×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 30 de junho de 2022

“Racistas estão cada vez mais à vontade” diz diretor do Observatório Racial no Futebol

“Racistas estão cada vez mais à vontade” diz diretor do Observatório Racial no FutebolFoto: Reprodução

Desde o início do ano, foram registrados 33 casos de racismo envolvendo o futebol brasileiro

Paulo Motoryn E Gabriela Moncau Brasil De Fato | São Paulo (sp) - 22/05/2022 - 11:10:52

“Racistas estão cada vez mais confortáveis para ir a um estádio de futebol e expressar sua intolerância”. O diagnóstico é de Marcelo Carvalho, diretor do Observatório Racial no Futebol, entidade que contabilizou, ao longo dos incompletos cinco meses de 2022, 33 casos de racismo envolvendo o futebol brasileiro.

Jogos fora do Brasil – das copas Libertadores da América e Sul-Americana – foram palco de cinco destes casos. O mais recente aconteceu na última terça-feira (17), na partida entre Boca Juniors e Corinthians no estádio da Bombonera, em Buenos Aires.

Antes do jogo começar, um vídeo flagrou um torcedor argentino imitando um macaco em direção à torcida corintiana. Durante a partida, mais imagens apareceram. Nesta sexta (20), a Conmebol recebeu dois ofícios do presidente do Corinthians, Duilio Monteiro Alves, e da Federação Paulista de Futebol (FPF) pedindo medidas contra o Boca Juniors.

Na Bombonera, estádio do Boca, torcedor argentino é filmado imitando um macaco em direção aos brasileiros / Reprodução

Em reação a uma série de situações similares, no início de maio a Conmebol anunciou um aumento no valor da multa para clubes cujos torcedores cometerem atos racistas. Agora o valor mínimo chega a US$ 100 mil, o equivalente a cerca de R$500 mil.

Os outros casos de racismo monitorados pelo Observatório este ano, no entanto, aconteceram em solo nacional. De acordo com Marcelo, os dados mostram uma probabilidade de 2022 quebrar o recorde de 2019, quando a entidade registrou 70 atos racistas no futebol durante todo o ano.

:: Mulheres vão apitar pela primeira vez na Copa do Catar; brasileira Neuza Back será auxiliar ::

Legislativo propõe endurecimento penal

Nesta quarta-feira (18), o Senado Federal aprovou um Projeto de Lei (PL) que equipara os crimes de injúria racial e de racismo. Juridicamente, o primeiro é quando uma ofensa é direcionada a alguém com base em elementos relacionados à raça, cor, etnia ou origem. O segundo é quando o ato atinge uma coletividade.

Na proposta que os equipara, ambos se tornam crimes inafiançáveis e imprescritíveis, com pena de dois a cinco anos de reclusão, podendo ser dobrada caso o ato seja cometido por duas ou mais pessoas.

O PL prevê, ainda, que caso os atos racistas sejam cometidos em atividades esportivas, religiosas, artísticas ou culturais, soma-se à reclusão a pena de proibição de frequentar esses locais por três anos.

O texto tem origem na Câmara e, por ter sofrido alterações no Senado, agora volta para apreciação dos deputados federais antes da sanção presidencial.

“Enxergo como medida fundamental. Mas também é preciso lembrar que a gente já tem no esporte algumas leis que, se fossem colocadas em prática, a gente já conseguiria punir os envolvidos, sejam clubes ou o agressor individual”, opina Carvalho, para quem é preciso pensar por que os modelos atuais não estão funcionando.

:: Argentina quer apelar a resolução da FIFA sobre partida com o Brasil, suspensa no ano passado ::

O que mais agrada o diretor do Observatório no PL, no entanto, é a equiparação de injúria e racismo. “O que a gente está vendo no Brasil é pessoas que gravam vídeos se dizendo racistas, com orgulho de serem racistas, ali sem vergonha nenhuma na frente de uma câmera. Mas quando são presas, chegam na delegacia e dizem que não cometeram racismo, e sim injúria racial, bem orientadas para que não sejam punidas”, diz.

“Que mais atletas negros ergam o punho”

O mais recente caso de racismo no futebol dentro do Brasil, que ganhou grande repercussão, aconteceu no último dia 14. O lateral do Corinthians, Rafael Ramos, foi acusado pelo volante do Internacional, Edenilson, de tê-lo chamado de macaco.

Ramos foi preso em flagrante no estádio do Beira-Rio e solto depois de pagar fiança, podendo responder ao processo por injúria racial em liberdade.

Mas a imagem marcante foi no jogo seguinte do Inter, contra a equipe colombiana Independiente Medellín na última terça (17), pela Copa Sul-Americana. Depois de marcar um gol, Edenilson comemorou com o punho cerrado para cima, gesto histórico dos movimentos antirracistas.

“É difícil para nós, negros, denunciarmos o racismo. Seja porque as pessoas desacreditam as denúncias, seja porque sempre nos cobram algo e a gente muitas vezes não pode dar: estão cobrando que Edenilson fique focado no futebol. Mas ele não pode ficar focado no futebol, vivendo situações racistas”, expõe Marcelo Carvalho.

“Essa manifestação dele serve de exemplo”, avalia o diretor do Observatório Racial no Futebol: “Que outros atletas negros ergam o punho e ergam a voz”.

Edição: Raquel Setz

Comentários para "“Racistas estão cada vez mais à vontade” diz diretor do Observatório Racial no Futebol":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Rafael Matos fatura ATP de Mallorca, seu 3º título de duplas este ano

Rafael Matos fatura ATP de Mallorca, seu 3º título de duplas este ano

Brasileiro e espanhol Vega Hernández estreiam quarta em Wimbledon

No futebol alemão, pessoas trans decidirão se disputam jogos masculinos ou femininos

No futebol alemão, pessoas trans decidirão se disputam jogos masculinos ou femininos

Brasil tem 4 milhões de pessoas trans e não binárias, revela estudo da Unesp, inédito no país

Coletivos esportivos LGBT+ avançam contra o preconceito com acolhimento e orgulho

Coletivos esportivos LGBT+ avançam contra o preconceito com acolhimento e orgulho

São grupos que unem a diversidade sexual e o acesso ao esporte.

Fifa e FIFPro anunciam parceria para combater discurso de ódio nas redes sociais

Fifa e FIFPro anunciam parceria para combater discurso de ódio nas redes sociais

As organizações vão desenvolver um suporte educacional e conselhos de saúde mental para todos os jogadores participantes dos torneios Fifa durante 2022 e 2023.

Medalhas de Rebeca Andrade impulsionam diferentes gerações de ginastas no Brasil

Medalhas de Rebeca Andrade impulsionam diferentes gerações de ginastas no Brasil

A avaliação é da professora Adriana Alves, coordenadora da ginástica artística feminina da Confederação Brasileira de Ginástica

Em Portugal, Brasil faz campanha histórica no Mundial de natação paralímpica

Em Portugal, Brasil faz campanha histórica no Mundial de natação paralímpica

Delegação brasileira ficou na terceira posição geral com 53 medalhas

Miami se torna sede da Copa do Mundo de 2026. Mundial acontecerá nos EUA, no Canadá e no México

Miami se torna sede da Copa do Mundo de 2026. Mundial acontecerá nos EUA, no Canadá e no México

Esta será a segunda vez que uma cidade da Flórida sediará a Copa do Mundo. A primeira foi em 1994, quando Orlando sediou várias partidas da primeira fase e alguns jogos das oitavas de final.

Tetraplégicos trocam dedos pela boca e mostram que também têm espaço nos eSports

Tetraplégicos trocam dedos pela boca e mostram que também têm espaço nos eSports

O professor Li Li Min, titular do Departamento de Neurologia da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), explica que o hábito de jogar provoca ganhos em processos de reabilitação de pessoas com tetraplegia

Conmebol condena expressões racistas da Fifa e questiona mudanças

Conmebol condena expressões racistas da Fifa e questiona mudanças

O segundo ponto de protesto na carta da Conmebol enviada à Fifa é a regulamentação das cinco modificações nos jogos sem uma consulta à entidade.

US Open vai permitir tenistas de Rússia e Belarus competindo sob bandeira neutra

US Open vai permitir tenistas de Rússia e Belarus competindo sob bandeira neutra

A postura da USTA se alinha à ATP e à WTA, que não impediram tenistas de nenhuma nacionalidade no circuito. Apenas vetaram o uso das bandeiras da Rússia e de Belarus por parte dos atletas, o mesmo que fará o US Open neste a

Caio Souza ganha três medalhas em Copa do Mundo na Croácia

Caio Souza ganha três medalhas em Copa do Mundo na Croácia

Brasileiro conquistou duas pratas e um bronze