×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 26 de outubro de 2021

Relatores querem ação imediata para proteger direitos humanos no Afeganistão e evitar “matança de civis”

Relatores querem ação imediata para proteger direitos humanos no Afeganistão e evitar “matança de civis”Foto: Unicef Afeganistão

Cerca de 25% de 1 milhão de afegãos forçados a fugir desde maio são mulheres e crianças

Portal Onu News De Noticias - 17/08/2021 - 06:34:18

Comunicado firmado por 26 especialistas revela preocupação com Estado de direito, igualdade de gênero, avanços na educação, na saúde e infraestrutura sociocultural após Talebã ter tomado o poder no domingo, no país.

Um grupo de relatores de direitos humanos* emitiu um comunicado conjunto pedindo à comunidade internacional que tome medidas imediatas para proteger os civis no Afeganistão.

O texto, firmado por 26 especialistas, revela que com a chegada do movimento Talebã ao poder, após terem entrado em Cabul no domingo, poderá haver uma “matança civil” no país e atrasos em direitos conquistados nos últimos 20 anos.

Mãe e filho, que sofreram queimaduras graves quando tiveram a casa atacada, procuram refúgio no campo Haji para deslocados internos em Kandahar, no Afeganistão

© Unicef Afeganistão

Mãe e filho, que sofreram queimaduras graves quando tiveram a casa atacada, procuram refúgio no campo Haji para deslocados internos em Kandahar, no Afeganistão

Estilo

Os especialistas citam áreas como Estado de direito, igualdade de gênero e avanços na educação, na cultura e em áreas sociais.

Uma outra preocupação são os defensores de direitos humanos, mulheres e organizações civis que já estão sob “grave ameaça” com o retorno dos talebãs, que são contra a educação de meninas e mulheres e outras manifestações associadas por eles a um estilo “ocidentalizado” de vida.

O comunicado cita a declaração da alta comissária para Direitos Humanos da ONU, Michelle Bachelet, de que antes da tomada de Cabul, o grupo Talebã já estava realizando assassinatos de civis, alvejando jornalistas e matando ativistas e civis com execuções em massa.

Há relatos de que apesar das garantias de que mulheres e meninas poderiam continuar estudando, muitas alunas que chegaram à escola e universidades foram instruídas a voltar para a casa por elementos que se identificaram como talebãs.

Crianças que vivem no campo de deslocados de Haji, em Kandahar, no Afeganistão, não têm mais acesso à escola

© Unicef Afeganistão

Crianças que vivem no campo de deslocados de Haji, em Kandahar, no Afeganistão, não têm mais acesso à escola

Diálogo

Para os relatores, é inaceitável que um movimento, listado pelo Conselho de Segurança da ONU como uma organização terrorista, tome o território do Afeganistão e pratique atos que podem representar crimes de guerra e contra a humanidade.

Os relatores reconhecem a responsabilidade de países que se envolveram no processo de paz com o Talebã, dizendo que a maioria dos compromissos firmados no contexto de diálogo entre os afegãos, foi quebrada com impunidade. O acordo previa que nenhuma ofensiva militar ocorresse.

O grupo listou uma série de violações incluindo ataques a jornalistas e a meios de comunicação, violência a meninas e mulheres, que continuam experimentando abusos em 16 províncias do país incluindo o uso forçado da burka, a vestimenta que cobre todo o corpo da mulher.

Famílias no Afeganistão fugiram de suas casas devido ao conflito e agora vivem em campos de deslocados internos em Kandahar

© Unicef Afeganistão

Famílias no Afeganistão fugiram de suas casas devido ao conflito e agora vivem em campos de deslocados internos em Kandahar

Casamentos forçados

Outros atos são casamentos forçados e proibição de trabalhar, e acesso restrito a serviços médicos para as mulheres.

Cerca de 25% de 1 milhão de afegãos forçados a fugir desde maio são mulheres e crianças.

Para os relatores de direitos humanos, o Conselho de Segurança deve tomar uma ação com base no Capítulo 7 da Carta da ONU que salvaguarda os direitos humanos dos afegãos, e prevê o uso da força.

O grupo também defende a imposição de sanções e pede aos países vizinhos mantenham suas fronteiras abertas.

Cabul, capital do Afeganistão

Foto: ADB/Jawad Jalali

Cabul, capital do Afeganistão

Carta da ONU

Os especialistas querem que o Conselho de Direitos Humanos realize uma sessão de emergência para tratar do tema e crie uma missão de apuração dos fatos para investigar qualquer violação de direitos humanos no Afeganistão.

Eles concluíram o comunicado dizendo que não podem ficar inertes enquanto vidas no Afeganistão estão sendo tratadas com desdém.
Para o grupo, a situação no país é um teste para a efetividade da Carta da ONU.

* Os relatores de direitos humanos são independentes das Nações Unidas e não recebem pagamento pelo seu salário .

Comentários para "Relatores querem ação imediata para proteger direitos humanos no Afeganistão e evitar “matança de civis”":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Projeto de Lei sobre pobreza menstrual deve voltar a ser debatido no Congresso

Projeto de Lei sobre pobreza menstrual deve voltar a ser debatido no Congresso

Segundo a Unicef, mais de 4 milhões delas não têm acesso a itens mínimos de cuidados menstruais nas instituições escolares

Combate à intolerância religiosa reforça liberdade de crenças

Combate à intolerância religiosa reforça liberdade de crenças

Dia distrital de luta será marcado pela realização do 4º Diálogos com o Comitê Distrital da Diversidade Religiosa, vinculado à Sejus

Campanha

Campanha "Natal Sem Fome" começou em todo o país

Cada R$1 doado para a campanha

Comissão Interamericana de DH se reúne e ouve denúncia de ataque a povos originários no Brasil

Comissão Interamericana de DH se reúne e ouve denúncia de ataque a povos originários no Brasil

Com a pandemia, a reunião da Comissão foi realizada em ambiente virtual

Roçado Solidário do MST une campo e cidade contra a fome na Região Metropolitana do Recife

Roçado Solidário do MST une campo e cidade contra a fome na Região Metropolitana do Recife

Iniciativa convida voluntários para conhecer como é a produção de alimentos em assentamentos da Reforma Agrária

MST vence prêmio internacional por atuação na garantia de condições dignas para a população

MST vence prêmio internacional por atuação na garantia de condições dignas para a população

Cerimônia de premiação, organizada pela OIT, será realizada virtualmente na próxima sexta-feira (22)

Dia Internacional pela Erradicação da Pobreza ressalta que é preciso fazer ajustes

Dia Internacional pela Erradicação da Pobreza ressalta que é preciso fazer ajustes

ONU pede maior inclusão das vozes das pessoas que vivem na pobreza

No grupo de risco, pessoas com HIV têm menos acesso a vacinas contra Covid-19

No grupo de risco, pessoas com HIV têm menos acesso a vacinas contra Covid-19

Iniciativa quer arrecadar até US$ 5 milhões para o período entre 2021 e 2022

Agressões contra crianças e adolescentes no Brasil chegam a quase 120 mil

Agressões contra crianças e adolescentes no Brasil chegam a quase 120 mil

Em 2020, foram registradas mais de 150 mil denúncias

Desigualdade cresce mais no Brasil do que em outros países, aponta FGV

Desigualdade cresce mais no Brasil do que em outros países, aponta FGV

'Meu filho esqueceu as letras'

Acesso ao meio ambiente saudável é declarado um direito humano

Acesso ao meio ambiente saudável é declarado um direito humano

Árvores são plantadas na República Democrática do Congo para ajudar a combater a mudança climática.