×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 24 de janeiro de 2022

Quem é Nelson Teich, novo ministro da Saúde do governo Bolsonaro

Quem é Nelson Teich, novo ministro da Saúde do governo BolsonaroFoto: Estadão

Nelson Luiz Sperle Teich é oncologista, conta com apoio da classe médica e tem boa relação com empresários do setor da Saúde

Estadão Conteúdo - 16/04/2020 - 16:43:36

Nelson Teich é escolhido pelo presidente Jair Bolsonaro para assumir o Ministério da Saúde. O oncologista substitui Luiz Henrique Mandetta , que deixa a pasta após semanas de embates públicos com o presidente.

Nelson Luiz Sperle Teich é formado em Medicina pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), especialista em oncologia pelo Instituto Nacional do Câncer e doutor em Ciências e economia da Saúde pela Universidade de York, no Reino Unido.

Fundou e presidiu o Grupo Clínicas Oncológicas Integradas (COI) entre 1990 e 2018. Foi consultor da área de saúde da campanha de Bolsonaro à presidência em 2018. Chegou a ser cotado ao Ministério da Saúde à época.

O oncologista conta com apoio da classe médica e mantém boa relação com empresários do setor da saúde. A expectativa é de que Teich traga dados que destravem debates “politizados” sobre a covid-19 .

Segundo seu perfil no LinkedIn, atuou como conselheiro e consultor da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde, atualmente comandada por Denizar Vianna .

Vianna e Teich já foram sócios e têm uma relação de proximidade. Nesta quinta-feira, Mandetta sugeriu que Vianna poderia até compor a próxima gestão da pasta . O atual ministro não mencionou o nome de Teich, mas afirmou que o oncologista é um bom pesquisador, embora não conheça o SUS.

Em um artigo publicado em 3 de abril no LinkedIn, o médico critica a “polarização” entre a saúde e a economia. “Esse tipo de problema é desastroso porque trata estratégias complementares e sinérgicas como se fossem antagônicas. A situação foi conduzida de uma forma inadequada, como se tivéssemos que fazer escolhas entre pessoas e dinheiro, entre pacientes e empresas, entre o bem e o mal”, escreveu.

Teich não é defensor do isolamento vertical, em que apenas idosos e pessoas com doenças graves são colocadas em quarentena. O modelo é defendido por Bolsonaro e foi um dos principais fatores de desgaste entre presidente e o ministro Mandetta, que apostou no isolamento horizontal.

Qual é a opinião de Nelson Teich sobre o isolamento vertical?

Nelson Teich publicou três artigos sobre o coronavírus em sua página pessoal no LinkedIn. No texto mais recente, de 2 de abril, o oncologista defende o isolamento horizontal como a “melhor estratégia no momento” no combate à pandemia.

“Diante da falta de informações detalhadas e completas do comportamento, da morbidade e da letalidade da covid-19, e com a possibilidade do Sistema de Saúde não ser capaz de absorver a demanda crescente de pacientes, a opção pelo isolamento horizontal, onde toda a população que não executa atividades essenciais precisa seguir medidas de distanciamento social, é a melhor estratégia no momento. Além do impacto no cuidado dos pacientes, o isolamento horizontal é uma estratégia que permite ganhar tempo para entender melhor a doença e para implantar medidas que permitam a retomada econômica do país”, escreveu Teich.

Teich vê “fragilidades” no isolamento vertical, modelo defendido por Bolsonaro em que apenas idosos e pessoas com doenças graves ficariam em quarentena. O médico ressalta, no entanto, que nenhum dos modelos seria o ideal e defende um “isolamento estratégico”.

“Estamos falando aqui do uso de testes em massa para covid-19 e de estratégias de rastreamento e monitorização, algo que poderia ser rapidamente feito com o auxílio das operadoras de telefonia celular”, afirmou.

Qual é a opinião de Nelson Teich sobre a cloroquina?

Em um dos textos no LinkedIn, o oncologista menciona a cloroquina como uma esperança no tratamento da doença, mas não se posiciona sobre a forma como a substância deve ser usada.

Em 2016, em entrevista ao site Medscape, Teich criticou a liberação da venda da fosfoetanolamina, que ficou conhecida como a “pílula do câncer”, mas disse que o uso de substâncias sem eficácia comprovada é um direito do paciente.

“É uma decisão política e populista que quebra um processo estruturado de avaliação de medicamentos. Uma coisa, porém, precisa ficar clara: você, como médico, está lá para orientar o paciente. Se ele quer fazer uso da substância é um direito dele. (...) Usar algo que não tem comprovação científica é uma escolha individual”, afirmou o oncologista.

Teich, no entanto, defende que o custo da aquisição de um medicamento sem comprovação científica deve ser arcada pelo paciente.

Comentários para "Quem é Nelson Teich, novo ministro da Saúde do governo Bolsonaro":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
2022 será ano determinante para a liberdade

2022 será ano determinante para a liberdade

Students for Liberty Brasil vê 2021 como período em que o liberalismo retrocedeu, apontando grandes desafios para este ano

Garimpo ilegal em alta no PA: Lama escurece águas do

Garimpo ilegal em alta no PA: Lama escurece águas do "Caribe Amazônico" em Alter do Chão

Faixa de areia separa águas barrentas e claras no balneário turístico de Alter do Chão (PA)

Projeto leva atividades esportivas para pessoas com deficiência no DF

Projeto leva atividades esportivas para pessoas com deficiência no DF

Inscrição é gratuita e pode ser feita pela internet

Belém adia volta presencial às aulas na rede pública de ensino

Belém adia volta presencial às aulas na rede pública de ensino

Após contaminação de professores por covid-19, retorno será gradual

Covid-19: Estados começam a enviar informações sobre vacinação ao STF

Covid-19: Estados começam a enviar informações sobre vacinação ao STF

Suprema Corte pediu detalhes sobre vacinação de menores

Mais de 500 coletores de sementes atuam na recuperação da Amazônia e do Cerrado

Mais de 500 coletores de sementes atuam na recuperação da Amazônia e do Cerrado

Rede de Sementes do Xingu já recuperou mais de 6 mil hectares de floresta na bacia do rio Xingu e Araguaia

Desejos de Ano Novo: Fora Bolsonaro, Democracia e Justiça Ambiental para todos

Desejos de Ano Novo: Fora Bolsonaro, Democracia e Justiça Ambiental para todos

Em Minas Gerais, as fortes chuvas elevam o risco do rompimento de barragens com rejeitos da mineração, a exemplo do que aconteceu nas cidades de Mariana, em 2015, e de Brumadinho, em 2019

Primeira vacinada do Brasil deseja um 2022 com 100% vacinados e sem uso de máscara

Primeira vacinada do Brasil deseja um 2022 com 100% vacinados e sem uso de máscara

Mônica Calazans, enfermeira e primeira vacinada no Brasil

Brumadinho: Três anos depois, o que mudou ?

Brumadinho: Três anos depois, o que mudou ?

Fotografia tirada após o rompimento da barragem da Vale, em Brumadinho, que matou 272 pessoas

Servidores federais fazem atos em Brasília por reajuste salarial

Servidores federais fazem atos em Brasília por reajuste salarial

Cerca de 50 categorias pedem reajustes de 20% a 28%

"A luta dos povos indígenas é uma luta válida e importante para todo o povo"

A Festa do Murici e Batiputá acontece entre os dias 12 e 15 de janeiro