×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 12 de agosto de 2022

Presidente do Senado. Alcolumbre critica trapalhadas de Bolsonaro e também a falta de agenda para o país

Presidente do Senado. Alcolumbre critica trapalhadas de Bolsonaro e também a falta de agenda para o país

Foto: Tribuna da Internet

Presidente do Senado deu uma entrevista pesada para a Globonews

Deu Em O Globo-tribuna Da Internet - 07/06/2019 - 16:36:30

Em coro ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, não mediu palavras para criticar a articulação política – ou a falta de – do governo Jair Bolsonaro, que em sua opinião “não tem agenda para o país”. Em entrevista ao programa Central da GloboNews, na noite desta quarta-feira, ele que é senador pelo DEM do Amapá, chamou de “trapalhada” algumas ações da coordenação da equipe do presidente e citou “desencontros” entre o governo federal e parlamentares na reforma da Previdência.

Além das críticas, Alcolumbre sugeriu que há descontrole por parte dos seguidores de Bolsonaro nas redes sociais. Ele ainda afirmou que o governo extrapolou os limites dos poderes do Executivo federal no decreto das armas.

RELAÇÃO DIFÍCIL – Ao falar da “trapalhada” da coordenação política do governo, Alcolumbre citou, como exemplo da dificuldade da relação do governo com os parlamentares, a carta que recebeu de Bolsonaro, na qual o presidente defendia a votação pelo Senado da medida provisória 870, que reduziu de 29 para 22 o número de ministérios.

“O governo comete, todos os dias, algum tipo de trapalhada na coordenação política, na gestão e na relação política. É muito desencontro ao mesmo tempo, em uma mesma semana”, disse.

Alcolumbre prosseguiu com as críticas: “Imagina só o presidente da República ser obrigado a assinar um documento apelando ao presidente do Senado, com a assinatura do ministro da Casa Civil, do ministro da Justiça, do ministro da Economia, dizendo ‘por favor, eu peço ao Senado que aprove para não corrermos o risco de perder a reestruturação do governo’.

CLIMA TENSO – “O governo foi obrigado a fazer isso porque o Senado precisava de um sinal do governo de que ele confia na política”, afirmou o senador. De acordo com Alcolumbre, “foi uma decisão do governo porque o clima estava muito tenso”.

Perguntado sobre a condução da política na gestão Bolsonaro, Alcolumbre fez coro às críticas do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, de que governo “não tem uma agenda” para o país. Diante disso, ele disse que o Congresso vai seguir uma agenda paralela.

“Se o governo não tem agenda, e parece que não tem, nós vamos fazer a nossa. A cobrança está sendo em cima do Parlamento.”

REDES SOCIAIS – O presidente do Senado também criticou os ataques que os políticos vêm sofrendo nas redes sociais por simpatizantes de Bolsonaro. De acordo com ele, os usuários de redes sociais criminalizam a política e “agridem” a democracia.

Para Alcolumbre, o presidente da República “deveria tomar a iniciativa de tentar conter as agressões aos políticos protagonizadas no mundo virtual por seus seguidores, fazendo gestos de aproximação com o Congresso Nacional”.

“Esse modelo que o presidente (Bolsonaro) implantou de não se aproximar da política não está dando certo. Ele foi eleito com esse discurso que ia mudar e ia ser diferente, mas acabou a eleição. Ele precisa se aproximar da política”, afirmou. “A reciprocidade no tratamento é fundamental na política. A gente precisa que o governo faça gestos ao parlamento. O parlamento está fazendo gestos todos os dias”, disse.

DECRETO DAS ARMAS – O presidente do Senado ponderou que o decreto das armas assinado por Bolsonaro, flexibilizando o porte, “extrapolou os limites dos poderes do Executivo federal”. Apesar de achar coerente com o que presidente defendeu em sua campanha, o senador do DEM-AP citou o parecer contrário da área técnica do Senado, que viu o decreto como “inconstitucional “.

Ele citou, durante a entrevista, a pesquisa divulgada nesta segunda-feira pelo Globo na qual a maioria dos brasileiros é contra flexibilizações de posse e de porte de armas de fogo. “Agora, a pesquisa mostra que 80% das pessoas estão contra o presidente assinar o decreto para liberar o porte de armas”, afirmou o senador.

Para ele, o decreto assinado por Bolsonaro não vai resolver os problemas da segurança pública. “Em um momento de tanta fragilidade social, dar liberdade para as pessoas portarem armas não vai ser um episódio bom para o Brasil.”, finalizou.

###
NOTA DA REDAÇÃO
– Para colocar ordem na discussão, é preciso lembrar que todo cidadão deveria ter direito a ter uma arma em sua casa, para defesa da família. Isso é “posse”. Quanto ao “porte” de arma, precisa ser rigorosamente proibido, mas os criminosos não estão nem aí, usam fuzis de última geração e até lançadores de granadas, e fica tudo por isso mesmo, como se dizia antigamente. (C.N.)

Comentários para "Presidente do Senado. Alcolumbre critica trapalhadas de Bolsonaro e também a falta de agenda para o país":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Últimas Notícias
MP aciona TCU para barrar salários de até R$ 1 milhão recebido por militares

MP aciona TCU para barrar salários de até R$ 1 milhão recebido por militares

PF mira grupo que fez 245 saques para desviar recursos do Fundeb e do SUS em AL

PF mira grupo que fez 245 saques para desviar recursos do Fundeb e do SUS em AL

Saiba como identificar os recenseadores do IBGE

Saiba como identificar os recenseadores do IBGE

Margareth Dalcolmo é eleita para integrar a Academia Nacional de Medicina

Margareth Dalcolmo é eleita para integrar a Academia Nacional de Medicina

Dia Internacional da Juventude busca pontes com outras faixas etárias

Dia Internacional da Juventude busca pontes com outras faixas etárias

Ato na UnB marca leitura de carta em defesa da democracia e do sistema eleitoral

Ato na UnB marca leitura de carta em defesa da democracia e do sistema eleitoral

Em Brasília, estudantes vão às ruas em protesto contra o governo Bolsonaro

Em Brasília, estudantes vão às ruas em protesto contra o governo Bolsonaro

Casas sustentáveis: Entenda como esse modelo de residência gera economia

Casas sustentáveis: Entenda como esse modelo de residência gera economia

Trabalho remoto é o futuro na área da tecnologia

Trabalho remoto é o futuro na área da tecnologia

Alexandre diz que atos por democracia reforçam 'orgulho do sistema eleitoral'

Alexandre diz que atos por democracia reforçam 'orgulho do sistema eleitoral'

Celso de Mello: Manifesto representa 'severa advertência ao presidente Bolsonaro'

Celso de Mello: Manifesto representa 'severa advertência ao presidente Bolsonaro'

"Carta bate com o que faço aqui", diz professor que levou documento para Londres

Jovens ainda sofrem com recuperação lenta do mercado de trabalho, diz OIT

Jovens ainda sofrem com recuperação lenta do mercado de trabalho, diz OIT

José Carlos Dias destaca união do capital e trabalho e lê carta da Fiesp

José Carlos Dias destaca união do capital e trabalho e lê carta da Fiesp

Ação contra fraude notifica cinco postos de combustível no DF

Ação contra fraude notifica cinco postos de combustível no DF

Saiba o que são e como preparar as PANCs, plantas alimentícias não convencionais

Saiba o que são e como preparar as PANCs, plantas alimentícias não convencionais

Alvaro Vargas Llosa: 'O idiota latino-americano se reinventou'

Alvaro Vargas Llosa: 'O idiota latino-americano se reinventou'

'Os manifestos geram poder para a resistência', afirma Celso Lafer

'Os manifestos geram poder para a resistência', afirma Celso Lafer

No DF, políticos e militantes de esquerda têm sido vítimas de violência nas ruas

No DF, políticos e militantes de esquerda têm sido vítimas de violência nas ruas

DF é condenado a indenizar aluno que sofreu reação alérgica após ingerir alimento

DF é condenado a indenizar aluno que sofreu reação alérgica após ingerir alimento

MPDFT apoia criação de Frente Nacional de Combate a Cartéis

MPDFT apoia criação de Frente Nacional de Combate a Cartéis