×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 24 de janeiro de 2022

Quebre o silêncio!

Quebre o silêncio!Foto: UNFPA

Neste 30º aniversário do Dia Internacional contra a Homofobia, Transfobia e Bifobia, o Fundo de População da ONU (UNFPA) enfatiza a importância de quebrar o silêncio.

Por Dra. Natalia Kanem* - Onu Brasil - 21/05/2020 - 07:26:01

“Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e direitos”. O artigo 1º da Declaração Universal dos Direitos Humanos fala da universalidade dos direitos humanos. Todas as pessoas, em qualquer lugar, têm direito a eles, sem qualquer tipo de distinção ou discriminação.

Pessoas lésbicas, gays, bissexuais, trans, travestis, queer e intersexuais (LGBTQI) são consideradas as mais vulneráveis e marginalizadas em muitas sociedades, sofrendo discriminação que afeta negativamente todos os aspectos de suas vidas. Devido à pandemia da COVID-19, no momento, as pessoas LGBTQI estão entre as que correm maior risco.

O Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) está comprometido em assegurar que as pessoas LGBTQI não enfrentem discriminação e não tenham medo de sofrer retaliação por procurar assistência médica em meio à crise da COVID-19.

Como os sistemas e serviços de saúde estão sob intensa pressão em todo o mundo, isso tem um enorme efeito nos grupos em situação de vulnerabilidade e excluídos. Nos países onde as relações entre pessoas do mesmo sexo são criminalizadas ou onde pessoas trans são alvejadas, essas pessoas evitam fazer exames e tratamentos por medo de serem presas ou violentadas.

Dadas as restrições de ficar em casa, jovens e adultos LGBTQI ficam confinados em ambientes hostis com familiares ou coabitantes que não oferecem apoio, aumentando sua exposição à violência, ansiedade, medo e depressão.

Neste 30º aniversário do Dia Internacional contra a Homofobia, Transfobia e Bifobia, o Fundo de População da ONU (UNFPA) enfatiza a importância de quebrar o silêncio.

Ninguém deve sofrer estigma ou discriminação no trabalho. Criar um local de trabalho seguro, onde cada pessoa se sinta incluída e valorizada, pode desbloquear o incrível potencial de cada um de nós. O UNFPA continuará defendendo esses valores essenciais com nossa equipe, colegas, parceiros de implementação e pessoas que servimos. O Diretório Global do UNFPA, por exemplo, agora oferece opções de perfil para refletir com mais precisão e respeito a diversidade de gênero de nossa equipe, alguns dos quais não se identificam nem como mulheres e nem homens.

O UNFPA, a agência de saúde sexual e reprodutiva das Nações Unidas, está comprometida em atender às necessidades de saúde sexual e reprodutiva de pessoas com orientações sexuais, identidades de gênero, expressões de gênero e características sexuais diversas. Vamos juntos e juntas promover uma sociedade livre de todas as formas de discriminação e assédio para garantir que todas as pessoas, em qualquer lugar, possam viver e trabalhar em segurança e com dignidade.

*Dra. Natalia Kanem, diretora-executiva do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA).

Acesse a Declaração (em inglês) e o pôster (em inglês) da ONU, que defende a igualdade e a não discriminação dos funcionários LGBTI no sistema das Nações Unidas e em suas operações de manutenção da paz.

Comentários para "Quebre o silêncio!":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório

"Esporte não pode admitir novos Robinhos": Especialistas comentam condenação por estupro

Robinho foi o principal jogador da Seleção Brasileira na Copa do Mundo de 2010; na foto, o ex-camisa 11 em partida contra o Chile

Chefe de direitos da ONU pede estratégias para garantir participação das mulheres nos processos de paz

Chefe de direitos da ONU pede estratégias para garantir participação das mulheres nos processos de paz

A alta-comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet (À esquerda na tela) fala por meio de um vídeo durante um debate aberto do Conselho de Segurança sobre mulheres, paz e segurança na sede da ONU em Nova York no dia 18 de janeiro de 2022. Michelle Bachelet pediu na terça-feira por estratégias e investimento para garantir a participação plena e significativa das mulheres nos processos de paz.

Morre a cantora Elza Soares aos 91 anos

Morre a cantora Elza Soares aos 91 anos

Elza fez sucesso interpretando clássicos como Se Acaso Você Chegasse, cuja gravação lançou em 1960.

Bachelet: “Decisões sobre a paz sem refletir vozes, realidades e direitos das mulheres não são sustentáveis”

Bachelet: “Decisões sobre a paz sem refletir vozes, realidades e direitos das mulheres não são sustentáveis”

Bachelet apontou ainda o efeito negativo da violência baseada no gênero e do uso da violência sexual como tática de guerra

Estudante de 62 anos formada na EJA inicia o ano na UnB

Estudante de 62 anos formada na EJA inicia o ano na UnB

Quem quiser seguir o mesmo caminho da diarista Maria da Conceição pode se matricular no programa, que abrirá vagas remanescentes em fevereiro

“Temos capacidade para fazer, somos empreendedoras e muito valentes”, afirma venezuelana

“Temos capacidade para fazer, somos empreendedoras e muito valentes”, afirma venezuelana

Yidri foi uma das mulheres empreendedoras beneficiadas em Roraima pelo Programa Conjunto LEAP

OCDE mostra como a desigualdade de gênero afeta brasileiras

OCDE mostra como a desigualdade de gênero afeta brasileiras

A Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) é composta por 38 países membros e por 8 países parceiros, grupo do qual o Brasil faz parte

Maior acampamento de refugiados sírios sem mortes maternas após 14 mil partos

Maior acampamento de refugiados sírios sem mortes maternas após 14 mil partos

Unfpa administra operações dentro das instalações de saúde no maior acampamento acolhendo cidadãos da Síria

Natália Bonavides vai recorrer ao Judiciário por direito de resposta a Ratinho

Natália Bonavides vai recorrer ao Judiciário por direito de resposta a Ratinho

Segundo Natália, o direito de resposta "evidencia as mentiras contadas no programa e mostra a necessidade urgente de enfrentar a intolerância e o preconceito. A recusa em divulgá-la é uma confirmação daquilo que foi dito"

O trabalho das mulheres no enfrentamento às desigualdades sociais que pioraram com a pandemia

O trabalho das mulheres no enfrentamento às desigualdades sociais que pioraram com a pandemia

Mulheres da comunidade Aratu, em João Pessoa, aguardam por alimentos durante ação de solidariedade em 1° de maio de 2021.

NYT traz perfil de Luiza Trajano destacando antirracismo e ascensão política

NYT traz perfil de Luiza Trajano destacando antirracismo e ascensão política

A reportagem cita que Luiza Trajano fez movimentos