×
ContextoExato
Responsive image

Presidente Donald Trump se isola ao sugerir adiar eleição

Presidente Donald Trump se isola ao sugerir adiar eleiçãoFoto: CorreioWeb

Trump publicou no Twitter a ideia: "Adiar a eleição até que as pessoas possam votar de maneira adequada, segura e protegida???"

Rodrigo Craveiro - Correioweb - 31/07/2020 - 09:07:23

Presidente atrai críticas do próprio Partido Republicano ao colocar em xeque a votação por correspondência e ao insinuar a mudança da data para a escolha do sucessor, marcada para 3 de novembro. Analistas veem manobra desesperada

A sugestão do presidente norte-americano, Donald Trump, foi considerada tão absurda que mereceu o repúdio, inclusive, de importantes aliados-chave do Partido Repubicano. “Com a votação universal pelos correios (…), 2020 terá as eleições mais imprecisas e fraudulentas da história. Será um grande embaraço para os Estados Unidos”, escreveu o magnata, por volta das 10h (11h em Brasília) de ontem, em seu perfil no Twitter. “Adiar a eleição até que as pessoas possam votar de maneira adequada, segura e protegida???”, acrescentou. No fim da tarde de ontem, o magnata republicano voltou a tuitar. Sustentou que vencerá as eleições, mas tornou a criticar o voto a distância. “Nós devemos conhecer os resultados da eleição na noite da eleição, não dias, meses ou anos depois”, publicou na rede social. A proposta de Trump não tem precedentes na história do país: o processo de escolha de um presidente jamais foi adiado, nem mesmo durante a Guerra Civil (1861-1865), a pandemia de gripe espanhola (1918-1919) e a Segunda Guerra Mundial (1939-1945). Se depender de senadores e deputados republicanos, as eleições ocorrerão na data marcada, em 3 de novembro.

Um dos principais parceiros políticos de Trump, o senador Lindsey Graham admitiu compartilhar da preocupação com a fraude em uma votação com cédulas pelos correios. “Mas, não apoio o adiamento das eleições. Não seria uma boa ideia”, reagiu, no Twitter. Líder da maioria republicana no Senado, Mitch McConnell disse à emissora WNKY que “nunca na história do país, em meio a conflitos, a depressões e à Guerra Civil, houve a remarcação de uma eleição”. “Encontraremos um modo de fazer isso novamente em 3 de novembro”, prometeu. A também senadora republicana Lisa Murkowski considerou que não existe “absolutamente nenhuma razão” para o adiamento. “Isso não vai ocorrer. Cabe a nós garantir eleições seguras e protegidas, e é exatamente isso o que o Congresso vem fazendo.” Até o fechamento desta edição, o democrata Joe Biden, adversário de Trump, não tinha comentado o assunto.

Constituição

O Correio repercutiu o tema com analistas políticos, e todos foram unânimes em pontuar a impossibilidade de remarcação da votação. “Honestamente, não acho que Trump saiba o que está fazendo. Ele mostra-se desesperado e desvinculado das normas e das práticas democráticas. Não pode alterar a data da eleição”, afirmou Steven Levitsky, professor de governo da Universidade de Harvard, especialista em autoritarismo e democratização, e coautor de Como as democracias morrem (Ed. Zahar). Por sua vez, Allan Lichtman, historiador político pela American University (em Washington), explicou que Trump não detém o poder de adiar, cancelar ou modificar a data de qualquer eleição federal. “O Artigo II, seção 1 da Constituição, dá ao Congresso, não ao presidente, a autoridade para tanto. Desde 1845, o Legislativo estabeleceu, por lei, que o dia das eleições será a primeira terça-feira de novembro”, lembrou. “A sugestão de Trump envolve o coro de um só”, ironizou.

Para Lichtman, a sugestão do magnata republicano é “imoral, ilegal e inconstitucional”. Ele acusa Trump de tentar desviar o foco das “terríveis notícias sobre a economia”. “Como resultado da resposta fracassada à pandemia da covid-19, a economia do segundo trimestre nos EUA despencou um terço, o maior declínio trimestral da história. O presidente também tenta deslegitimar a eleição para questionar os resultados. Em caso de derrota, Trump poderá clamar que venceu, do mesmo modo como alegou ter ganho o voto popular na disputa contra Hillary Clinton, em 2016.” Lichtman destacou que até mesmo republicanos rejeitaram profundamente a ideia de adiamento e fez uma advertência. “Esse estratagema não o ajuda com a própria base principal republicana, muito menos com eleitores de estados-chave, os quais precisará capturar.”

Professor de direito da Faculdade de Direito Moritz da Universidade Estadual de Ohio, Steven Huefner considera que não existe chance de o Congresso mudar a data. “Isso deve-se por várias razões, incluindo o fato de o Congresso atual consistir em um Senado controlado pelo Partido Republicano e em uma Câmara dos Represenantes dominadas pelo Partido Democrata. Está claro que o presidente não detém autoridade para tanto”, comentou o especialista em legislação eleitoral.

Huefner lembra que consta, na Constituição, uma exigência de que o mandato do presidente se encerre ao meio-dia de 20 de janeiro. “É o tempo suficiente para contabilizar os votos e preparar a transição de governo. Se a eleição não ocorresse dentro do programado, o presidente deixaria de ocupar o posto em 20 de janeiro, e a liderança seria incumbida a um presidente em exercício, ou o atual presidente da Câmara (Nancy Pelosy)”, disse. O professor de Ohio considera implausível que um adiamento da votação modifique substancialmente as pesquisas de opinião pública. “Talvez a motivação de Trump seja minar a credibilidade das eleições de 3 de novembro. Por muitas semanas, ele tem feito declarações que põem em xeque a confiança no processo eleitoral”, afirmou.

TUITADA

“Com a votação universal pelos correios (não a votação ausente, o que é bom), 2020 terá as eleições mais imprecisas e fraudulentas da história. Será um grande embaraço para os EUA. Adiar a eleição até que as pessoas possam votar de maneira adequada, segura e protegida???”

Donald Trump, presidente dos Estados Unidos

Saiba mais...

Análise da notícia

Obama condena ataque ao voto

Quatro perguntas para Steven Levitsky

Comentários para "Presidente Donald Trump se isola ao sugerir adiar eleição":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório