×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 26 de outubro de 2021

Relatores da ONU dizem que chegou a hora de fechar a prisão de Guantánamo

Relatores da ONU dizem que chegou a hora de fechar a prisão de GuantánamoFoto: Foto: ONU/ Jean-Marc Ferré

Em comunicado conjunto, nove especialistas em direitos humanos pediram ao próximo governo dos Estados Unidos que acabe com o presídio e disse que os detidos no local correm risco de morte devido à deterioração da saúde e as condições desumanas de detenção

Onu News - 12/01/2021 - 14:20:49

Um grupo de relatores de direitos humanos* pediu o fim da prisão de Guantánamo. Num comunicado, os relatores dizem que os detidos, que permanecem no local, correm risco de morte por terem sua saúde deteriorada.

Os especialistas afirmam que os detentos sofrem efeitos de idade avançada e prejuízos à saúde física e mental no local, que de acordo com o comunicado abriga “condições desumanas e cruéis” de encarceramento.

Ataques de 11 de setembro

Para o grupo, a prisão de Guantánamo é um lugar de “arbitrariedade e abuso, onde os maus tratos e a tortura predominaram e se tornaram institucionalizados, onde o Estado de direito foi efetivamente suspenso e a justiça negada”.

Os relatores emitiram o apelo para marcar o 19º aniversário da prisão em 11 de janeiro de 2002. O local serviu para prender acusados de terrorismo após os atentados de 11 de setembro de 2001, nos Estados Unidos.

Com a pandemia da Covid-19, a situação da saúde dos presos especialmente a dos mais velhos piorou.

Os especialistas da ONU dizem que a existência da prisão de Guantánamo é uma “desgraça para os Estados Unidos e a comunidade internacional como um todo”. Para eles, o local deveria ter sido fechado há muitos anos.

Relatores da ONU têm insistido em pedir o fim das Comissões Militares e o fechamento de Guantánamo afirmando que a prisão não é compatível com as obrigações dos Estados Unidos sob o direito internacional

Limbo

Em 2003, a prisão tinha 700 detentos. Hoje, 19 anos depois, pelo menos 40 presos continuam em Guantánamo, mas apenas nove foram indiciados ou condenados por crimes.

Os relatores da ONU têm insistido em pedir o fim das Comissões Militares e o fechamento de Guantánamo afirmando que a prisão não é compatível com as obrigações dos Estados Unidos sob o direito internacional. Eles lembram que os detentos estão num limbo.

As Comissões Militares continuam realizando os procedimentos preliminares aos julgamentos sobre moções, que segundo os relatores, estão suprimindo evidências de tortura.

Esses trâmites jurídicos podem durar vários anos e não existe nenhum julgamento sendo esperado para o futuro próximo.

Imparcialidade

Para os relatores as Comissões violam os requisitos de imparcialidade, independência e não-discriminação quando os presos deveriam ter direito a uma audiência pública e justa por um tribunal competente.

Os especialistas pediram às autoridades americanas que processem os acusados em pleno acordo com a lei de direitos humanos ou que libertem e repatriem os detentos imediatamente.

Segundo ele, com a iminência de um novo governo nos Estados Unidos e a proximidade do aniversário de 20 anos dos ataques terroristas ao país, em 11 de setembro, chegou a hora de Guantánamo “ser fechada para sempre”.

*Os relatores de direitos humanos são independentes das Nações Unidas e não recebem salário pelo seu trabalho.

Comentários para "Relatores da ONU dizem que chegou a hora de fechar a prisão de Guantánamo":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Combate à intolerância religiosa reforça liberdade de crenças

Combate à intolerância religiosa reforça liberdade de crenças

Dia distrital de luta será marcado pela realização do 4º Diálogos com o Comitê Distrital da Diversidade Religiosa, vinculado à Sejus

Campanha

Campanha "Natal Sem Fome" começou em todo o país

Cada R$1 doado para a campanha

Comissão Interamericana de DH se reúne e ouve denúncia de ataque a povos originários no Brasil

Comissão Interamericana de DH se reúne e ouve denúncia de ataque a povos originários no Brasil

Com a pandemia, a reunião da Comissão foi realizada em ambiente virtual

Roçado Solidário do MST une campo e cidade contra a fome na Região Metropolitana do Recife

Roçado Solidário do MST une campo e cidade contra a fome na Região Metropolitana do Recife

Iniciativa convida voluntários para conhecer como é a produção de alimentos em assentamentos da Reforma Agrária

MST vence prêmio internacional por atuação na garantia de condições dignas para a população

MST vence prêmio internacional por atuação na garantia de condições dignas para a população

Cerimônia de premiação, organizada pela OIT, será realizada virtualmente na próxima sexta-feira (22)

Dia Internacional pela Erradicação da Pobreza ressalta que é preciso fazer ajustes

Dia Internacional pela Erradicação da Pobreza ressalta que é preciso fazer ajustes

ONU pede maior inclusão das vozes das pessoas que vivem na pobreza

No grupo de risco, pessoas com HIV têm menos acesso a vacinas contra Covid-19

No grupo de risco, pessoas com HIV têm menos acesso a vacinas contra Covid-19

Iniciativa quer arrecadar até US$ 5 milhões para o período entre 2021 e 2022

Agressões contra crianças e adolescentes no Brasil chegam a quase 120 mil

Agressões contra crianças e adolescentes no Brasil chegam a quase 120 mil

Em 2020, foram registradas mais de 150 mil denúncias

Desigualdade cresce mais no Brasil do que em outros países, aponta FGV

Desigualdade cresce mais no Brasil do que em outros países, aponta FGV

'Meu filho esqueceu as letras'

Acesso ao meio ambiente saudável é declarado um direito humano

Acesso ao meio ambiente saudável é declarado um direito humano

Árvores são plantadas na República Democrática do Congo para ajudar a combater a mudança climática.

1,3 bilhão de pessoas vivem na pobreza; grupos étnicos e mulheres são os mais afetados

1,3 bilhão de pessoas vivem na pobreza; grupos étnicos e mulheres são os mais afetados

Cerca de metade das pessoas em situação de pobreza são menores de 18 anos