×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 08 de dezembro de 2021

Procuradoria denuncia diretor-presidente afastado da Ancine por estelionato

Procuradoria denuncia diretor-presidente afastado da Ancine por estelionatoFoto: Fernando Frazão / Agência Brasil

O Ministério Público Federal também pediu que ele pague R$ 569.982,73 por dano moral coletivo.

Estadão Conteúdo - 04/11/2019 - 16:13:17

A Procuradoria denunciou Christian de Castro Oliveira, diretor-presidente afastado da Agência Nacional de Cinema , pelos crimes de estelionato , falsidade ideológica e uso de documento falso, além de crime contra a ordem tributária.

O Ministério Público Federal acusa Christian de constituir empresa do ramo audiovisual com laranjas e de esconder ser proprietário dela. Ele foi afastado do cargo em agosto último pelo presidente Bolsonaro, que cumpriu decisão judicial .


O Ministério Público Federal também pediu que ele pague R$ 569.982,73 por dano moral coletivo.

LEIA TAMBÉM >Bolsonaro acata Justiça e afasta do cargo chefe da Ancine

As informações são divulgadas pela Assessoria de Comunicação do MPF. Christian teria a empresa do ramo audiovisual Supro Limited desde 1999, com origem nas Ilhas Virgens Britânicas. A sociedade, no entanto, teria sido feita de forma fraudulenta por intermédio do escritório Zuñiga y Associados, localizado no Panamá, para que a Supro Limited não constasse do nome de Christian.

De fato, a empresa seria constituída por dois laranjas do escritório de advocacia, que atuavam a mando de Christian de Castro, diz o MPF. “Em seguida à constituição da offshore, o denunciado constituiu outra empresa, denominada Supro do Brasil Ltda, cuja sociedade constava como sócia a empresa Supro Limited e o próprio Christian.”

Entre 2008 e 2019, Christian de Castro teria feito falsa declaração à Junta Comercial de São Paulo, ‘omitindo dolosamente que era o sócio-administrador da empresa Supro Limited’, com o objetivo de obter vantagem ilícita, consistente em manter em funcionamento, com CNPJ válido, a empresa Supro do Brasil Ltda, diz a Procuradoria.

Christian teria apresentado uma ata de assembleia falsa na qual os funcionários do escritório Zuñiga y Asociados, fazendo-se passar por ‘diretores’ da empresa Supro Limited, ‘dariam para Christian uma procuração com total poderes’, ainda segundo o MPF. “Como se descobriu, tal assembleia nunca aconteceu, e os empregados do escritório eram meros laranjas que atuavam a mando de Christian.”

A Procuradoria acusa o diretor-presidente da Ancine de fazer alteração contratual na Supro do Brasil Ltda para que não mais constasse como parte da sociedade. Isso porque ele tinha receio de que sua parte na sociedade atrapalhasse sua indicação para a presidência da Agência. Em seu lugar, entrou sua esposa, Marta Zimpeck.

“Isso foi suficiente para que sua indicação avançasse na Casa Civil e seguisse para o Senado Federal, onde viria a ser aprovado e posteriormente empossado como diretor. Não obstante, as tentativas de dar baixa na empresa Supro Limited não deu certo porque a offshore não tinha CNPJ. E isso poderia prejudicar sua campanha política para ser nomeado presidente da agência.”

O Ministério Público Federal acusa Christian de promover o registro da empresa Supro Limited junto ao Banco Central e à Receita Federal como regular, quando na verdade, seria uma empresa constituída por meio de laranjas.

“O objetivo era fazer com que a empresa Supro Limited, que sempre tinha sido escondida das autoridades brasileiras, pudesse ser formalmente encerrada, evitando qualquer vinculação do nome do denunciado com a offshore.”

Por outro lado, entre 2009 e 2019, Christian de Castro também ‘prestou declaração falsa à Receita Federal do Brasil, omitindo dolosamente em todas as declarações de ajuste do Imposto de Renda que detinha participação societária e que era o sócio-administrador das empresas Supro Limited e Supro do Brasil’.

O presidente da Ancine ainda ‘prestou declaração falsa’ à Comissão de Ética da Presidência da República, ao preencher e assinar, em 27 de janeiro de 2018, Declaração Confidencial de Informações (DCI) ‘omitindo dolosamente que detinha participação societária nas empresas Supro Limited e Supro do Brasil’.

A denúncia foi apresentada à 5ª Vara Federal Criminal. Processo n° – 5071105-16.2019.4.02.5101.

Pelos mesmos fatos, o MPF também ajuizou ação de improbidade administrativa perante o juízo da 8ª Vara Federal do Rio de Janeiro – processo n.5071130-29.2019.4.02.5101

Christian de Castro Oliveira já foi denunciado pelo MPF, em setembro último, por associação criminosa , violação de sigilo funcional, prevaricação, crimes contra a honra e denunciação criminosa, juntamente com Sérgio Sá Leitão, atual secretário da Cultura do governo João Doria, e mais seis servidores da Ancine.

COM A PALAVRA, CHRISTIAN DE CASTRO OLIVEIRA

A reportagem aguarda o posicionamento do diretor-presidente afastado da Ancine. O espaço está aberto para manifestação.

COM A PALAVRA, A AGÊNCIA NACIONAL DE CINEMA

A reportagem aguarda o posicionamento da Ancine. O espaço está aberto para manifestação.

COM A PALAVRA, O ESCRITÓRIO ZUÑIGA Y ASSOCIADOS

A reportagem aguarda tenta contato com o escritório denunciado pelo MPF. O espaço está aberto para manifestação.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Comentários para "Procuradoria denuncia diretor-presidente afastado da Ancine por estelionato":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Publicada resolução que define níveis do Lago Paranoá para 2022

Publicada resolução que define níveis do Lago Paranoá para 2022

Resolução da Adasa define os níveis altimétricos da água que devem ser mantidos no Lago Paranoá em 2022

Posto de vacinação na Rodoviária do Plano Piloto no DF disponibiliza doses contra a Covid-19

Posto de vacinação na Rodoviária do Plano Piloto no DF disponibiliza doses contra a Covid-19

Posto de Vacinação contra a covid-19 na Rodoviária do Plano Piloto está localizado na plataforma inferior, ao lado da administração

Detran-DF reforça orientações gerais a motociclistas

Detran-DF reforça orientações gerais a motociclistas

Campanhas de conscientização do Detran são constantes e têm como foco a segurança de todos

220 mil pessoas estão com a segunda dose da vacina atrasada no DF

220 mil pessoas estão com a segunda dose da vacina atrasada no DF

Há estoque de vacinas contra o coronavírus para primeira e segunda doses, dose de reforço e dose adicional; números revelam a efetividade da campanha

Biometria passa a ser oferecida em mais três postos do Na Hora

Biometria passa a ser oferecida em mais três postos do Na Hora

Postos do Na Hora de Taguatinga, Gama e Riacho Fundo passarão a oferecer o serviço de identificação biométrica

Aulas no DF começam em 14 de fevereiro de 2022

Aulas no DF começam em 14 de fevereiro de 2022

A portaria que define o calendário anual e semestral contendo todas as datas e eventos pedagógicos previstos será publicada nos próximos dias no Diário Oficial do DF

Entidades realizam ato contra tentativa de censura em escola do DF

Entidades realizam ato contra tentativa de censura em escola do DF

Em nota, corpo docente diz que repudia “toda e qualquer forma de perseguição, cerceamento e censura ao livre trabalho docente dessa Unidade de Ensino”.

Colorida e popular: Drag queen e ativista do MST lança pré-candidatura a deputada federal no DF

Colorida e popular: Drag queen e ativista do MST lança pré-candidatura a deputada federal no DF

A presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, participou do ato de filiação de Ruth Venceremos ao partido

Confira os dias e locais das feiras rurais em dezembro no DF

Confira os dias e locais das feiras rurais em dezembro no DF

Emater-DF disponibiliza mensalmente uma relação das feiras rurais, com produtores atendidos pela empresa

MP do DF quer a proibição de repasses irregulares às empresas de ônibus

MP do DF quer a proibição de repasses irregulares às empresas de ônibus

Para a Prodep, o custeio de complementação tarifária não tem previsão legal

Liminar determina que indicado para vaga do TCDF tem que ser da carreira de auditor

Liminar determina que indicado para vaga do TCDF tem que ser da carreira de auditor

O Conselho Especial do TJDFT, em decisão do relator, determinou que a indicação de nome para compor o TCDF deve ser de candidato pertencente à carreira de Conselheiro Substituto (Auditor) do TCDF e suspendeu qualquer ato de indicação que, porventura, já tenha sido feito.