×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 27 de outubro de 2021

Público LGBTQIA+ tem atendimento garantido na rede de saúde do Distrito Federal

Público LGBTQIA+ tem atendimento garantido na rede de saúde do Distrito FederalFoto: Geovana Albuquerque/Agência Saúde-DF

O atendimento ambulatorial do público LGBTQIA+ continua sendo realizado, enquanto o serviço está em ampliação para todas as regiões de saúde

Agência Brasília | Edição: Saulo Moreno - 10/08/2021 - 08:04:48

Atuais ambulatórios mantêm serviços enquanto ampliação que está sendo feita em unidades não é concluída

O público LGBTQIA+ vai continuar contando com o ambulatório que funciona dentro do Hospital Materno Infantil Dr. Antônio Lisboa (Hmib). A Secretaria de Saúde esclarece que o local não será fechado e continuará normalmente com os atendimentos à população.

O local atende o público LGBTQIA+ com neurodiversidades, ou seja, dispraxia, dislexia, transtorno do déficit de atenção com hiperatividade (TDAH), autismo, síndrome de Tourette, entre outras. Além disso, atende no âmbito da psiquiatria, psicologia e comportamental. São pacientes encaminhados pelas regiões de saúde ou pelo Ambulatório Trans.

“A nossa intenção é ampliar o atendimento para este público em todos os níveis de atenção e em todas as regiões de saúde. Há a necessidade de fortalecimento do serviço existente, especialmente, em termos de recursos humanos. Ressaltamos que estamos em processo de construção da Linha de Cuidado para a população LGBTQIA+, bem como regulação do acesso ao serviço”, explica a subsecretária de Atenção Integral à Saúde, Marina da Silveira.

“Entre os esforços estão a organização dos serviços já existentes, implementação da regulação de consultas ambulatoriais, qualificação das equipes para atendimento humanizado e gerenciamento de recursos humanos”Marina da Silveira, subsecretária de Atenção Primária à Saúde

A Subsecretaria de Atenção Integral à Saúde vai normatizar e regulamentar o atendimento dessa unidade, que hoje é feito no Hmib, para que um maior número de pessoas possa ser atendido e tenha acesso ampliado aos serviços ambulatoriais.

De acordo com Marina, a Secretaria de Saúde possui um grupo de trabalho em andamento para a formulação da linha de cuidado ao público LGBTQIA+, que tem como proposta a identificação e organização de todos os serviços da pasta que participam do cuidado a esse público.

“Entre os esforços, estão a organização dos serviços já existentes, implementação da regulação de consultas ambulatoriais, qualificação das equipes para atendimento humanizado e gerenciamento de recursos humanos”, adianta Marina.

Segundo a subsecretária, todos os serviços da Rede de Atenção Psicossocial devem acolher pessoas LGBTQIA+, resguardados os públicos específicos aos quais se destinam os atendimentos de unidades de referência, tais como os Centros de Atenção Psicossocial Infanto-juvenil (CAPS i), destinados ao atendimento de crianças e adolescentes (incluídos os adolescentes LGBTQIA+) e os Centros de Atenção Psicossocial (CAPS AD) voltados ao atendimento de usuários de álcool e drogas (incluídos os dependentes químicos LGBTQIA+).

“Para além dos serviços gerais da Rede de Atenção Psicossocial, dispomos do Ambulatório Trans, localizado no Hospital Dia (508/509 Sul), sendo um centro especializado e em processo de habilitação, com atendimento multiprofissional de referência ao atendimento ambulatorial a este público”, conclui a subsecretária.

Ambulatório Trans

Leia também

Categoria LGBTQIA+ é incluída no cadastro dos agentes culturais

Pandemia intensificou atendimento social ao público LGBTQIA+

Dia do Orgulho LGBTQIA+: saúde pública é para todos

Localizado no Hospital Dia, na 508/509 Sul, o Ambulatório Trans presta atendimento à população trans do DF em suas necessidades específicas, desde agosto de 2017, e ainda funciona como referência para que estudantes, estagiários e profissionais de saúde possam conhecer a realidade do segmento.

A unidade funciona de segunda a sexta-feira, oferece atendimento multidisciplinar, sua equipe é composta por psicólogos, assistente social, endocrinologista, psiquiatra, terapeuta ocupacional e enfermeiros.

*Com informações da Secretaria de Saúde-DF

Comentários para "Público LGBTQIA+ tem atendimento garantido na rede de saúde do Distrito Federal":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Projeto promove educação antirracista em Taguatinga, no Distrito Federal

Projeto promove educação antirracista em Taguatinga, no Distrito Federal

‘Cidade Cor’ vai reunir estudantes de 34 escolas para bate-papo e show da cantora Ellen Oléria

'Nada pode me limitar ou definir', diz a modelo com síndrome de Down

'Nada pode me limitar ou definir', diz a modelo com síndrome de Down

O sonho de ser modelo, ela relata, começou aos 16 anos, quando foi internada com meningite bacteriana e ficou dez dias em coma.

Inquérito que investiga loja da Zara por abordagem racista será enviado ao MP

Inquérito que investiga loja da Zara por abordagem racista será enviado ao MP

Segundo as investigações da polícia, o gerente cometeu atitude discriminatória contra a delegada Ana Paula Barroso, que é negra no último dia 14 de setembro.

Campanha da ONU chama atenção para direitos das crianças refugiadas

Campanha da ONU chama atenção para direitos das crianças refugiadas

Quase 1 milhão de crianças nasceram como refugiadas entre 2018 e 2020

Mulher acusada de homofobia em padaria de SP é condenada a indenizar balconista

Mulher acusada de homofobia em padaria de SP é condenada a indenizar balconista

"Ainda que a ré seja incapaz, sobre o que não produziu sequer começo de prova, tal condição não afasta sua responsabilidade pelos prejuízos a que der causa", observou a juíza.

Distribuição de absorventes faz cair evasão escolar

Distribuição de absorventes faz cair evasão escolar

A "pobreza menstrual" era um tema de pouca repercussão na época e não motivava projetos de lei como hoje, a exemplo do vetado nesta semana pelo presidente Jair Bolsonaro. E passava longe de ser associado ao cotidiano de meninas.

Fachin manda União distribuir testes de covid e máscaras N95 entre quilombolas

Fachin manda União distribuir testes de covid e máscaras N95 entre quilombolas

Em decisões anteriores, Fachin já havia determinado à União que apresentasse as medidas sanitárias relativas à covid-19 nas comunidades quilombolas

Coletivo vai mapear cultura LGBTQI+ do Distrito Federal

Coletivo vai mapear cultura LGBTQI+ do Distrito Federal

Prazo para repostas ao mapeamento é até 17 de dezembro - Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

Dia Internacional promove educação e maior consciência da não-violência

Dia Internacional promove educação e maior consciência da não-violência

Selo emitido pela Administração Postal da ONU com uma pintura de Mahatma Gandhi de Ferdie Pacheco em Comemoração do Dia Internacional da Não-Violência

ONU quer agir rápido em favor da igualdade de gêneros na liderança global

ONU quer agir rápido em favor da igualdade de gêneros na liderança global

Apenas 18 mulheres discursaram nos debates de alto nível da Assembleia Geral em 2021

Refugiados LGBTQIA+ no Brasil enfrentam discriminação, violência e desemprego

Refugiados LGBTQIA+ no Brasil enfrentam discriminação, violência e desemprego

Refugiados venezuelanos são registrados na Polícia Fedral de Boa Vista para emissão e regularização de documentos.