×
ContextoExato

"Quem precisa de agrotóxicos, afinal?"

Palestra de Adilson Paschoal marca a reedição do seu livro "Pragas, Agrotóxicos e a Crise Ambiente"

Caroline Oliveira-brasil De Fato | São Paulo (sp) - 21/11/2019 - 11:50:39

A reedição do livro pela Expressão Popular, feita quarenta anos depois de sua publicação, em 1979, consolida a sua importância e a atualidade do tema. No dia 03 de outubro, o governo federal a liberou novos tipos de agrotóxicos, ao passo que a sociedade amplia o debate sobre a alimentação saudável.

Adilson Dias Paschoal foi pioneiro ao cunhar o termo “agrotóxico” atrelado ao pacote tecnológico da agricultura químico-industrial, tratando-os como partes inseparáveis de um processo de mecanização intensa.


Ativistas da Campanha Permanente contra os Agrotóxicos e pela Vida, participam de ato no Dia Internacional de Luta contra os Agrotóxicos / Fernando Frazão/Agência Brasil

O professor da Universidade de São Paulo (USP) realiza, no próximo sábado (23), a palestra “Quem precisa de agrotóxicos, afinal?", no lançamento da nova edição do livro Pragas, Agrotóxicos e a Crise Ambiente: problemas e soluções.O evento ocorre no Parque da Água Branca, zona oeste da capital paulista, a partir das 10 horas.


Em seu livro, Paschoal escreve que é difícil prever quando e como a agricultura convencional deixará de usar agrotóxicos. Para tanto, será preciso mudar as técnicas de cultivo.

No livro, ele é categórico: “o que se sabe é que este modelo suicida não pode durar para sempre. É só uma questão de tempo. Não podemos ignorar, entretanto, que por mais reais e convincentes que sejam esses dados de perdas causadas pelas pragas, eles não justificam o volume fantástico de agrotóxicos colocados pelo homem na biosfera”.

Edição: Julia Chequer

Comentários para ""Quem precisa de agrotóxicos, afinal?"":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório