×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 16 de maio de 2022

Técnicos que reverteram apagão no Amapá são demitidos da Eletronorte 40 dias depois

Técnicos que reverteram apagão no Amapá são demitidos da Eletronorte 40 dias depoisFoto: Arquivo Pessoal

Técnicos da Eletronorte em São Luís (MA); Jorge Luís Lima de Jesus [2º da esq. para a dir.] recebeu carta de desligamento na semana passada após 39 anos de trabalho

Daniel Giovanaz - Brasil De Fato | São Paulo (sp) - 15/01/2021 - 16:47:14

Ao todo, 300 trabalhadores serão demitidos; empresa está sendo sucateada para justificar privatização, diz sindicalista

Ao menos seis técnicos da Eletronorte que se deslocaram do Pará e do Maranhão ao Amapá para restabelecer a energia após o apagão de novembro de 2020 integram a lista de 194 demissões divulgada pela estatal na semana passada.

Os desligamentos estavam previstos em um acordo coletivo assinado junto ao sindicato em 2019, em meio ao processo de desmonte do sistema Eletrobrás – que está na lista de privatizações do governo Bolsonaro (sem partido). O nome dos trabalhadores, no entanto, só foi conhecido na semana passada.

:: Artigo | Privataria: por que a venda do setor elétrico ameaça o Amapá e o Brasil ::

Jorge Luís Lima de Jesus, de 64 anos, de São Luís (MA), é um deles. Entre as memórias dos 39 anos na empresa, o período em que passou em Macapá (AP) ocupa um lugar especial.

“Eu me sensibilizei muito com o povo amapaense. Os caras pediam até pelo amor de Deus, que Deus abençoasse o nosso trabalho, para voltar a energia”, lembra o técnico de manutenção.

Foram cerca de 25 dias de trabalho incansável, longe da família, para reverter o apagão, causado por uma empresa privada.

“Trabalhamos dia e noite. No sol, na chuva, de madrugada. A gente almoçava duas da tarde e jantava a uma da madrugada”, completa Jorge. “Quando dava seis horas da manhã, a gente já estava no ponto, com a farda novamente. A gente limpava a mão na própria farda para não perder tempo”, detalha.

Como as agências bancárias não estavam funcionando, as despesas de viagem eram pagas pelos próprios trabalhadores – reembolsados, em seguida, pela Eletronorte. Durante uma semana, os trabalhadores sequer tiveram comunicação com a família.

“Sempre com responsabilidade, conseguimos cumprir o que a empresa estava querendo”, lamenta o trabalhador. “Para minha surpresa, depois dessa dedicação toda, recebi essa carta de desligamento. É muito doído. É como se eu fosse um objeto qualquer”, desabafa.

:: Com duração de uma hora, terceiro apagão no Amapá deixa mais prejuízos à população ::


Jorge Luís Lima de Jesus em ação em Macapá (AP), trabalhando para restabelecer o sistema após apagão que deixou parte do estado sem energia durante quase todo o mês de novembro / Arquivo pessoal

Demissões em São Luís

Somente na subestação de São Luís, cinco dos oito técnicos de manutenção foram demitidos no último dia 4.

“Não vai ter mão de obra qualificada para fazer o serviço”, prevê Jorge, chamando atenção para o risco de apagões cada vez mais frequentes.

Quatro dias após a divulgação dos nomes dos 194 demitidos, em 8 de janeiro, a capital maranhense ficou sem luz por três horas.

“Mesmo o pessoal que já estava com a carta de desligamento, todos foram para a linha de frente restabelecer o sistema. Ninguém se negou, e todos vestiram a camisa”, acrescenta o trabalhador.

Os 194 desligamentos ocorreram em nove estados diferentes: Pará (59), Maranhão (49), Brasília (46), Roraima (15), Amapá (9), Mato Grosso (8), Acre (5), São Paulo (2) e Tocantins (1).

O critério usado pela Eletrobrás ao definir quem seria desligado foi idade e avaliação. Integram a lista, basicamente, trabalhadores aposentados ou próximos da aposentadoria.

Fabíola Latino Antezana, diretora do Sindicato dos Urbanitários do Distrito Federal (STIU-DF), analisa que o sistema Eletrobrás e os Correios estão na linha de frente das privatizações do governo brasileiro. Os desligamentos, segundo ela, fazem parte de um processo de sucateamento para justificar a venda à iniciativa privada.

Jorge Luís Lima de Jesus concorda: “Eles atacaram mais no setor de manutenção, para desequilibrar todo o sistema elétrico e eles poderem privatizar.”

Acordo coletivo

Ao todo, o acordo coletivo prevê 300 desligamentos, que deveriam começar em janeiro de 2020. Devido à pandemia, o STIU-DF conseguiu suspender as demissões, por meio de articulações políticas e ações judiciais, utilizando a pandemia como argumento.

“É um desligamento sem justa causa, sem verba rescisória e sem plano de saúde”, ressalta a sindicalista, lembrando que o alvo das demissões são justamente trabalhadores mais velhos, muitos dos quais integram o grupo de risco da covid-19.

Antezana enfatiza que a Eletronorte é a maior geradora e transmissora do país em área territorial. O último concurso público foi realizado em 2007, e o número trabalhadores era insuficiente mesmo antes das demissões.

“Nosso sistema é antigo, não foi modernizado, e não temos pessoas mais novas para repor, e que conheçam esse sistema”, lamenta. “O que se desenha é a falência total do sistema no norte do país.

O Brasil de Fato entrou em contato com a assessoria de comunicação da Eletronorte e expôs os questionamentos, mas não houve retorno.

Edição: Camila Maciel

Comentários para "Técnicos que reverteram apagão no Amapá são demitidos da Eletronorte 40 dias depois":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Vale põe à venda áreas invadidas no Pará

Vale põe à venda áreas invadidas no Pará

Empresa desencoraja visitas de interessados por causa da violência

Exportações de café solúvel do Brasil caem 4,7% devido ao conflito entre Ucrânia e Rússia

Exportações de café solúvel do Brasil caem 4,7% devido ao conflito entre Ucrânia e Rússia

As vendas de café solúvel do Brasil no exterior caíram 4,7% no primeiro trimestre de 2022 devido ao conflito entre Rússia e Ucrânia. A projeção anual de perdas no setor é de cerca de US$ 100 milhões (R$ 505,5 milhões), disse uma associação da indústria na sexta-feira (13).

Brasileiro, porta-voz do Ocha, relata drama de ucranianos evacuados de Mariupol

Brasileiro, porta-voz do Ocha, relata drama de ucranianos evacuados de Mariupol

Civis de Mariupol deixam região após mais de dois meses sitiados.

Egito e Brasil começarão a negociar aumento de exportação de fertilizantes egípcios

Egito e Brasil começarão a negociar aumento de exportação de fertilizantes egípcios

Cairo assumiu o compromisso de dar prioridade às demandas de fertilizantes pedindo em contrapartida que tenha preferência no setor de exportação de frutas brasileiras.

Brasil 'está completamente perdido' em estratégia de semicondutores, diz economista

Brasil 'está completamente perdido' em estratégia de semicondutores, diz economista

A crise dos semicondutores tem gerado diversos problemas à indústria brasileira, principalmente a automotiva. A Sputnik Brasil entrevistou especialistas e representantes do setor de semicondutores para discutir como o Brasil pode se proteger de crises futuras.

Helio Santos: “O dia 14 de maio de 1888 é o dia mais longo da nossa história”

Helio Santos: “O dia 14 de maio de 1888 é o dia mais longo da nossa história”

Ativista histórico contra o racismo alerta que a pauta nunca foi tratada de acordo com sua dimensão

Crise econômica gera êxodo de empresários para o exterior, diz especialista

Crise econômica gera êxodo de empresários para o exterior, diz especialista

Empresas veem futuro promissor fora do país

"Já temos sinais de uma nova onda de evasão de cérebros", afirma doutor em História da Ciência

Em entrevista, Olival Freire Júnior fala sobre o impacto do não investimento em ciência no Brasil

Apenas 64% das empresas no Brasil apostam em Compliance

Apenas 64% das empresas no Brasil apostam em Compliance

Contar com um advogado especializado em compliance é um diferencial

Projeto Creative SP vai levar 10 empresas para a Feira de Frankfurt

Projeto Creative SP vai levar 10 empresas para a Feira de Frankfurt

Dez empresas ou instituições paulistas vão poder participar da Feira do Livro de Frankfurt este ano dentro do projeto Creative SP.

Inflação de abril é a mais alta em 26 anos; acumulado de 12 meses, o maior em duas décadas

Inflação de abril é a mais alta em 26 anos; acumulado de 12 meses, o maior em duas décadas

Preços subiram em quase todos os itens avaliados; destaque para alimentos, gás, remédios e, novamente, combustíveis