×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 18 de maio de 2022

Por que o Estado e as elites econômicas da Colômbia não respeitam o acordo de paz

Por que o Estado e as elites econômicas da Colômbia não respeitam o acordo de pazFoto: Presidência da República

Dossiê levanta as causas do conflito e identifica elementos que limitam o fim da violência no país sul-americano

Rafael Tatemoto Brasil De Fato | Brasília (df) - 03/12/2019 - 12:12:16

Em consonância com outros países da região, a Colômbia passa por uma onda de protestos massivos. Uma das reivindicações dos manifestantes é o respeito aos termos do acordo de paz entre o Estado e organizações políticas que, no século passado, optaram pela via armada.

Celebrado mundialmente, o acordo de paz, fruto de negociações em Havana, Cuba, é visto de forma mais complexa por ativistas colombianos, cuja visão é refletida no dossiê nº 23 do Instituto Tricontinental de Pesquisa Social, intitulado “Neoliberalismo, paz e mudanças políticas na Colômbia”.


“As forças da extrema direita ligadas ao modelo econômico dominante de financeirização permanecem comprometidas em sustentar a guerra como um cenário vantajoso para seus interesses econômicos e sua perpetuação política”, diz o documento em sua introdução.

Laura Capote, integrante da Secretaria de Formação da Alba Movimentos e militante da Equipe Internacional da Marcha Patriótica, explica que o acordo de paz – “uma solução política, não violenta” – era uma demanda dos movimentos sociais colombianos. Sua conquista, entretanto, não era vista como uma resolução das contradições sociais no país, mas a abertura de uma possibilidade para uma nova etapa da luta política.

Nesse sentido, diz Capote, a própria implementação dos termos formais do acordo se tornou objeto de uma disputa política.

:: Defesa do acordo de paz mobiliza colombianos ::

Raízes

O encerramento do conflito armado representaria uma tentativa de resolução das causas que levam à violência. Capote afirma que, historicamente, a violência armada foi parte da formação social colombiana.

"A causa principal é a propriedade da terra. Essa forma de acumulação, através do espólio, adotada pelas classes dominantes colombianas desde o início de século 20, impactou profundamente o campesinato”, defende. Ela explica que, antes da existência do conflito armado, principalmente nos anos que antecederam 1948, se desenvolveram os elementos do embate social colombiano.

Na história do país, o reflexo político desse processo socioeconômico foi a violência de Estado, que “não só não garante o acesso à terra, mas criminaliza e veta a participação política das classes populares”. A via encontrada seria a guerrilha, um “mecanismo para resolver os problemas que originaram”.

Através da identificação de um “inimigo interno”, a guerra se torna uma justificativa, para as elites, na contínua adoção de políticas antipopulares: “O Estado necessita do conflito”, resume Capote.

Geopolítica

Javier Calderon, mestre em Sociologia pela Universidade Nacional da Colômbia e doutorando em Ciências Sociais na Universidade de Buenos Aires, lembra que a dinâmica conflituosa na Colômbia deve ser entendida também à luz das relações internacionais. A posição estratégica na América do Sul – com acesso ao Pacífico e ao Caribe, além de fronteiras com diversos países – sempre fez da Colômbia um território-chave na região. Esse elemento criou um contexto favorável a uma estável e íntima relação entre a elite do país e os EUA.

O “setor tradicional que não quer perder seus privilégios e que é apoiado pelos EUA”, afirma, é um dos componentes políticos que limitam a resolução das contradições sociais que permitem a emergência e continuidade da violência na Colômbia – inclusive, com o surgimento de novos elementos que dificultam ainda mais a paz.

“A Colômbia, desde o início da OEA, ocupou um papel de principal aliado dos EUA. E segue sendo. Temos que ter em conta a 'guerra contra as drogas'. Os EUA insistem que é preciso tratar essa questão através da criminalização e punição ao camponês que cultiva a folha de coca”, diz.

A política dos EUA para o combate às drogas, defende Calderon, jamais focaram nos pontos fundamentais das “cadeias transnacionais” do tráfico, com “os grandes capitais que lucram com o comércio da droga”.

“O governo colombiano, liderado pela extrema direita, age contra o Acordo de Paz. Utiliza mecanismos institucionais e burocráticos para atrasar a implementação dos seis pontos do Acordo e se recusa a dialogar com o ELN. Eles têm medo da paz política porque esta implica desmantelar o sistema de dominação baseado na coerção, repressão e estigmatização do movimento popular”, sintetiza o dossiê do Tricontinental.

Edição: Julia Chequer

Comentários para "Por que o Estado e as elites econômicas da Colômbia não respeitam o acordo de paz":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
10 artistas que emplacaram apenas uma música de sucesso

10 artistas que emplacaram apenas uma música de sucesso

Ter uma carreira estável na música é bastante difícil, e esses artistas, infelizmente, não conseguiram manter o sucesso com novos trabalhos

Relançamento da coletânea 'Exílios e Poeiras' traz obra menos conhecida de Joyce

Relançamento da coletânea 'Exílios e Poeiras' traz obra menos conhecida de Joyce

Há notas melancólicas também nos 36 poemas que Joyce publicou em seu primeiro livro

Livro reúne 70 obras do pintor José Antonio da Silva

Livro reúne 70 obras do pintor José Antonio da Silva

Trata-se de uma obra fundamental para conhecer aspectos da vida e obra de Silva raramente explorados em outras publicações.

Revista portuguesa publica artigo de Juiz do TJDFT sobre inovação

Revista portuguesa publica artigo de Juiz do TJDFT sobre inovação

No texto, o magistrado do TJDFT trata da abordagem do New Public Service, no âmbito dos estudos ligados à Administração

Verdades que ninguém te conta: A importância de falar sobre a maternidade real

Verdades que ninguém te conta: A importância de falar sobre a maternidade real

Livro recém-lançado pela Editora MOL em parceria com a Tip Top reúne relatos de mulheres sobre os desafios reais que chegam com a vida de mãe, como as mudanças no corpo e os julgamentos externos

Bolsonaro veta integralmente Lei Aldir Blanc, que previa R$ 3 bilhões anuais ao setor cultural

Bolsonaro veta integralmente Lei Aldir Blanc, que previa R$ 3 bilhões anuais ao setor cultural

Texto de autoria da deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ) calcula que medida alcançaria 4.176 municípios brasileiros

Cópia restaurada de 'Deus e o Diabo na Terra do Sol' será exibida em Cannes

Cópia restaurada de 'Deus e o Diabo na Terra do Sol' será exibida em Cannes

A última versão digitalizada do filme é de 2002 e tem qualidade inferior à atual

Autora estreante lança livro criado a partir do desejo de se comunicar durante a pandemia

Autora estreante lança livro criado a partir do desejo de se comunicar durante a pandemia

“Quando escrevo, é para me lembrar da esperança que eu mesma sei que tenho”, diz Nathália Ferreira

Eu acredito no livro!

Eu acredito no livro!

Numa necessidade rápida, até podemos contar com um trago de águas quase podres, mas para a vida, para beber água viva, o livro é o único lugar onde nos encontraremos com a civilização, com o melhor dela

Ribeirão Preto celebra a literatura nacional com o 'Revolução Poética na Fábrica'

Ribeirão Preto celebra a literatura nacional com o 'Revolução Poética na Fábrica'

Serão cindo dias de programação gratuita, reunindo 14 autores de referência do universo cultural brasileiro

Capas influenciam quase 30% das crianças na escolha do livro

Capas influenciam quase 30% das crianças na escolha do livro

Diante das diversas motivações que podem influenciar na escolha de um livro antes da compra, a capa é uma das mais citadas pelos entrevistados, em especial entre as crianças