×
ContextoExato

Sob o olhar delas. Na linha de frente do documentário Mulher

Sob o olhar delas. Na linha de frente do documentário MulherFoto: CorreioWeb

Numa rede que pretende multiplicar a visão feminina, a cineasta Anastasia Mikova investe esforços no longa Mulher, produção de cinema que impulsiona projetos internacionais

Ricardo Daehn - Correioweb - 02/04/2020 - 08:31:53

Mulher, um documentário épico — formado por depoimentos de moças e senhoras de 50 países, e conduzido pela dupla Anastasia Mikova e Yann Arthus-Bertrand — desembocou no esforço de a produção ver “todas as mulheres do mundo se sentindo celebradas”. Para a construção da ponte comum que pulse à base de “orgulho”, muita responsabilidade foi afirmada, dada a confiança de 2000 mulheres em contar experiências absolutamente íntimas.

“Desejo que ressoe, como algumas enfatizam o ‘chegou a hora!’. Pretendemos que a resiliência e a força das mulheres sejam vistas por todas as pessoas. Quero que as mulheres parem de duvidar e comecem a acreditar em si mesmas, e que os homens deixem de ter medo das mulheres e passem a nos entender melhor”, comenta a diretora Anastasia Mikova, em entrevista ao Correio.

Ainda que o longa tenha tido a exibição suspensa, dado o provisório fechamento das salas de exibição, Mulher segue frutificando, num escoar de atitudes e ações. “O filme foi totalmente financiado por patrocinadores, a sem devolução de investimento. Criamos, com isso, a associação chamada Mulheres na Mídia e na Escola de Notícias — tudo com os lucros dados pelo filme. Nosso objetivo é treinar mulheres para profissões da mídia, em todo o mundo. Assim, elas farão ecoar as vozes das mulheres em seu próprio país. Um dos programas que gostaríamos de financiar, por sinal, está justamento no Brasil”, comenta Anastasia Mikova.

Entrevista // Anastasia Mikova

Que assuntos prevaleceram na realização do filme Mulher?

Tivemos a ideia de Mulher, ao trabalhar no nosso filme anterior, Human, um projeto já baseado em testemunhos em primeira pessoa. Enquanto fazíamos entrevistas, com homens, mulheres e crianças de todo o mundo, sentimos que havia algo diferente na maneira como as mulheres encaravam a vida. Não era melhor ou pior do que os homens, era apenas diferente. E também, sentimos que as mulheres queriam conversar e, acima de tudo, precisavam ser ouvidas. Essa era uma situação nova porque, há 10, 15 anos, era quase impossível em alguns países encontrar uma mulher pronta para conversar sobre experiências pessoais na frente de uma câmera. Agora, em todo lugar, as mulheres vinham até nós, dispostas a compartilhar sua história. Uma vez em frente da câmera, elas disparavam tudo: as experiências mais pessoais, coisas nunca ditas a ninguém. Até parece que elas esperaram pelo momento a vida inteira. E assim, com meu codiretor Yann Arthus-Bertrand, pensamos que o momento estava certo e as mulheres estavam prontas. Foi assim que o projeto começou. Isso foi há quatro anos, quase dois anos antes de o caso Harvey Weinstein e a deflagração do movimento #MeToo.

Quais foram as maiores dificuldades na hora da edição?

A maneira como trabalhamos é muito diferente dos documentários clássicos, apesar de termos ideias concebidas: perguntas que gostaríamos de fazer, tópicos a serem destacados, adaptamos tudo de acordo com as histórias que ouvimos. Então foi um cenário comovente e nós constantemente mudado e adaptado para ser o mais próximo possível do que as mulheres pretendiam. Então, podemos dizer que o filme foi escrito com as mulheres. Dado que tivemos 2 mil testemunhos, é claro que foi muito frustrante fazer a escolha final. É um processo sem fim, e você sempre pode alterar, adicionar ou modificar algo, sempre. A ideia para nós era encontre o equilíbrio certo entre os tópicos universais nos quais toda mulher se reconheceria, como educação, capacitação, trabalho, maternidade, períodos, relacionamento que temos com nossos corpos ou sexualidade e tópicos mais específicos. Yann e eu, como diretores, queríamos destacar: o estupro como arma de guerra e o casamento forçado, por exemplo.

O que deu unidade aos discursos de Mulher?

A ideia era reunir essa mistura em todos os 50 países: ter mulheres comuns, representantes de todas as trajetórias de vida e pessoas donas de vivências específicas. Nunca reduzimos uma mulher a um único tópico, fizemos todas as perguntas a todas as mulheres. E, às vezes, uma mulher selecionada para falar sobre violência, acabou, no filme, revelando história de empoderamento e sucesso! Isso tornou nosso projeto único. Nunca sabíamos o que aconteceria durante a entrevista e estávamos sempre abertos e prontos para a surpresa. No geral, acho que as principais mensagens que queríamos que o filme transmitisse estão lá: noto que o público entende e sente, junto.

Mulheres se sentem mais estimuladas a conversar entre si?

É verdade que, dado o grau de intimidade em nossas entrevistas, seria impossível para a maioria dessas mulheres conversar com tanta profundidade com um homem. Yann, meu codiretor, entendeu completamente, então para o filme apenas as mulheres fizeram as entrevistas: eu fiz muitas delas, e eu também tinha uma equipe incrível de cinco jornalistas que trabalhou conosco por dois anos de filmagens, a cargo de muitas entrevistas. E em todos os países onde filmamos, tínhamos um local, uma mulher sediada naquele país, geralmente uma jornalista, dona da sintonia fina. Ela nos ajudou a preparar as filmagens e trabalhou com muitos meses de antecedência. Foi realmente um trabalho em equipe.

Mulheres dos mais variados âmbitos e com atitudes diversas estão na linha de frente do documentário Mulher
 (Emmanuel Cappellin/Divulgação)
Mulheres dos mais variados âmbitos e com atitudes diversas estão na linha de frente do documentário Mulher

Ainda existem resistências para uma conversa aberta sobre feminismo?

Descobri que o tópico mais delicado para lidar não era sobre dificuldades ou violência, que infelizmente são tão generalizadas. As mulheres falam sobre isso muito livremente; mas para falar sobre sexo, há o peso de um tabu enorme na maioria dos países! E é engraçado porque as primeiras mulheres hesitariam muito em responder ou não perguntas sobre sua vida sexual ou sua primeira orgasmo, por exemplo. Mas uma vez que eles decidiram abrir a porta, era impossível para as mulheres pararem, elas apenas compartilhariam muito o que tivemos que cortar um pouco na edição (caso contrário, poderia se tornar um filme erótico se mantivéssemos tudo). Foi uma verdadeira libertação de todos os tabus e estereótipos nos quais mulheres estavam acorrentadas. Fiquei surpresa com essa liberdade de expressão. Realmente nos provou que as mulheres estão prontas para conversar e querem conversar sobre tudo!

O processo de globalização fortaleceu as mulheres?

Sim, ouvir outras mulheres em diferentes países e de diferentes caminhos da vida experimentando a mesma coisa que você, cria um sentimento de irmandade: surge força para não se ter mais medo, e falar. As mulheres não escolheram o silêncio, por muito tempo, esse silêncio lhes foi imposto, por sua família, pela sociedade que lhes diria: não é o certo momento para falar, que trarão vergonha para a família etc. Mas quando uma mulher que se sente sozinha, vê e ouve centenas de outras mulheres que compartilham a mesma experiência, ela sabe que não está sozinha e isso lhe dá forças para falar também. E falar é apenas o primeiro passo em um longo processo de mudança, mas é muito importante, pois uma vez que você fala, sua história pertence apenas a você e ninguém pode mais tirá-la de você. Agora que estamos exibindo o filme, muitas vezes as mulheres na plateia, levantam-se no final e compartilham sua história, dizendo que, observando todas as outras, ganham coragem para falar e não têm mais medo. É muito impressionante ver.

Algo mudou em você a partir da vivência do filme?

Em um nível mais pessoal, eu diria que fazer este filme me fez perceber a sorte que tenho. Fui criada por pais que sempre me pressionaram, mas diziam que nada era impossível e que eu conseguiria tudo o que queria, sou casada com um homem que me respeita e faz todas as tarefas domésticas — eu nem sei cozinhar um ovo (risos) e isso não é um problema —, eu trabalho com um homem que é reconhecido mundialmente, mas que sempre me escuta e coloca minha opinião no centro. Eu pensei haver muitas mulheres como eu em todo o mundo. Mas, trabalhando neste filme, percebi que minha história ainda é uma exceção e que a maioria das mulheres precisa e luta muito em sua vida. E espero sinceramente que, com nosso filme e outras iniciativas, integremos um novo mundo em que minha história não seja mais uma exceção.

Comentários para "Sob o olhar delas. Na linha de frente do documentário Mulher":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório