×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 19 de outubro de 2021

Regulação da maconha. ‘Cannabis’: como proteger marcas no Brasil

Regulação da maconha. ‘Cannabis’: como proteger marcas no BrasilFoto: Divulgação

A maconha medicinal já é uma realidade no Brasil: mais de 78 mil unidades de produtos à base da planta foram importadas pelo país desde que a Anvisa autorizou o uso terapêutico de canabidiol em janeiro de 2015.

Por Paulo Parente Marques Mendes E Fernanda Mósca-estadão Conteúdo - 15/06/2019 - 08:13:44

Assunto cada vez mais em pauta no Brasil, a regulação da maconha vem caminhando rumo à uma conclusão. Nos próximos dias será decidido se haverá uma consulta pública sobre o tema.

Não se pode ignorar a pressão de muitas empresas que pretendem expandir seus produtos e serviços relacionados à cannabis para o Brasil. Com isso, cresce também a procura pela proteção das suas marcas no país.

A proteção da marca deve ser uma prioridade para as empresas novas e existentes. Mas o que acontece quando o produto que está buscando proteção tem sua venda proibida no país?

Cada vez mais países legalizam a maconha recreativa e medicinal, e parece que a aprovação nacional de maconha e vendas de produtos derivados da cannabis é inevitável também no Brasil, ao menos para uso medicinal.

A maconha medicinal já é uma realidade no Brasil: mais de 78 mil unidades de produtos à base da planta foram importadas pelo país desde que a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) autorizou o uso terapêutico de canabidiol em janeiro de 2015 (1) .

No entanto, por enquanto, as empresas que comercializam produtos relacionados à maconha enfrentam desafios ao tentar proteger suas marcas registradas.

No momento, registros de marcas acompanhadas da palavra MACONHA ou que identificam este produto não estão sendo aprovados pelo INPI – Instituto Nacional da Propriedade Industrial. Seu indeferimento tem por base o artigo 124, inciso III, da Lei da Propriedade Industrial, por ser considerado contrário à moral e aos bons costumes.

Então, produtos oriundos da cannabis são incapazes de serem assinalados e protegidas por marcas registradas no Brasil? Se partirmos do pressuposto que moral e bons costumes devem são definições que dependem do momento que passa a sociedade e, portanto, conceitos temporais, o nosso sistema de propriedade industrial deverá, em breve, evoluir e conceder registros marcários para empresas desse setor.

Nesse passo, apesar das dificuldades ainda encontradas para a proteção da marca no Brasil, é importante entender o crescimento deste setor e a necessidade de resguardar também seus direitos sob a ótica da Propriedade Intelectual.

(1) https://www.bbc.com/portuguese/geral-44283537

* Paulo Parente Marques Mendes é advogado e sócio do escritório Di Blasi, Parente & Associados; Fernanda Mósca Tavares Dias é advogada e integrante do escritório Di Blasi, Parente & Associados

Comentários para "Regulação da maconha. ‘Cannabis’: como proteger marcas no Brasil":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Desembargadores negam pedido para instalar CPI da Pandemia no DF

Desembargadores negam pedido para instalar CPI da Pandemia no DF

Deputados distritais fazem manifestação pela instalação da CPI da Pandemia no DF

Pesquisa revela que turistas preferem viajar de carro

Pesquisa revela que turistas preferem viajar de carro

Segundo Bruno Mantovani, empresário e dono de uma empresa de turismo receptivo, a preferência pelo interior se dá pelo motivo dos turistas buscarem experiências ligadas ao bem-estar e contato com a natureza.

Movimentos se reúnem em ato para defender permanência do projeto Jovem de Expressão

Movimentos se reúnem em ato para defender permanência do projeto Jovem de Expressão

Em defesa do espaço cultural, foi aprovada uma vigília cultural de 24 horas para a próxima sexta-feira (22)

Oficinas para revisão do PDOT têm participação popular limitada

Oficinas para revisão do PDOT têm participação popular limitada

São Sebastião e Sobradinho debatem neste sábado o Plano de Ordenamento Territorial

Lei que prevê a distribuição de absorventes higiênicos no DF está só no papel

Lei que prevê a distribuição de absorventes higiênicos no DF está só no papel

Dignidade menstrual é permitir que as meninas mais pobres também possam ter o mesmo acesso ao absorvente higiênico que as meninas da classe média e alta

Criança no carro? Cuidado redobrado!

Criança no carro? Cuidado redobrado!

Regras do Código de Trânsito Brasileiro, fiscalização e conscientização derrubam índice de letalidade no transporte de crianças com até 10 anos no DF

Vetada por Bolsonaro, distribuição de absorventes é adotada por 13 estados e DF

Vetada por Bolsonaro, distribuição de absorventes é adotada por 13 estados e DF

Ato simbólico de entrega no Centro Educa Mais Dorilene Silva Castro

Distrito da Fome: Inflação e pobreza ameaçam soberania alimentar de famílias brasilienses

Distrito da Fome: Inflação e pobreza ameaçam soberania alimentar de famílias brasilienses

Já são mais de 116 milhões de pessoas em situação insegurança alimentar.

MST lança loja online de alimentos agroecológicos e orgânicos no DF

MST lança loja online de alimentos agroecológicos e orgânicos no DF

Vendas online serão abertas oficialmente neste sábado, 16

Documentação Urbanística amplia acesso ao público

Documentação Urbanística amplia acesso ao público

Sistema oferece diversas informações aos usuários

GDF ameaça continuidade do projeto “Jovem de Expressão” na Ceilândia

GDF ameaça continuidade do projeto “Jovem de Expressão” na Ceilândia

Local utilizado pelo projeto tem 116 metros e é um antigo posto policial abandonado