×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 16 de outubro de 2021

Rede de pesquisadores vai monitorar segurança pública em cinco estados brasileiros

Rede de pesquisadores vai monitorar segurança pública em cinco estados brasileirosFoto: Tânia Rêgo-Agência Brasil

Silvia Ramos, do Centro de Estudos de Segurança e Cidadania da Universidade Cândido Mendes, coordenará a rede.

Por Vinícius Lisboa - Agência Brasil Rio De Janeiro - 28/05/2019 - 14:55:06

A situação da segurança pública do Rio de Janeiro, São Paulo, Ceará, Pernambuco e Bahia será monitorada, a partir de 1 de junho, pela Rede de Observatórios da Segurança. Pesquisadores de cinco estados brasileiros farão o monitoramento de dados oficiais divulgados pelos órgãos de segurança pública de cada estado e de 16 indicadores elaborados pelos pesquisadores dos núcleos de pesquisa atuantes em cada uma das regiões.

O Centro de Estudos de Segurança e Cidadania (Cesec), da Universidade Cândido Mendes, vai coordenar o trabalho, que terá como parceiros a Iniciativa Negra, da Bahia; o Laboratório de Estudos da Violência da Universidade Federal do Ceará (UFC); o Gabinete de Assessoria Jurídica às Organizações Populares de Pernambuco e o Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo (USP).

Coordenadora da rede, a pesquisadora Silvia Ramos, do Cesec, disse que a proposta com a produção de indicadores é ir além dos dados e entender os processos que os produzem.

"Vamos monitorar violência, segurança pública e criminalidade diariamente, e focalizando em temas novos, como crianças e adolescentes, população LGBT, violência contra a mulher, linchamentos, chacinas. Que fenômenos são esses? Por que estão acontecendo?", exemplifica ela. "Queremos analisar não só os números, mas também entender dinâmicas. E o observatório é uma forma de fazer isso apoiado em redes locais", explicou.

Indicadores

Os 16 indicadores que serão produzidos na rede vão avaliar a situação dos cinco estados em relação a feminicídio e violência contra mulher; racismo e injúria racial; violência contra a população LGBTQ+; intolerância religiosa; violência contra crianças e adolescentes; linchamentos; violência armada; ações e ataques de grupos criminais; manifestação, greve e protesto; violências, abusos e excessos por parte de agentes do Estado; policiamento; violência contra agentes do Estado; corrupção policial; chacinas; sistema penitenciário e sistema socioeducativo.

Para ir além dos dados oficiais disponibilizados, os pesquisadores pretendem recorrer a organizações da sociedade civil e à imprensa, além da Lei de Acesso à Informação.

Coordenador do Laboratório de Estudos da Violência (LAV/UFC), César Barreira disse que pesquisadores da área de segurança pública sofrem com a falta de disponibilidade de dados. Segundo ele, boletins de ocorrência são documentos que poderiam fornecer uma série de informações importantes para pesquisas.

"Essa rede vai fortalecer [ações na érea de segurança] no sentido de termos mais dados para as análises de políticas públicas, e também para a gente poder ter uma metodologia mais comum no Brasil", acrescentou.

A formação da rede contou com o apoio das fundações Ford e Open Society, além de organizações da sociedade civil e militantes de periferias.

Coordenador da Iniciativa Negra, Dudu Ribeiro acredita que a contribuição de parcelas vulnerabilizadas da sociedade vai possibilitar uma abordagem mais completa sobre os temas. "Não é só fazer o recolhimento e tratamento dos dados, mas conseguir trazer outras contribuições, possibilidades e visões, que muitas vezes faltam à academia. Não apenas porque faltava à academia essa percepção, mas porque faltava a gente na academia".

Edição: Fernando Fraga


Comentários para "Rede de pesquisadores vai monitorar segurança pública em cinco estados brasileiros":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Final de semana com muitas opções culturais no DF

Final de semana com muitas opções culturais no DF

Exposições, espetáculos teatrais e musicais estão entre as atrações para este sábado e domingo

Concurso vai escolher melhores trabalhos de artesanato

Concurso vai escolher melhores trabalhos de artesanato

Inscrições podem ser feitas até o dia 24 de outubro; premiados serão selecionados por votação popular

Redobre os cuidados ao dirigir no período das chuvas

Redobre os cuidados ao dirigir no período das chuvas

Temporada chuvosa requer atenção ampliada no trânsito |

Dia da Padroeira do Brasil é comemorado com missas em Brasília

Dia da Padroeira do Brasil é comemorado com missas em Brasília

Os atos religiosos serão celebrados no Distrito Federal

Brasília inaugura sistema de bicicletas compartilhadas

Brasília inaugura sistema de bicicletas compartilhadas

Lançamento ocorreu na Estação 18, na entrada do Parque da Cidade

Diversão ao ar livre e em espaços turísticos do DF

Diversão ao ar livre e em espaços turísticos do DF

Público infantil poderá contar com diversidade de opções neste feriado, respeitando as medidas de prevenção à covid-19

Segurança reforçada para os jogos universitários no Distrito Federal

Segurança reforçada para os jogos universitários no Distrito Federal

A PMDF atuará por meio de policiamento ostensivo em todas as regiões, mas poderá acionar unidades especializadas, caso necessário

O que abre e fecha no feriado de 12 de outubro no DF

O que abre e fecha no feriado de 12 de outubro no DF

Zoológico funcionará normalmente, com restrição de público de 2,5 mil pessoas devido à pandemia da covid-19

Aproveite as feiras rurais no DF neste mês de outubro

Aproveite as feiras rurais no DF neste mês de outubro

Nas feiras é possível adquirir o alimento direto do produtor com qualidade, variedade e melhor preço

Festivais e exposições são destaques deste final de semana no DF

Festivais e exposições são destaques deste final de semana no DF

Exposição fica aberta até domingo, 10

Zaragoza chega ao Parque de Esculturas do Museu de Arte de Brasília

Zaragoza chega ao Parque de Esculturas do Museu de Arte de Brasília

As obras do artista e publicitário catalão são parte do lote de 58 peças doado pelo artista, em 2017, ao Museu Nacional da República