×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 09 de dezembro de 2021

Por que o Estado e as elites econômicas da Colômbia não respeitam o acordo de paz

Por que o Estado e as elites econômicas da Colômbia não respeitam o acordo de pazFoto: Presidência da República

Dossiê levanta as causas do conflito e identifica elementos que limitam o fim da violência no país sul-americano

Rafael Tatemoto Brasil De Fato | Brasília (df) - 03/12/2019 - 12:12:16

Em consonância com outros países da região, a Colômbia passa por uma onda de protestos massivos. Uma das reivindicações dos manifestantes é o respeito aos termos do acordo de paz entre o Estado e organizações políticas que, no século passado, optaram pela via armada.

Celebrado mundialmente, o acordo de paz, fruto de negociações em Havana, Cuba, é visto de forma mais complexa por ativistas colombianos, cuja visão é refletida no dossiê nº 23 do Instituto Tricontinental de Pesquisa Social, intitulado “Neoliberalismo, paz e mudanças políticas na Colômbia”.


“As forças da extrema direita ligadas ao modelo econômico dominante de financeirização permanecem comprometidas em sustentar a guerra como um cenário vantajoso para seus interesses econômicos e sua perpetuação política”, diz o documento em sua introdução.

Laura Capote, integrante da Secretaria de Formação da Alba Movimentos e militante da Equipe Internacional da Marcha Patriótica, explica que o acordo de paz – “uma solução política, não violenta” – era uma demanda dos movimentos sociais colombianos. Sua conquista, entretanto, não era vista como uma resolução das contradições sociais no país, mas a abertura de uma possibilidade para uma nova etapa da luta política.

Nesse sentido, diz Capote, a própria implementação dos termos formais do acordo se tornou objeto de uma disputa política.

:: Defesa do acordo de paz mobiliza colombianos ::

Raízes

O encerramento do conflito armado representaria uma tentativa de resolução das causas que levam à violência. Capote afirma que, historicamente, a violência armada foi parte da formação social colombiana.

"A causa principal é a propriedade da terra. Essa forma de acumulação, através do espólio, adotada pelas classes dominantes colombianas desde o início de século 20, impactou profundamente o campesinato”, defende. Ela explica que, antes da existência do conflito armado, principalmente nos anos que antecederam 1948, se desenvolveram os elementos do embate social colombiano.

Na história do país, o reflexo político desse processo socioeconômico foi a violência de Estado, que “não só não garante o acesso à terra, mas criminaliza e veta a participação política das classes populares”. A via encontrada seria a guerrilha, um “mecanismo para resolver os problemas que originaram”.

Através da identificação de um “inimigo interno”, a guerra se torna uma justificativa, para as elites, na contínua adoção de políticas antipopulares: “O Estado necessita do conflito”, resume Capote.

Geopolítica

Javier Calderon, mestre em Sociologia pela Universidade Nacional da Colômbia e doutorando em Ciências Sociais na Universidade de Buenos Aires, lembra que a dinâmica conflituosa na Colômbia deve ser entendida também à luz das relações internacionais. A posição estratégica na América do Sul – com acesso ao Pacífico e ao Caribe, além de fronteiras com diversos países – sempre fez da Colômbia um território-chave na região. Esse elemento criou um contexto favorável a uma estável e íntima relação entre a elite do país e os EUA.

O “setor tradicional que não quer perder seus privilégios e que é apoiado pelos EUA”, afirma, é um dos componentes políticos que limitam a resolução das contradições sociais que permitem a emergência e continuidade da violência na Colômbia – inclusive, com o surgimento de novos elementos que dificultam ainda mais a paz.

“A Colômbia, desde o início da OEA, ocupou um papel de principal aliado dos EUA. E segue sendo. Temos que ter em conta a 'guerra contra as drogas'. Os EUA insistem que é preciso tratar essa questão através da criminalização e punição ao camponês que cultiva a folha de coca”, diz.

A política dos EUA para o combate às drogas, defende Calderon, jamais focaram nos pontos fundamentais das “cadeias transnacionais” do tráfico, com “os grandes capitais que lucram com o comércio da droga”.

“O governo colombiano, liderado pela extrema direita, age contra o Acordo de Paz. Utiliza mecanismos institucionais e burocráticos para atrasar a implementação dos seis pontos do Acordo e se recusa a dialogar com o ELN. Eles têm medo da paz política porque esta implica desmantelar o sistema de dominação baseado na coerção, repressão e estigmatização do movimento popular”, sintetiza o dossiê do Tricontinental.

Edição: Julia Chequer

Comentários para "Por que o Estado e as elites econômicas da Colômbia não respeitam o acordo de paz":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Uma pista novinha para os skatistas de Águas Claras

Uma pista novinha para os skatistas de Águas Claras

Com a ajuda de aprendizes do RENOVADF, a pista de skate da quadra 107 ganha manutenção; outros 27 equipamentos na cidade passarão por reformas

UnB aprova título de Doutor Honoris Causa para o líder indígena Aílton Krenak

UnB aprova título de Doutor Honoris Causa para o líder indígena Aílton Krenak

Líder indígena e ambientalista Aílton Krenak receberá o título de Doutor Honoris Causa pela Universidade de Brasília (UnB)

MST comercializa cesta de natal com produtos da reforma agrária

MST comercializa cesta de natal com produtos da reforma agrária

O período de entrega ou retirada das cestas será entre os dias 14 e 23 de dezembro.

Começa a 54ª edição do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro

Começa a 54ª edição do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro

Festival de Brasília do Cinema Brasileira será totalmente online e vai de 7 a 14 de dezembro; filmes poderão ser vistos de forma gratuita pela internet.

De olho na natureza, crianças participam do Natal no Cerrado

De olho na natureza, crianças participam do Natal no Cerrado

A ação contou com exposição de fotos, plantação de sementes e contação de história

Rede pública de ensino do DF amplia oferta de idiomas

Rede pública de ensino do DF amplia oferta de idiomas

Sofia de Souza, de 15 anos, pretende cursar alemão no Cemi Gama e conhecer a Alemanha

Grafite muda a paisagem da avenida W3 Sul

Grafite muda a paisagem da avenida W3 Sul

Douglas Retok conta que muitas vezes percorreu a W3 Sul em busca de um muro que servisse de suporte para sua arte

Artesãos brasilienses participam de feira em Belo Horizonte

Artesãos brasilienses participam de feira em Belo Horizonte

A artesã Tânia Rodrigues com a secretária de Turismo, Vanessa Mendonça

Trânsito é liberado aos domingos e feriados na W3 Sul

Trânsito é liberado aos domingos e feriados na W3 Sul

A avenida volta a ter circulação de veículos

Museu da República no Distrito Federal exibe três mostras simultaneamente

Museu da República no Distrito Federal exibe três mostras simultaneamente

Cecília Lima, Raíssa Studart e Cléber Cardoso Xavier apresentam trabalhos produzidos durante residência artística em Olhos D’Água

Jardim Zoológico de Brasília recebe ursa ameaçada de extinção

Jardim Zoológico de Brasília recebe ursa ameaçada de extinção

Liz veio da Bahia especialmente para encontrar Ney. Expectativa é que o casal contribua para a preservação da espécie, ameaçada de extinção.