×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 17 de janeiro de 2022

Trabalhadoras e suas famílias precisam de mais apoio na resposta à Covid-19

Trabalhadoras e suas famílias precisam de mais apoio na resposta à Covid-19Foto: UNICEF

Para as crianças mais vulneráveis, a ausência de sistemas adequados de proteção social exacerba sua exposição à crise de COVID-19.

Onu Brasil - 07/04/2020 - 06:58:39

À medida que a pandemia do novo coronavírus continua o seu crescimento exponencial, uma nota técnica de Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), Organização Internacional do Trabalho (OIT) e ONU Mulheres sobre políticas voltadas para a família e outras boas práticas no local de trabalho no contexto da COVID-19 mostra que é essencial apoiar as trabalhadoras e suas famílias, de forma a minimizar as consequências negativas para as crianças.

“As consequências da pandemia – perda de empregos, estresse prolongado e deterioração da saúde mental – serão sentidas pelas famílias nos próximos anos”, diz Pia Rebello Britto, chefe de desenvolvimento da primeira infância do UNICEF.

“Para as crianças mais vulneráveis, a ausência de sistemas adequados de proteção social exacerba sua exposição à crise.”

Nas novas recomendações preliminares divulgadas, em 30 de março, o UNICEF insiste para que as empresas considerem o impacto de suas decisões de negócios sobre as trabalhadoras e suas famílias e apoiem a proteção social sempre que possível.

O UNICEF e a OIT também pedem aos governos que fortaleçam medidas de proteção social, especialmente para famílias vulneráveis, inclusive apoiando os empregadores a continuar fornecendo trabalho e renda e garantindo apoio financeiro às pessoas que perdem seus empregos.

“O diálogo social – consulta e colaboração entre governos, trabalhadores, trabalhadoras e empregadores, empregadoras – é essencial. Para que as respostas sejam eficazes e sustentáveis, elas precisam ser construídas com base na confiança e em uma ampla gama de experiências ”, disse Manuela Tomei, diretora do Departamento de Condições de Trabalho e Igualdade da OIT.

A COVID-19 impõe ainda mais ônus às mulheres em casa, enquanto as expõe a uma maior insegurança de renda e ao aumento dos níveis de violência doméstica. Segundo a ONU Mulheres, é necessária uma abordagem coordenada e centrada nas pessoas.

As empresas têm um papel fundamental a desempenhar para garantir o bem-estar das funcionárias e atender às suas necessidades diferenciadas em suas cadeias de suprimentos e base de clientes, disse Anna Falth, chefa da equipe da ONU Mulheres para os Princípios de Empoderamento das Mulheres.

Políticas e práticas voltadas para a família, incluindo emprego e proteção à renda, licença remunerada para cuidar de pessoas da família, acordos de trabalho flexíveis e acesso a cuidados infantis de emergência e de qualidade podem fazer uma diferença crítica.

Elas permitem que as pessoas se protejam e cuidem de si mesmas e de seus filhos e filhas e aumentam a produtividade e a sensação de segurança das trabalhadoras e trabalhadores.

As recomendações preliminares para as empresas mitigarem as consequências negativas decorrentes da COVID-19 incluem:

. Monitorar e seguir os conselhos nacionais das autoridades locais e nacionais e comunicar informações críticas à força de trabalho.

. Avaliar se as políticas atuais do local de trabalho fornecem apoio suficiente a trabalhadoras, trabalhadores e suas famílias.

. Aplicar boas práticas ao implementar políticas novas ou já existentes, baseadas no diálogo social, nas leis trabalhistas nacionais e nas normas internacionais de trabalho. Certifique-se de que todos os trabalhadores e trabalhadoras tenham direito a medidas de apoio no local de trabalho, sem discriminação, e que todas as pessoas as conheçam, entendam e se sintam confortáveis ​​em usá-las.

. Proteger o local de trabalho contra discriminação e estigma social, facilitando o treinamento e garantindo que os mecanismos de denúncia sejam confidenciais e seguros.

. Implementar acordos de trabalho para toda a família, para dar aos trabalhadores e trabalhadoras maior liberdade de quando e onde podem cumprir suas responsabilidades profissionais. Se acordos de trabalho flexíveis não forem possíveis, considere um apoio alternativo para as mães e pais que trabalham, como o apoio as crianças.

. Apoiar os pais e as mães trabalhadoras com opções de acolhimento a crianças, que sejam seguras e apropriadas no contexto da COVID-19.

. Prevenir e enfrentar os riscos no local de trabalho, fortalecendo as medidas de segurança e saúde ocupacional.

. Fornecer orientação e treinamento sobre medidas de segurança e saúde ocupacional e práticas de higiene.

. Incentive as trabalhadoras e trabalhadores a procurar atendimento médico adequado em casos de febre, tosse e dificuldade em respirar.

. Apoiar os funcionários e funcionárias a lidar com o estresse durante o surto da COVID-19.

. Apoiar as medidas de proteção social do governo, em conformidade com a Convenção nº 102 da OIT (Normas mínimas) e a Recomendação nº 202 da OIT sobre pisos de proteção social. O apoio da empresa pode incluir, por exemplo, subsídios para os trabalhadores e trabalhadoras acessarem seguros de saúde, desemprego e incapacidade de trabalhar e deve estender-se as trabalhadoras e trabalhadores do setor informal.

Comentários para "Trabalhadoras e suas famílias precisam de mais apoio na resposta à Covid-19":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Estudante de 62 anos formada na EJA inicia o ano na UnB

Estudante de 62 anos formada na EJA inicia o ano na UnB

Quem quiser seguir o mesmo caminho da diarista Maria da Conceição pode se matricular no programa, que abrirá vagas remanescentes em fevereiro

“Temos capacidade para fazer, somos empreendedoras e muito valentes”, afirma venezuelana

“Temos capacidade para fazer, somos empreendedoras e muito valentes”, afirma venezuelana

Yidri foi uma das mulheres empreendedoras beneficiadas em Roraima pelo Programa Conjunto LEAP

OCDE mostra como a desigualdade de gênero afeta brasileiras

OCDE mostra como a desigualdade de gênero afeta brasileiras

A Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) é composta por 38 países membros e por 8 países parceiros, grupo do qual o Brasil faz parte

Maior acampamento de refugiados sírios sem mortes maternas após 14 mil partos

Maior acampamento de refugiados sírios sem mortes maternas após 14 mil partos

Unfpa administra operações dentro das instalações de saúde no maior acampamento acolhendo cidadãos da Síria

Natália Bonavides vai recorrer ao Judiciário por direito de resposta a Ratinho

Natália Bonavides vai recorrer ao Judiciário por direito de resposta a Ratinho

Segundo Natália, o direito de resposta "evidencia as mentiras contadas no programa e mostra a necessidade urgente de enfrentar a intolerância e o preconceito. A recusa em divulgá-la é uma confirmação daquilo que foi dito"

O trabalho das mulheres no enfrentamento às desigualdades sociais que pioraram com a pandemia

O trabalho das mulheres no enfrentamento às desigualdades sociais que pioraram com a pandemia

Mulheres da comunidade Aratu, em João Pessoa, aguardam por alimentos durante ação de solidariedade em 1° de maio de 2021.

NYT traz perfil de Luiza Trajano destacando antirracismo e ascensão política

NYT traz perfil de Luiza Trajano destacando antirracismo e ascensão política

A reportagem cita que Luiza Trajano fez movimentos

Mãe de criança baleada na Baixada Fluminense desabafa:

Mãe de criança baleada na Baixada Fluminense desabafa: "Pago imposto para ver meu filho morto?"

"Ninguém sabe a dor que estou passando", disse Ana Clara Santos, mãe de Kevin Lucas, de seis anos

Constituinte do Chile elege pesquisadora de saúde pública como nova presidenta

Constituinte do Chile elege pesquisadora de saúde pública como nova presidenta

Da esquerda para a direita: a ex-presidenta Elisa Loncón e a nova mandatária: María Elisa Quinteros

Secretaria de Cultura do DF libera para download o catálogo da Mulher Negra

Secretaria de Cultura do DF libera para download o catálogo da Mulher Negra

Ação homenageia a trajetória artística de 30 agentes culturais do DF

Entidades criam ferramentas para mulheres com deficiência denunciarem violência doméstica

Entidades criam ferramentas para mulheres com deficiência denunciarem violência doméstica

Apenas 27% das mulheres que responderam à pesquisa disseram nunca ter sofrido ou vivenciado situações violência