×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 09 de agosto de 2022

Rendimentos e desemprego em Brasília

Rendimentos e desemprego em Brasília

Foto: Correio Braziliense

A redução salarial, as diferenças raça/cor e homens/mulheres, bem como o aumento do número de desempregados levam a perguntar: estamos diante de um quadro estrutural?

Por Aldo Paviani-correio Braziliense - 03/06/2019 - 09:07:34

Pesquisas realizadas no Distrito Federal, como a de emprego/desemprego, mostram o aumento do número de jovens que ingressam no mercado de trabalho sem que surjam atividades para abrigar esses novos trabalhadores. Essa constatação se deve à crise econômica que é mais acentuada nos países situados abaixo do Equador. Acima dessa linha, algumas economias desenvolvidas superam os tropeços e avançam com o uso de tecnologias inovadoras para a evolução de suas economias.


Voltando à temática do título, como estará o trabalho e os respectivos ganhos salariais na capital federal? Comparando os valores de 2018 com os de 2017, notam-se pequenas alterações: o setor privado revela ganhos de R$ 2.012, com incremento, em relação a 2017, em que os valores eram de R$ 1.996. Quanto ao setor público, houve redução de R$ 8.160, em 2018, comparativamente a 2017, quando os valores eram de R$ 8.459. No que diz respeito aos empregadores, os rendimentos médios elevaram-se de R$ 7.198, em 2017, para R$ 7.205, em 2018. Todavia, o que é digno de nota é a discrepância entre o setor público e empregadores em relação ao setor privado, com diferencial de quase quatro vezes a favor dos dois primeiros setores. Já os rendimentos dos autônomos e dos empregados domésticos se mantêm ao redor de R$ 1.891 e R$ 1.182, respectivamente, alterando-se minimamente, em cotejo com 2017, indicando estabilidade.


A condição de desemprego, comparando 2017 e 2018, mostra pequeno aumento de ocupados: eram, respectivamente, 1,319 mil e 1,346 mil pessoas, rebatendo-se na redução do número de desempregados: 315 mil em 2017 e 307 mil, em 2018. A comparação revela, não sem surpresa, a queda da taxa de desemprego que era ascendente nos últimos anos. A PED não revela as principais causas da redução do número de desempregados nos anos indicados. Uma pista encontra-se nos dados de desemprego por características pessoais e experiência de trabalho das pessoas. De forma positiva, se nota que, em relação ao sexo, houve decréscimo dos homens sem emprego: de 17,6%, em 2017, para 16,8%, em 2018. Embora com taxa um pouco mais elevada, as mulheres também apresentaram redução de 21,1% para 20,4% nos anos indicados. Se é vista como positiva a queda das taxas, no caso das mulheres, há um indicador que revela ser o desemprego menor entre os homens em relação às mulheres. Nesse aspecto, não há paridade/isonomia.


No caso da raça/cor, em 2018, os negros apresentaram taxa de 21,4%, enquanto, nos não negros, a taxa se reduz para 15,4% no mesmo ano. Em 2017, a discrepância se mantém, o que é avaliado como preconceito do tratamento dos negros, que apresentam taxas mais elevadas do que a média encontrada no DF em relação aos não negros. No tocante às mulheres, o desemprego pode surgir por diversos fatores, inclusive o da maternidade. Com referências aos negros, além da discriminação, as oportunidades não se apresentam por não terem, talvez, escolaridade completa, pois, no Brasil e no DF, negros e pobres possuem menor chance de frequentar todos os patamares educacionais, como revelam outras pesquisas da Codeplan/DF.


A julgar pela última Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED/DF), de fevereiro de 2019, é urgente avaliar os rumos da atividade econômica, pois a taxa de desemprego de fevereiro elevou-se de 18,3%, em janeiro, para 18,7%. Em termos absolutos, de 308 mil para 314 mil desempregados. Além desses números, quais as outras características que a PED/DF nos mostra? Estimativas de março indicam que o desemprego atingiu 326 mil pessoas ou 19,5% da População Economicamente Ativa (PEA), a mais elevada dos últimos anos. Mais: como estão os rendimentos dos trabalhadores?

As estatísticas da PED de 2019 (Dieese, Codeplan/Setrab) indicam que mudanças ocorreram neste ano, de janeiro para fevereiro. Em primeiro lugar, o desemprego aumentou em 13 mil pessoas. Todavia, como estão os rendimentos no início do ano? Houve queda na média salarial dos ocupados: de R$ 3.438, em janeiro de 2018 para R$ 3.323 em janeiro de 2019. O setor privado teve ganhos pequenos, algo ao redor de R$ 28. O setor público seguiu a mesma tendência de queda de R$ 8.213, em janeiro de 2018, para R$ 7.985,00 em janeiro de 2019. Será importante aprofundar as pesquisas, pois a desigualdade socioespacial do DF se evidencia na distribuição das oportunidades de trabalho. A redução salarial, as diferenças raça/cor e homens/mulheres, bem como o aumento do número de desempregados levam a perguntar: estamos diante de um quadro estrutural?

ALDO PAVIANI
Geógrafo, professor emérito da UnB e membro do
Neur e do Núcleo do Futuro/Ceam/UnB

Comentários para "Rendimentos e desemprego em Brasília":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Últimas Notícias
Quais são os principais riscos da automedicação?

Quais são os principais riscos da automedicação?

São Paulo e Portugal sediam concurso internacional de azeites extravirgens

São Paulo e Portugal sediam concurso internacional de azeites extravirgens

Mulheres ganham 24% menos no setor da saúde

Mulheres ganham 24% menos no setor da saúde

Inscrições abertas para a Semana Universitária de 2022

Inscrições abertas para a Semana Universitária de 2022

MPDFT vistoria administrações para verificar cumprimento de decisão judicial

MPDFT vistoria administrações para verificar cumprimento de decisão judicial

Operação Res Capta: MPF denuncia 27 pessoas por corrupção, associação criminosa e crimes ambientais

Operação Res Capta: MPF denuncia 27 pessoas por corrupção, associação criminosa e crimes ambientais

Ministro suspende novo decreto que reduziu IPI de produtos que concorrem com os produzidos na ZFM

Ministro suspende novo decreto que reduziu IPI de produtos que concorrem com os produzidos na ZFM

“O TSE não está só, porque a sociedade não tolera o negacionismo eleitoral”, afirma Fachin

“O TSE não está só, porque a sociedade não tolera o negacionismo eleitoral”, afirma Fachin

Estudo mostra alta da pobreza em regiões metropolitanas

Estudo mostra alta da pobreza em regiões metropolitanas

60 anos da psicologia é marcada por manifestações em defesa da democracia

60 anos da psicologia é marcada por manifestações em defesa da democracia

Roubo de celular vira ‘porta de entrada’ para invasão a contas e cartões

Roubo de celular vira ‘porta de entrada’ para invasão a contas e cartões

Por que as eleições deste ano podem ser as mais atípicas já vistas no Brasil?

Por que as eleições deste ano podem ser as mais atípicas já vistas no Brasil?

“É mito que o álcool faz bem para a saúde”, diz médica da Opas

“É mito que o álcool faz bem para a saúde”, diz médica da Opas

TSE e Kwai estreiam Central das Eleições

TSE e Kwai estreiam Central das Eleições

Preso sob acusação de matar Marielle é condenado por tráfico de armas

Preso sob acusação de matar Marielle é condenado por tráfico de armas

UnB divulga nota à comunidade sobre a doença Monkeypox

UnB divulga nota à comunidade sobre a doença Monkeypox

Internautas cobram cassação do registro de Damares por fake news contra Lula

Internautas cobram cassação do registro de Damares por fake news contra Lula

Prazos processuais judiciais voltam a fluir no TJDFT

Prazos processuais judiciais voltam a fluir no TJDFT

MPDFT apresenta resultados da aplicação de medidas alternativas em 2021

MPDFT apresenta resultados da aplicação de medidas alternativas em 2021

Golpes bancários disparam e devem gerar prejuízos de R$ 2,5 bilhões neste ano

Golpes bancários disparam e devem gerar prejuízos de R$ 2,5 bilhões neste ano

Ministério da Saúde lança Campanha Nacional de Vacinação

Ministério da Saúde lança Campanha Nacional de Vacinação