×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 18 de maio de 2022

Pré-Bolsonaro, obra de d’Ávila aponta rumos ao Brasil de hoje

Pré-Bolsonaro, obra de d’Ávila aponta rumos ao Brasil de hojeFoto: Divulgação

Fundador do Centro de Liderança Pública (CLP), grupo interessado em promover boas práticas de gestão, o presidenciável divide a obra em três partes

Estadão Conteúdo - 16/01/2022 - 11:07:18

Pré-candidato à Presidência, o cientista político Luiz Felipe d’Avila (Novo) relançou neste mês seu “guia” de diretrizes para mudar o País. Editado pela primeira vez em 2017, o livro 10 Mandamentos - do País que Somos para o Brasil que Queremos revela parte dos pensamentos de d’Avila sobre os motivos pelos quais a economia e a sociedade brasileira estagnaram nos últimos anos. E aponta soluções que devem permear sua campanha eleitoral como a defesa de reformas estruturais, a necessidade de engajar os cidadãos e a busca por melhores serviços públicos.


Fundador do Centro de Liderança Pública (CLP), grupo interessado em promover boas práticas de gestão, o presidenciável divide a obra em três partes. A proposta tem por objetivo primeiro situar o leitor sobre os problemas atuais e seu contexto histórico, para depois apresentar soluções encontradas dentro da lógica liberal. Para d’Ávila, o Brasil vive três grandes crises - de cidadania, de liderança política e de gestão pública - que vêm debilitando o Estado e ameaçando minar a democracia.


Escrito antes das eleições de 2018, o livro não aborda o governo Jair Bolsonaro nem a pandemia, mas se mantém atual ao citar desafios que ainda não foram enfrentados. “A democracia liberal requer a existência de uma esfera pública na qual as relações institucionais se sobrepõem às relações pessoais, o interesse público ao privado, a soberania do Estado e da lei aos laços familiares e domésticos.”

PERSONALISMO. Citando autores como Gilberto Freyre e Sérgio Buarque de Holanda, o cientista político retoma as características da miscigenação que moldou o Brasil e critica o personalismo que, segundo ele, é um dos entraves para se alcançar o “espírito liberal”. Mas diz que é necessário “descartar falsas narrativas que culpam o capitalismo, a globalização, a herança portuguesa e o catolicismo por nossos infortúnios”.


Para d’Avila, ao projetar o futuro, o País deve seguir uma cartilha que inclui mudanças nos sistemas político-eleitoral, econômico e social. E, apesar de ser pré-candidato à Presidência o primeiro de seus dez mandamentos é a adoção do parlamentarismo e outras três mudanças consequentes: o voto distrital (rejeitado pelo Congresso ano passado), a cláusula de barreira (já em vigor) e o fortalecimento dos partidos por meio da garantia da fidelidade partidária.


Conforme a diretriz liberal, d’Avila segue defendendo o “verdadeiro federalismo”, a meritocracia no serviço público, a política de resultado, a “transformação do Estado assistencial em um Estado prestador de serviço” e a determinação de não abrir mão dos ganhos da globalização.


CIDADANIA. O “resgate da cidadania participativa” deve ser outro mandamento a ser seguido, afirma. Para ele, o desinteresse do cidadão pela política o faz julgar as questões complexas da esfera pública de maneira superficial, ideológica e imediatista. Ao mesmo tempo, considera que essa mesma falta de interesse leva o cidadão a abrir mão de direitos, responsabilidades e liberdades individuais, delegando mais poder ao governo para regular, legislar e decidir não só sobre questões políticas, como também sobre a vida cotidiana.


Nesse sentido, a formação de uma cidadania participativa é vista como algo importante para o resgate da valorização política e o início de uma nova forma de relações, em rede. “A nova geração nasceu em uma época na qual as estruturas hierárquicas estão perdendo relevância e poder, abrindo espaço para a atuação em rede de pessoas e organizações que navegam com desenvoltura no universo da colaboração”, cita, ainda no começo do livro.


‘PARASITÁRIA’. Também na primeira parte da obra, d’Avila critica a elite brasileira, classificada como “parasitária”, que vive de renda, benefícios e favores do Estado. Segundo ele, “essa elite perdeu a capacidade de discernir entre os valores e crenças que precisam ser preservados e aqueles que têm de ser mudados para garantir o progresso do País”, colaborando, desta forma, para a crise política e institucional.


A conclusão, após 199 páginas, é que a parceria entre cidadãos, governo, iniciativa privada e terceiro setor é que pode criar soluções para os problemas do Estado brasileiro - que, em 2017, quando o livro foi escrito, ainda nem tinha passado pelo governo Bolsonaro.


As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


fonte: Estadão Conteudo

Comentários para "Pré-Bolsonaro, obra de d’Ávila aponta rumos ao Brasil de hoje":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Comissão da Câmara aprova convite para AGU explicar defesa de Wal do Açaí

Comissão da Câmara aprova convite para AGU explicar defesa de Wal do Açaí

O requerimento foi apresentado pelo deputado Elias Vaz (PSB-GO), para quem há desvio de finalidade no gasto dos recursos públicos

CNJ adere ao Pacto Nacional pela Educação

CNJ adere ao Pacto Nacional pela Educação

Iniciativa reúne organizações da sociedade civil e órgãos públicos

Cúpula do PSDB intensifica pressão sobre Doria e trava definição na 3ª via

Cúpula do PSDB intensifica pressão sobre Doria e trava definição na 3ª via

O ex-governador paulista foi convidado pela direção tucana para uma nova reunião no fim da manhã de hoje

Judiciário não poder ser 'envolvido em desavenças políticas', diz ministro do STM

Judiciário não poder ser 'envolvido em desavenças políticas', diz ministro do STM

Na avaliação do ministro, o Judiciário não deve interferir em políticas públicas “excepcionais” para conter a crise sanitária, exceto em casos de “grave violação” de direitos fundamentais.

TSE e Telegram formalizam acordo para combate às fake news

TSE e Telegram formalizam acordo para combate às fake news

Tribunal disse ser o primeiro órgão eleitoral a assinar com a plataforma um acordo que envolve cooperação e ações concretas.

Moro fala da relação com SP e reclama de ação sobre domicílio eleitoral: 'É sério isso?'

Moro fala da relação com SP e reclama de ação sobre domicílio eleitoral: 'É sério isso?'

O promotor Reynaldo Mapelli Júnior disse que as primeiras explicações enviadas pelo casal

PL tem dificuldade para atender Bolsonaro e contratar auditoria privada nas eleições

PL tem dificuldade para atender Bolsonaro e contratar auditoria privada nas eleições

Bolsonaro defendeu a contratação de auditoria privada ao falar em suas redes sociais há duas semanas

Brasil deve mostrar que rejeita

Brasil deve mostrar que rejeita "aventuras autoritárias", diz ministro

País serve como vitrine para comunidade global, afirma Fachin

STF dá 120 dias para Ministério Público concluir inquérito contra Lindbergh Faria

STF dá 120 dias para Ministério Público concluir inquérito contra Lindbergh Faria

Ex-senador Lindbergh Farias foi acusado de receber vantagens

TSE criará rede com 100 observadores internacionais nas eleições 2022

TSE criará rede com 100 observadores internacionais nas eleições 2022

Brasil não tolera 'aventuras autoritárias'

STF cria ferramenta para classificar processos em diretrizes da ONU

STF cria ferramenta para classificar processos em diretrizes da ONU

Objetivos e metas fazem parte da Agenda 2030 das Nações Unidas