×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 22 de outubro de 2021

Toca de 70 mi de anos onde crocodilos fugiam do calor é descoberta em Minas Gerais

Toca de 70 mi de anos onde crocodilos fugiam do calor é descoberta em Minas GeraisFoto: Jorge Blanco-Divulgação

Ilustração mostra como era a toca de crocodilos encontra em Peirópolis

Por Carlos Eduardo Cherem Colaboração Para O Uol - 28/05/2019 - 08:19:42

Cientistas argentinos e brasileiros descobriram uma toca (paleotoca) que abrigava um crocodilo Labidiosuchus amicum , uma das quatro espécies identificadas de crocodilos (crocodilomorfos), que habitaram o distrito de Peirópolis, em Uberaba (MG), a 475 quilômetros de Belo Horizonte.

Segundo o paleontólogo Agustin Martinelli, do Museu Argentino de Ciencias Naturales Bernadino Rivadavia, um dos responsáveis pela descoberta, trata-se da primeira toca do período Cretáceo Superior, há 70 milhões de anos, descoberta na América do Sul.

"É o primeiro registro que temos de uma paleotoca em rochas do período Cretáceo Superior, ou seja, há cerca de 70 milhões de anos, em toda a América do Sul. Talvez, um dos únicos do mundo no período", afirmou Martinelli.

Segundo o geólogo Luiz Carlos Borges Ribeiro, do Centro de Pesquisas LLewelly Ivor Price, braço da UFTM (Universidade Federal do Triângulo Mineiro) para pesquisas de paleontologia em Peirópolis, a toca descoberta está localizada a 2,5 quilômetros ao norte do centro do distrito. O pesquisador explica que o achado tem grande relevância para as pesquisas do Cretáceo Superior, por causa das dificuldades para encontrar registros icnofósseis, como pegadas e marcas deixadas pelas espécies de crocodilos extintas.

"O achado se reveste de grande relevância, face à raridade de se ter este tipo de fóssil preservado, o icnofóssil, que são registros indiretos das atividades biológica produzidas pelo animal, e não restos fósseis corpóreos, como dentes e ossos", disse Ribeiro.

Ele explica que as tocas eram utilizadas pelos crocodilos para se "proteger" das altas temperaturas e secas prolongadas na região do Triângulo Mineiro, 70 milhões de anos atrás. Segundo o geólogo, as temperaturas alcançavam algo entre 50º e 60ºC.

"As tocas determinam um hábito comportamental utilizado para proteção em tempos de secura extrema, ou mesmo para colocação de ovos pelo indivíduo", diz o pesquisador.

"O esconderijo para enfrentar o calor intenso, a guarda de alimentos e a hibernação, foi utilizado pela espécie Labidiosuchus amicum , um crocodilomorfo de tamanho pequeno".

Ribeiro lembra que não foram encontrados restos esqueléticos, ovos e restos de alimentos, no local.

"O animal responsável pela construção dessa toca a utilizou para se proteger de temperatura entre 50º e 60º em longos períodos de secura. Por questão de sobrevivência, escavava um buraco", afirmou.

Segundo o geólogo, durante os milhões de anos, a toca foi sendo preenchida por uma mistura de areia fina e lama, que a deixou fossilizada, possibilitando que fosse descoberta e identificada.

Comentários para "Toca de 70 mi de anos onde crocodilos fugiam do calor é descoberta em Minas Gerais":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Na contramão do Acordo de Paris, países planejam mais que dobrar produção de combustíveis fósseis

Na contramão do Acordo de Paris, países planejam mais que dobrar produção de combustíveis fósseis

Emissões com a queima de carvão contribuem para a poluição em Ulaanbaatar, na Mongólia.

Estudo liga plano do Brasil para o clima a maior aquecimento

Estudo liga plano do Brasil para o clima a maior aquecimento

Na véspera da COP-26, na Escócia, que começa no dia 31, há uma expectativa sobre o que o Brasil vai apresentar.

Chefe do PNUD elogia esforços da China para proteger biodiversidade, depositando grandes esperanças na COP15

Chefe do PNUD elogia esforços da China para proteger biodiversidade, depositando grandes esperanças na COP15

Foto tirada em 27 de setembro de 2021 mostra uma vista no parque de Jiuzhaigou, no distrito de Jiuzhaigou, Província de Sichuan, sudoeste da China.

Comitê dos Direitos da Criança responsabiliza Brasil, Argentina, França, Alemanha e Turquia por falta de ação climática

Comitê dos Direitos da Criança responsabiliza Brasil, Argentina, França, Alemanha e Turquia por falta de ação climática

Ativista Greta em protesto junto da ONU

Projeto dos EUA para reduzir impacto do desmatamento pode afetar exportações do Brasil?

Projeto dos EUA para reduzir impacto do desmatamento pode afetar exportações do Brasil?

A Sputnik Brasil conversou com dois especialistas sobre o impacto que um novo projeto de lei norte-americano sobre desmatamento ilegal no mundo pode ter para as exportações brasileiras

Amazonas vira epicentro da exploração madeireira da Amazônia

Amazonas vira epicentro da exploração madeireira da Amazônia

O desmatamento em junho deste ano, conforme Imazon, apontam para o terceiro maior índice de destruição da vegetação nos últimos 10 anos.

Ação salva 70 jacarés que disputavam poça no Pantanal

Ação salva 70 jacarés que disputavam poça no Pantanal

Desde o início da intervenção na Ponte 3 da Rodovia Transpantaneira, caminhões-pipa de 16 mil litros fazem a reposição diária da água do corixo para beneficiar a população que permaneceu. Um trabalho de "enxugar gelo", segundo Martins, da Ecotrópica, porque o volume é consumido diariamente pelo uso e evaporação.

Paraíba perdeu 0,28 milhões de hectares de Caatinga nos últimos 36 anos

Paraíba perdeu 0,28 milhões de hectares de Caatinga nos últimos 36 anos

Caatinga é o único bioma exclusivamente brasileiro e está sendo devastado, segundo Mapbiomas.

Seca histórica no Pantanal provoca maior vazante em 121 anos

Seca histórica no Pantanal provoca maior vazante em 121 anos

Expectativa é que chuva na região seja acima do esperado

Jaques Wagner cobra posição do Brasil para COP-26

Jaques Wagner cobra posição do Brasil para COP-26

O projeto em questão é o PL 528/21, que cria o Sistema Brasileiro de Comércio de Emissões (SBCE) para regular o mercado nacional de carbono

Área ocupada pela agricultura na Caatinga cresce 1456% em 36 anos; pastagens têm salto de 48%

Área ocupada pela agricultura na Caatinga cresce 1456% em 36 anos; pastagens têm salto de 48%

Estudo do MapBiomas mostra que 112 municípios da Caatinga perderam 0,3 milhões de hectares de vegetação nativa em 36 anos