×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 12 de agosto de 2022

Sem a reforma, os primeiros a quebrar serão estados e municípios

Sem a reforma, os primeiros a quebrar serão estados e municípios

Foto: Por Rafaela Felicciano-Metrópoles

O exemplo do Rio de Janeiro vai se espalhar Brasil afora se servidores estaduais e municipais forem retirados da vinculação das regras de aposentadoria proposta aos servidores da União

Por Luana Tavares-metrópoles - 23/05/2019 - 07:25:58

A situação caótica das finanças públicas dos estados brasileiros vai se agravar se eles não forem incluídos nas regras da Nova Previdência. Em outras palavras, eles vão quebrar. O Governo do Rio de Janeiro deixou de arrecadar, em 2017, mais de R$ 80 bilhões. Esse valor teria entrado nos cofres públicos caso todas as dívidas com o Estado fossem pagas, segundo a conclusão da primeira reunião da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), realizada no início de março.

O exemplo do Rio de Janeiro vai se espalhar Brasil afora se servidores estaduais e municipais forem retirados da vinculação das regras de aposentadoria proposta aos servidores da União. Ainda que exista divergência de interesse dos governadores e deputados é fundamental que a Nova Previdência se aplique às administrações estaduais. Caso contrário, elas deixariam de recuperar R$ 329,4 bilhões em uma década, segundo o último estudo da equipe econômica do Governo Federal.

À frente da articulação, o governador do Piauí, Wellington Dias (PT), tem ido frequentemente a Brasília para encontros com outros governadores, a equipe econômica do governo de Jair Bolsonaro (PSL) e os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-AP) e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). Independentemente da postura de seus colegas partidários, que refutam a urgência de reformar a Previdência, Wellington Dias sabe que essa é a solução mais viável para resolver o rombo bilionário nas contas dos estados.

Sem ajustes na Previdência a situação dos estados é insustentável. Os rombos dos Estados com o pagamento dos servidores públicos e aposentados cresceram R$ 25,4 bilhões e chegaram a R$ 402,93 bilhões em 2017, de acordo com o relatório anual do Tesouro Nacional. O crescimento foi de 6,7% e, boa parte da piora das contas públicas, continua sendo o custo dos tesouros Estaduais com a Previdência dos seus servidores, que atingiu R$ 93,98 bilhões no ano passado. Um salto de 14% no rombo previdenciário.

O exemplo do Rio de Janeiro vai se espalhar Brasil afora se servidores estaduais e municipais forem retirados da vinculação das regras de aposentadoria proposta aos servidores da União "

Luana Tavares, diretora executiva do CLP

Em média, os estados gastam 74% com folha de pagamento e todas as despesas relacionadas a pessoal. Pelos dados do Tesouro, 14 Estados estouram o limite de comprometimento desses gastos previsto na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). Em primeiro lugar está Minas Gerais. Do total das receitas de Minas, 67% são comprometidos para pagar os salários e aposentadorias dos seus servidores.

Levando em consideração a União e os entes federados, as despesas com pessoal cresceram 17% em termos reais ao longo dos últimos cinco anos, muito acima das receitas, cujo crescimento se limitou a pouco mais de 4% no mesmo período, segundo o estudo “A reforma do RH do Governo Federal”, dos economistas Ana Carla Abrahão, Armínio Fraga e Carlos Ari Sundfeld.

No recorte municipal o diagnóstico também é preocupante. Atualmente, um terço das cidades brasileiras já tem mais aposentados do INSS que trabalhadores com carteira assinada, que contribuem para o Regime Geral da Previdência Social. Isso representa 1.874 cidades, 33% dos 5.570 municípios do país, segundo levantamento da Confederação Nacional do Comércio (CNC). Este cenário mostra o quanto é importante para as contas estaduais que a reforma previdenciária no âmbito federal tenha efeitos para o regime próprio dos servidores públicos dos governos regionais.

Os nuances dessa trajetória são consequência tanto do aumento no número de servidores e empregados públicos, como de aumentos salariais acima da inflação. Com um sistema atual de aposentadorias que caminha para se tornar insustentável —rombo de R$ 290,2 bilhões no ano passado —, estes municípios seriam os mais atingidos caso não seja feita uma reforma. Ou seja, tanto na esfera estadual como na regional o diagnóstico é um só: fazer a reforma ou quebrar.

*Luana Tavares, diretora executiva do CLP – Liderança Pública é pós-graduada em Administração de Empresas pela FGV com especialização Gestão Pública e Desenvolvimento de Lideranças, ambas pela Harvard Kennedy School.


Comentários para "Sem a reforma, os primeiros a quebrar serão estados e municípios":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Últimas Notícias
Bolsonaro nomeia 17 desembargadores federais para composição do TRF6

Bolsonaro nomeia 17 desembargadores federais para composição do TRF6

Mantida decisão que afastou improbidade na compra de ingressos pela Terracap

Mantida decisão que afastou improbidade na compra de ingressos pela Terracap

Análise de dados indica limites de trabalho para prevenir burnout

Análise de dados indica limites de trabalho para prevenir burnout

Tribunal abre processo seletivo para estágio de níveis médio e superior

Tribunal abre processo seletivo para estágio de níveis médio e superior

ABI abre inscrições para concurso de 10 microbolsas de R$ 3 mil para jornalistas e pesquisadores

ABI abre inscrições para concurso de 10 microbolsas de R$ 3 mil para jornalistas e pesquisadores

Indústria se une contra decisão de Moraes que suspende corte no IPI

Indústria se une contra decisão de Moraes que suspende corte no IPI

Quase 34 milhões de pessoas não têm acesso à internet no Brasil, diz pesquisa

Quase 34 milhões de pessoas não têm acesso à internet no Brasil, diz pesquisa

Quase metade dos brasileiros fazem bico para completar renda

Quase metade dos brasileiros fazem bico para completar renda

Alta de alimentos é mais que o dobro da inflação em 2022

Alta de alimentos é mais que o dobro da inflação em 2022

STJ reabre investigação sobre a Chacina do Parque Bristol

STJ reabre investigação sobre a Chacina do Parque Bristol

A 1ª fábrica de hidrogênio verde do Brasil em escala industrial está chegando

A 1ª fábrica de hidrogênio verde do Brasil em escala industrial está chegando

Busca do FBI na casa de Trump foi baseada em denúncia, diz jornal

Busca do FBI na casa de Trump foi baseada em denúncia, diz jornal

Incêndios florestais se espalham e peixes morrem em meio a seca na Europa

Incêndios florestais se espalham e peixes morrem em meio a seca na Europa

Defesa da democracia na USP expõe a diversidade e novos atores sociais

Defesa da democracia na USP expõe a diversidade e novos atores sociais

Artistas fazem festa para os 80 anos de Milton Nascimeto

Artistas fazem festa para os 80 anos de Milton Nascimeto

MP aciona TCU para barrar salários de até R$ 1 milhão recebido por militares

MP aciona TCU para barrar salários de até R$ 1 milhão recebido por militares

PF mira grupo que fez 245 saques para desviar recursos do Fundeb e do SUS em AL

PF mira grupo que fez 245 saques para desviar recursos do Fundeb e do SUS em AL

Saiba como identificar os recenseadores do IBGE

Saiba como identificar os recenseadores do IBGE

Margareth Dalcolmo é eleita para integrar a Academia Nacional de Medicina

Margareth Dalcolmo é eleita para integrar a Academia Nacional de Medicina

Dia Internacional da Juventude busca pontes com outras faixas etárias

Dia Internacional da Juventude busca pontes com outras faixas etárias

Ato na UnB marca leitura de carta em defesa da democracia e do sistema eleitoral

Ato na UnB marca leitura de carta em defesa da democracia e do sistema eleitoral