com a queda de popularidade do presidente, isso vai acontecer, e o Guedes já disse isso claramente, que ele vai fazer um presidente popular.

Além disso, ela observa que se o governo quisesse cortar os gastos, ele tinha cortado todas as emendas parlamentares, incluindo o orçamento secreto. Sendo assim, não mudou nada, apenas ficou ainda mais explícito que o governo vai gastar muito mais do que foi suposto.

Para Maria Beatriz David, as consequências disso é que a inflação vai acelerar, e quem perde mais é justamente a parte da população que não pode se defender quanto à inflação.

As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

Comentários para "Por que com reformas falhas e promessas não cumpridas Paulo Guedes continua no governo?":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Líder do PL contraria Bolsonaro e cobra passaporte da vacina

Líder do PL contraria Bolsonaro e cobra passaporte da vacina

O senador Carlos Portinho (PL-RJ) durante discurso no plenário do Senado sobre passaporte de vacinação

STF determina abertura de inquérito contra Bolsonaro por associação falsa entre vacina e HIV

STF determina abertura de inquérito contra Bolsonaro por associação falsa entre vacina e HIV

Durante transmissão virtual, Bolsonaro chegou a mencionar suposta notícia de que moradores do Reino Unido que teriam tomado o imunizante estariam desenvolvendo o HIV

Gestão Bolsonaro já trocou ao menos 20 delegados de cargos de chefia na PF

Gestão Bolsonaro já trocou ao menos 20 delegados de cargos de chefia na PF

As mudanças continuam mesmo em meio a uma investigação que se arrasta há mais de um ano no Supremo Tribunal Federal (STF) sobre suspeita de interferência política do presidente Jair Bolsonaro na corporação.

'Todo mundo sabe quem é quem nessa história', diz Sérgio Moro sobre Bolsonaro

'Todo mundo sabe quem é quem nessa história', diz Sérgio Moro sobre Bolsonaro

Correção

Advogados pedem na Justiça inquérito por abuso de autoridade contra mulher que xingou Bolsonaro

Advogados pedem na Justiça inquérito por abuso de autoridade contra mulher que xingou Bolsonaro

Jair Bolsonaro estava acenando para pessoas na estrada quando foi xingado por uma mulher, que por sua vez foi conduzida por policiais rodoviários federais à delegacia

Allan dos Santos: Delegada está incrédula com ordem para deixar posto na Interpol

Allan dos Santos: Delegada está incrédula com ordem para deixar posto na Interpol

Dominique é reconhecida pelos colegas pela produtividade. Na Interpol, ajudou a capturar foragidos internacionais da máfia 'Ndrangheta. O trabalho na organização de polícia internacional não tinha prazo determinado para acabar.

Acordo da cartinha do Temer para aliviar Bolsonaro vai se confirmando

Acordo da cartinha do Temer para aliviar Bolsonaro vai se confirmando

No Baú, o Hélio rememora a luta pela Constituinte em 1986 e a necessidade de uma nova, diante da desmoralização em que as instituições brasileiras se atolam.

Barroso estende até março de 2022 a suspensão de despejos e desocupações na pandemia

Barroso estende até março de 2022 a suspensão de despejos e desocupações na pandemia

Para o ministro, há urgência no tema, tendo em vista que a pandemia ainda não terminou e existe um elevado número de famílias ameaçadas de despejo.

STJ anula condenações impostas por Moro a Vaccari, Palocci e Duque na Lava Jato

STJ anula condenações impostas por Moro a Vaccari, Palocci e Duque na Lava Jato

A sentença foi assinada em 2017 pelo então juiz federal Sérgio Moro, que viu indícios suficientes de crimes como corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Plenário do Senado aprova indicação de André Mendonça ao STF

Plenário do Senado aprova indicação de André Mendonça ao STF

Placar foi de 47 votos a favor e 32 contra

Presidente do Senado, Rodrigo Pacheco aumenta pressão por Refis

Presidente do Senado, Rodrigo Pacheco aumenta pressão por Refis

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), voltou a pedir ontem apoio de empresários para pressionar a Câmara a aprovar o projeto do Refis, que pode perdoar até R$ 60 bilhões em dívidas tributárias.